Mega Tóquio — Justificativa e História

Defensores de... Ni-Akihabara? Detalhando um dos bairros mais icônicos de Mega City!

Pensei pela primeira vez em Mega Tóquio no mesmo dia em que fiquei sabendo que a Jambô publicaria Mega City.  Um cenário que juntava tudo (anime, games, mangá; e até cartoon!) em uma única cidade? É claro que tinha que ficar bom!

A bagunça generalizada sempre foi a cara de 3D&T. É este caos que buscamos quando rolamos os dados numa partida de Defensores de Tóquio. Opções que não tenham lógica alguma coexistindo de forma crível em um universo tão bizarro quanto o nosso. E isso funciona malignamente bem em Mega City, tanto que sempre há espaço para mais confusão!

E Mega Tóquio é exatamente isso: um novo (e caótico) cenário ambientado em Mega City, no bairro oriental de Ni-Akihabara, no distrito de Nova Veneza. Ele foi imaginado para ser usado como palco para suas aventuras de Defensores em Mega City e desenvolve-se aproveitando-se de todo um universo de clichês de animes, tokusatsu e da cultura nipônica em si, enfiando toda uma fatia de Tóquio no meio da Cidade das Cidades e fazendo com que nossos heróis de colante possam honrar seus salários (e seu nome).

É hora de lutar!

armageddon-logo-megatoquio
A História Não Contada

Para compreender a história de Ni-Akihabara, é preciso primeiro desvendar os mistérios da sua origem, que se inicia com a criação das ilhas que formariam o Japão pelas mãos de Izanagi e Izanami, dois seres místicos que foram incumbidos pelos deuses antigos da posse da Lança dos Céus, a Ame-no-nuhoko. Esta fantástica arma, com o cabo cravejado de jóias, era capaz de erguer os mares e as montanhas quando manejada, e foi com ela que todo um continente foi criado, a ilha mística de Onogoro-shima.

Após descerem do firmamento para seu novo lar, Izanagi e Izanami tiveram dois filhos: Hiruko e Awashima. Estes, porém, eram criaturas monstruosas e por isso seus pais os rejeitaram, os colocando em uma canoa que foi solta na correnteza do rio celestial para que se perdessem para sempre. Os deuses viram o que ambos haviam feito e por isso destruíram a ponte que ligava o mundo aos céus, aprisionando ambos em Onogoro-shima para todo o sempre.

Apenas alguns séculos após o incidente é que aconteceram os primeiros ataques de monstros: os daikaiju. Criaturas gigantescas brotaram do mar e invadiram o continente, dirigindo-se até o lugar onde os deuses viviam. Após uma terrível luta que acarretou na destruição de Onogoro-shima, fazendo com que vulcões brotassem da terra e o continente se quebrasse em milhares de ilhas menores, os monstros foram destruídos. Izanagi e Izanami prontamente reconheceram as criaturas como sendo obra de seus filhos rejeitados. Assim, temendo causar maiores estragos, entregaram a guarda da Ame-no-nuhoko para os mortais e partiram pelo mundo à caça de seus filhos. Depois disto, os ataques de monstros tornaram-se menos frequentes, mas nunca cessaram por completo. Seu objetivo era claro: conquistar a Lança dos Céus.

Por isso, desde a antiguidade, os japoneses lutam para protegê-la em seu altar erigido no exato lugar onde antes estava a cabeceira da ponte celeste. Milhares de cidades surgiram e desapareceram ao longo do tempo em sua volta, até que, enfim, a humanidade construiu a primeira grande fortaleza capaz de resistir ao ataque de um monstro gigante. Tratava-se do Castelo de Edo, cujo entorno transformou-se na cidade de mesmo nome.

Edo seguiu seu curso, sendo constantemente arrasada por invasões de monstros ou batalhas samurai até o ano de 1868, quando passou a se chamar oficialmente Tóquio (Capital do Leste), e permaneceu desta forma até ser também destruída na Segunda Guerra Mundial pelos exércitos americanos, na década de quarenta. Foi nesta época, temendo que a Lança dos Céus caísse nas mãos de algum dos invasores ou do próprio exército nipônico, que seus guardiões milenares tomaram uma atitude até então impensada: levar a Ame-no-nuhoko para outro lugar do planeta, fora do Japão, deixando uma réplica em seu lugar.

O lugar escolhido foi a então pequena comunidade nipônica em ascensão no coração de Mega City: Ni-Akihabara.

Ni-Akihabara, o Bairro Oriental

Conhecido especialmente por tratar-se de um centro de tecnologia e cultura pop nipônica no distrito de Nova Veneza, Ni-Akihabara é um populoso bairro formado por descendentes japoneses que imigraram para Mega City no final do século XIX e início do século XX. Desconsiderando-se os ataques de criaturas gigantes, guildas de motoqueiros ou invasões alienígenas em larga escala, é um dos lugares mais tranquilos da Terra.

