Inferno Movido a Vapor — Mecanoides

Eles não estão exatamente vivos, mas quem liga? Mecanoides, os incríveis e variados construtos de Gandara para você extrapolar de vez nas suas partidas!

Não sei por que diabos me perguntam tanto sobre essas coisas. Tudo bem, eles foram febre há alguns anos. Mas já faz algum tempo que mecanoides não são a coisa mais interessante de Gandara. Parafusos, engrenagens e alguns trinados. Quem ainda se interessa por isso? Eles já eram! Tudo bem, exceto pelos mecanoides gigantes, claro. Desses todo mundo ainda gosta!

armageddon-inferno-logo

Mecanoides – O Povo de Lata
“Sempre existem duas alternativas, companheiro.”
— TCH31-Teacher, realocador de mecanoides abandonados.

Mecanoides são construtos mecânicos desenvolvidos com tecnologia goblin, em geral feitos de ferro. Apesar de não serem considerados uma raça como conjunto, individualmente existem muitos que ao longo da existência conquistaram a liberdade e se tornaram cidadãos legalmente estabelecidos em vários dos reinos de Gandara, recebendo uma placa de alforria.

Ainda assim, esse tipo de regalia não os tornam mais aceitos ou queridos onde quer que estejam. Mesmo bastante sofisticados, mecanoides ainda não passam de máquinas. Seu pensamento é linear: são capazes de realizar apenas uma atividade de cada vez. Para eles, as escolhas são limitadas a opostos: sim e não, mais ou menos. Eles nunca se mostram neutros a nenhuma situação. Por mais confuso que possa ser, sempre devem escolher um lado. Uma terceira variável, quando confrontada, costuma deixá-los imóveis até que alguém tome a decisão por eles.

Mecanoides podem ter qualquer forma, tamanho, quantidade de membros, olhos, cabeças… Enfim, é impossível apontar todas as variantes disponíveis no mercado. As mais comuns, entretanto, são os de formato humanoide (com cabeça, tronco e dois pares de membros) para permitir a utilização de ferramentas e utensílios comuns ao uso humano.armageddon-mecanoides

Vantagem Única: Mecanoide Livre (2 pontos)

Mecanoides livres normalmente agem como mercenários, vagando pelo mundo em busca de cabeças premiadas ou algum trabalho que lhes garanta peças de reposição ou melhorias mecânicas. Devido as restrições impostas pelos reinos quanto ao trabalho mecânico, que inclusive os impede de receber qualquer tipo de remuneração em dinheiro, um mecanoide nunca recusa uma chance de conseguir algumas peças sobressalentes.

Característica +4: criados para as mais diversas funções, mecanoides são ajustados conforme a necessidade. Você pode distribuir até 4 pontos entre todas as características livremente, sem ultrapassar o limite inicial de 5.

Vantagem bônus: mecanóides recebem uma vantagem qualquer de 1 ponto, ou podem comprar uma vantagem de 2 pontos (inclusive perícias) por apenas 1 ponto.

Construto: mecanoides são criaturas artificiais que imitam certos aspectos dos seres vivos. Eles recebem todos os benefícios e limitações comuns a seres desse tipo (Manual 3d&T Alpha, pág. 57) e possuem, ainda, uma Restrição de Poder comum: gastam o dobro de energia quando agem contra uma ordem direta de seu proprietário.

Placa de Alforria: mecanoides que receberam esse benefício possuem Boa Fama e são aceitos como membros da sociedade. Para mantê-la, entretanto, eles devem adotar dois Códigos de Honra: 1ª e 2ª Lei de Asimov em relação a todas as raças dominantes (exceto halflings e pessoas que tenham a cabeça premiada).

Bateria: mecanoides funcionam através de energia elétrica gerada por pequenas caldeiras e motores a vapor ou, mais raramente, baterias. Em ambos os casos, eles precisam de tempo para recarregarem as forças após algumas horas de atividade.

Mecanoide de Batalha (3 Pontos)

Restritos a um monte de armas com pernas, a esmagadora maioria dos mecanoides de batalha são refugos de guerras passadas, esquecidos em velhos porões ou em galpões de fábricas abandonadas. Poucos ainda estão em atividade, haja visto que não foram feitos para viver em sociedade. Mas, é claro, sempre há quem encontre alguma utilidade para eles. Em geral, envolvendo cortar, picar, moer e triturar qualquer coisa que fique no caminho!

Força ou Poder de Fogo +3: você foi criado para causar dano: perto ou longe, não importa!

Adaptador: feitos para uma boa briga, mecanoides de batalha são repleto de armas capazes de causar dano de vários tipos.

Aptidão para Forma Alternativa: não é incomum que mecanoides de batalha tenham uma segunda forma mais prática para movimentação e transporte. Para eles, Forma Alternativa custa apenas 1 ponto.

Construto: mecanoides são criaturas artificiais que imitam certos aspectos dos seres vivos. Eles recebem todos os benefícios e limitações comuns a seres deste tipo (Manual 3d&T Alpha, pág. 57) com uma Restrição de Poder comum: gastam o dobro de energia quando agem contra uma ordem direta de seu proprietário.

Bateria: mecanoides funcionam através de energia elétrica gerada por pequenas caldeiras e motores a vapor ou, mais raramente, baterias. Em ambos os casos, eles precisam de tempo para recarregarem as forças após algum tempo de atividade.

Pária: estas máquinas foram amplamente utilizadas em guerras no passado, por isso não são bem vistas em Gandara. Além dos problemas normais de Má Fama, elas não podem trafegar sozinhas em cidades, sob o risco de serem capturadas e desmanchadas em um ferro-velho próximo.

