A importância de trabalhar o tamanho das sentenças.

Está escrevendo seu livro? Em processo de publicação? Entre aqui para tirar dúvidas e compartilhar suas experiências! Espaço de discussão vinculado ao site Papo de Autor e à live Diário de Escrita.
Avatar do usuário
gataflecha
Mensagens: 43
Registrado em: 07 Jan 2020, 19:55
Contato:

Re: A importância de trabalhar o tamanho das sentenças.

Mensagem por gataflecha » 11 Jan 2020, 13:47

Luizfteodosio escreveu:
11 Jan 2020, 13:31
Lembro-me que numa disciplina na Letras, em preparação para a monografia, a professora disse que havia um máximo de palavras ideal para uma sentença, mas não me recordo de quantas (creio que por volta de 20). Mais do que isso, o leitor pode começar a ter dificuldades para compreender o todo, o que exigiria do escritor um domínio sintático mais preciso. Realmente é bem melhor quando o escritor alterna os tamanhos, dando fluidez à prosa. Já vi textos em que o autor parece estar querendo emular uma suposta verborragia que é mais comum em autores clássicos de séculos passados, porém até mesmo estes autores clássicos, tipo Kafka e Dostoievski, conseguem dar ritmo aos seus textos com frases razoavelmente mais longas.
Normalmente, o que agrava esse problema é que a pessoa consegue fazer a proeza de escrever frases longas e completamente vazias (isso quando não saem umas frases completamente sem sentido mesmo). A pessoa acha que tá falando bonito só porque descarregou uma porção de palavras complicadas e montou uma frase gigante...

Avatar do usuário
valberto
Mensagens: 8
Registrado em: 02 Jan 2014, 23:58

Re: A importância de trabalhar o tamanho das sentenças.

Mensagem por valberto » 13 Jan 2020, 11:58

Essa foi uma dica que eu pagaria por ela. De verdade. Sempre explico a meus alunos - e tento eu mesmo impor isso nos meus textos - que um texto fluío tem ser constituío de frases curtas, ligadas entre si. Pequenas ideias diferentes, ligadas umas nas outras, gerando um entendimento. Bem diferente de frases eneormes, ligadas por inúmeras virgulas, que lá pela metade não se tem mais ideia do que está acontecendo.

Responder

Voltar para “Papo de Autor”