Sua impressionante população atual, especialmente se considerarmos sua área diminuta de pouco mais de duzentos quilômetros quadrados, é de mais de meio milhão de habitantes. E este número parece crescer sempre que um ataque de monstro destrói parte de suas estruturas, o que acontece com relativa frequência. Felizmente, Ni-Akihabara possui maquinário avançado em todas as áreas, incluindo a construção civil, que emprega largamente o uso de mechas para trabalho pesado. Seu pessoal especializado é capaz de reconstruir prédios inteiros em poucos dias, de tal forma que o cotidiano das pessoas não é tão prejudicado, como aconteceria em qualquer outro lugar da terra, exceto pela própria Tóquio.

Ni-Akihabara também é conhecido em toda a Mega City como o melhor lugar para se conseguir cards, artefatos eletrônicos cujo formato lembra um cartão de crédito mas que são capazes de guardar efeitos arcanos diversos, como uma espécie de pergaminho mágico moderno. A forma como os mesmos são confeccionados é um dos segredos mais bem guardados pela sua produtora, a Ikebukuro Route, mas os mesmos podem ser comprados em lojas especializadas, movimentando uma cifra considerável todos os anos.

Contudo, talvez a mais emblemática de suas características atualmente seja a sua grande organização protetora, conhecida popularmente como Defensores. Sob as ordens do Delegado Yamaji Hatsumi, responsável pelo braço do Departamento de Polícia de Mega Tóquio e, secretamente, da Polícia Científica Internacional em Ni-Akihabara, agem centenas de policiais uniformizados especialistas em lidar com toda a sorte de crimes, sendo que cada grande área criminal possui uma polícia especial voltada para combatê-los. Além disso, os Defensores contam ainda com esquadrões especiais, policiais com armaduras de aço e até ninjas e robôs gigantes!

Toda esta proteção, é claro, possui um propósito em comum: é sob a sede dos Defensores que hoje repousa a Ame-no-nuhoko. Os monstros, instintivamente, sabem que a lança não está mais no Japão (mas ainda atacam Tóquio de vez em quando, por força do hábito), e agora a estão procurando aqui. E não há como prever o que aconteceria se ela enfim caísse em suas mãos…

Novo Kit de Personagem: Defensor
Exigências: algum outro kit de personagem ou especialização de perícia; Defensor e Código de Honra do Defensor (veja adiante).
Função: qualquer.

Pessoas enfrentando perigos que desafiam a lógica são absurdamente comuns em Mega City. E nestas situações, nada se equipara ao poderio de uma equipe de companheiros trabalhando em prol de um único objetivo. Os Defensores são exatamente isto: membros comuns da sociedade na maior parte do tempo mas que, em momentos em que Ni-Akihabara se encontra em dificuldade, vestem seus uniformes e lutam pela segurança do mundo. Independente de qual polícia ele provenha, um Defensor jamais deixará um amigo para trás. Eles são inseparáveis, agindo juntos quase todo o tempo e correndo riscos impossíveis sempre que um de seus esteja precisando de ajuda.

Defensor (0 pontos): você possui um ou mais companheiros com quem pode contar a todo momento, invariavelmente algum outro personagem de seus amigos na sua mesa de jogo. Um Defensor substitui o Aliado exigido pela vantagem Parceiro. Além disso, devido à convivência em equipe, você saberá instintivamente quando ele estiver precisando de ajuda, podendo inclusive adivinhar em que direção ele se encontra o tempo inteiro.

Código de Honra do Defensor (0 pontos): jamais abandonar um companheiro em dificuldade nem permitir que seus outros amigos o façam. Nunca desistir perante qualquer obstáculo que se interponha aos objetivos de seu companheiro, não importa o quão grande ele seja ou quantas faíscas você já tenha soltado.

Identidade Improvável: as pessoas que convivem diariamente com você não sabem que você é um defensor, e tampouco acreditam nisso. Mesmo que desapareça o tempo inteiro “porque precisa ir ali um instante”, falte a compromissos importantes que sempre coincidem com um ataque de monstro ou que entre num banheiro em sua identidade civil e saia dali vestido e paramentado com um colante e capacete, elas simplesmente rejeitam a verdade e não conseguem fazer qualquer tipo de associação óbvia que o ligue ao papel de Defensor.

Superação: nada pode lhe impedir. Caso um companheiro Defensor esteja Perto da Morte ou em alguma outra situação definida pelo mestre, você pode optar por receber um dentre os seguintes efeitos até seu companheiro ser colocado em segurança:

  • Escudo humano: você pode ignorar qualquer quantidade de dano sofrido, acumulando-o pelo tempo que for necessário para que seu companheiro seja poupado. Quando este estiver enfim seguro, todo o dano somado irá atingi-lo de uma única vez.
  • Força infinita: ao enfrentar oponentes de uma escala superior a sua, seu dano também passa a ser considerado de uma categoria acima. Cada golpe nestas condições irá lhe causar 1 ponto de dano (sem direito a testes para resistir).
  • Vontade ferrenha: você se torna imune a qualquer efeito que possa impedi-lo de ajudar seu companheiro (como Paralisia, magias como Pânico ou Marionete…).Agradecimentos especiais ao Tiago Oriebir, autor do logo de Mega Tóquio.
Armageddon • 29/07/2013

Comentários