Mecanoides – As máquinas (quase) vivas

Até a passagem de Mephisto, Gandara vivia um período relativamente cômodo da história. Quase qualquer dificuldade encontrada pela população era facilmente resolvida através de energia arcana. Desde o corte de madeira e transporte de pedras para construção de castelos até a conjuração de chuvas em tempos de seca. O que não era realizado pela magia 0 era por intervenção divina. Perder estas forças místicas foi tão drástico na vida das pessoas que a sociedade da época quase ruiu! O que a salvou foi a popularização de motores movidos a vapor e a consequente revolução das máquinas.

Com boa parte da população mundial dizimada, a mão de obra era escassa naqueles primeiros anos. Sobrava trabalho no mundo destruído, mas faltava gente para realizá-lo. Colocar máquinas para fazer aquilo que antes apenas pessoas podiam era uma aposta cara, porém inevitável. E como a maioria das funções era bastante repetitiva, a maquinofatura mostrou-se uma alternativa viável.

Obviamente, os primeiros mecanoides não passavam de meros autômatos sem nenhum tipo de inteligência, que apenas repetiam movimentos pré-estabelecidos graças a engenhosas engrenagens. Máquinas de tecer, moer ou imprimir que dependiam de operadores e supervisores o tempo inteiro, mas que foram um grande avanço em se tratando de ganho de produção industrial. Um homem era capaz de alimentar várias máquinas enquanto estas faziam quase todo o trabalho. Por isso, em poucos anos, a tecnologia originalmente goblinoide e restrita ao reino de Bretor foi exportada para outros pontos do mundo, avançando a passos largos durante todo o processo.

Na comemoração do centenário da partida do destruidor, o mundo inteiro já estava completamente mudado (e tomado) por toda a sorte de traquitanas mecânicas movidas a vapor. Foi neste ano, durante a XV Feira Mundial de Bretor que conhecemos os primeiros mecanoides plenos e com capacidade de tomada de decisões simples: duas locomotivas que faziam a linha Bretor x Ronavon sem a necessidade de condutores chamadas Smoke Jhon e Puffing Mary. Ambas continuam em atividade e pontuais até hoje.

Foi para a manutenção das linhas e das locomotivas que a próxima geração de mecanoides foi criada. Dali em diante, conforme a tecnologia tornava as engrenagens menores e a produção deles mais barata, espalharam-se pelo globo. Boa parte dos reinos do leste foram explorados e colonizados utilizando-se deles para trabalho pesado. As três maiores guerras deste século também foram travadas com extenso uso de mecanoides de todo o tipo.

Com a explosão demográfica humana ao final da década de 30, o número de mecanoides produzidos naturalmente diminuiu. O aumento de oferta de trabalhadores tornou mais barata a contratação de pessoas do que o uso deste tipo de máquina para tarefas em linhas de produção, transformando-os em um luxo que apenas certas famílias podiam pagar. Os mais antigos também ficam obsoletos com frequência e por não terem peças de reposição disponíveis no mercado, acabam descartados sempre que algum defeito surge.

A Placa de Alforria de Bretor

Humanos veem mecanoides como máquinas e lhes prestam o mesmo respeito e admiração que dispensam a uma torradeira. Mas, mesmo o mais ordinário mecanoide de uma numerosa série de produção pode ser considerado único e ter garantido o direito de viver em meio aos humanos se conquistar uma placa de alforria do proprietário.

Esta placa de aço de tamanho que varia entre vinte e trinta centímetros é afixada ao corpo do mecanoide com parafusos e solda. Ela contém, entre outras informações, o número de série, o nome de seu comprador, a data em que foi produzido e vendido entre outros termos técnicos (como a unidade fabril que produziu o modelo e a marca). Apenas construtos realmente especiais a recebem como presente. Normalmente, proprietários entregam placas de alforria para máquinas que foram úteis ao longo de muito tempo, firmando laços complexos entre homem e máquina. Ou, ainda, como prêmio de despedida antes de os enviarem para longe em alguma missão realmente especial (ou perigosa demais).

Seja como for, um mecanoide não pode conquistá-la sozinho, mas uma vez que a possua, jamais irá querer se desfazer dela. Apenas mecanoides livres tem o direito de comprar e vender itens para uso próprio. Eles podem caminhar sozinhos por qualquer cidade que aceite a placa de alforria além de ter acesso a melhorias pelas quais possam pagar. Contudo, não tem direito a um salário por trabalhar em qualquer profissão que possa ser igualmente efetuada por um ser vivo ou por um construto não-livre — o que praticamente inviabiliza todo tipo de ocupação que não seja a de mercenário.

Por fim, um mecanoide livre não pode matar nenhuma criatura inteligente cuja cabeça não esteja a prêmio — com a exceção de halflings — sob a pena de perder a placa de alforria e ser desmontado assim que capturado. Máquinas construídas para o combate também podem receber uma placa, mas isto é algo bastante raro. Quanto mais mortífero ou perigoso for um mecanoide, menor a chance de ter uma dessas. O único lugar do mundo que fabrica placas de alforria é Bretor, o reino dos goblins. Elas podem ser encomendadas pelo custo de 15 PEs, pagos por algum outro personagem não-mecanoide do grupo. Felizmente, estas placas podem ser entregues em qualquer lugar do planeta através da Goblin Express.

Mais sobre mecanoides?

Na próxima coluna, vamos dar um tempo nas vantagens únicas para detalhar um pouco mais as regras para o uso de equipamentos em Gandara, algo que será importante para a próxima etapa, quando iremos tratar de uma série de implementos e também o uso de mecanoides gigantes de batalha em jogo.

Vejo vocês lá! =)

Os demais textos de Gandara estão marcados através desta tag. Você também pode curtir nossa página no facebook para saber primeiro o que estamos preparando para o Inferno Movido a Vapor.
Armageddon • 07/04/2017

Comentários