Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Avatar do usuário
Keitarô
Mensagens: 1306
Registrado em: 09 Dez 2013, 19:58
Localização: Mahoyiga

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Keitarô » 19 Jul 2017, 11:21

Todos

Saja começou a caminhar na direção de Ingi, ainda que despretensiosamente. Continuava sem vida nos olhos, e não reagiu à tentativa de Carlos em amortecer sua queda. Raivoso, Pégaso Negro rumou na direção de Ingi a uma velocidade nunca antes executada, levantando poeira para os lados.
Carlos gasta 6 PDs e 34 PMs para executar sua estratégia. Uma vez que seus PMs ultrapassaram brevemente a barreira dos 50 PMs, a estratégia ocorreu em escala Sugoi.
Ingi sorriu com a aproximação repentina de Carlos. Ele ainda teve tempo de dizer algo de seus estudos antes de se surpreender com a velocidade do santo de Pégaso Negro.

— Morte? Não há morte, novato! É tudo igual, e você e eu agora somos ainda ma--

O primeiro ataque de Carlos encaixou. Um sinal elétrico extremo passou pelo corpo de Ingi, que olhava assustado para a velocidade do Pégaso: calculara mal a sua aproximação. Com apenas dois dedos, o cavaleiro pressionara com força um centro de força secundário (também chamado de chakra) de Ingi, e ele percebia o que Carlos queria fazer. Não tinha tempo hábil para se defender, ou prever os próximos movimentos. Só restava a ele ter força de vontade para "vencer a ilusão" e resistir. Aos próximos ataques, ao menos; pois o primeiro fora indefensável, e Ingi já registrava mentalmente uma parte de sua capacidade sumindo.

— Sim, isso, descarregue a raiv--

E de novo, e de novo, e de novo. A cada golpe, Ingi se contorcia e fazia caretas de dor psicológica, como se fosse torturado. O olhar, porém, era focado. Estava concentrado em algo, talvez em manter a sanidade, ou a consciência, ou em guardar algo para que não fosse "apagado". O último golpe de Carlos, na região do pâncreas, fez Ingi voar para trás, chocando-se contra a parede, que desmoronou sobre ele escondendo parte de seu corpo. Prontamente ele levantou, o tórax inteiro à mostra, a camisa totalmente destruída. Respirava fundo, sem dor física, mas a psique abalada. Olhou as próprias mãos, buscando as capacidades, e não as encontrava. Talvez uma ou outra houvesse sobrado, mas o que fazer sem o que foi tomado?

— Certo, parece que perdi a energia da garota. E não posso mais tomá-la. É uma situação complicada, agora, não? — Ele ria, tentando ganhar visivelmente tempo, que não tinha.

Nesse pequeno intervalo, Amaretsu cuidava de restaurar a forma de sua armadura e ir ajudar Minerva.
Amaretsu transfere todos os seus PMs para Nike e Minerva.
A amazona de aço concentrou-se no próprio cosmo, lembrando de todas as sensações boas e ruins relacionadas a Nike. Recebeu a metade do artefato de Cecilia, que estava na roupa de Minerva, e direcionou a energia ao pedaço que estava com Carlos. Imaginou-se como um caminho intermediário, um médium entre as duas metades. O pedaço de Nike que ela segurava esquentou a um nível insuportável mesmo de armadura, e Amaretsu soltou, uma coragem crescente dentro de si. Ela tinha, naquele momento, certeza de que, se precisasse vencer algum obstáculo ou desafio, o faria sem dificuldade alguma. A energia que passava por si era imensa e determinada. A brasileira sentiu-se diminuindo de tamanho, e a armadura se readaptou para a nova forma. Havia reduzido a humana novamente.

A parte de Carlos, como um raio, foi retirada e, num movimento quase instantâneo, rumou até a metade que flutuava, unindo-se perfeitamente. Não havia falha alguma: Nike estava novamente inteira. Nesse momento, o artefato pareceu estabilizar-se. Parou de girar e passou a volitar na vertical, de maneira que quem quer que a observasse, sentisse seu poder. Por um momento, todos pararam, mesmo Tenzi e Cecilia que pensavam no próximo ato a executar no combate. A alemã enxergava um imenso borrão de luz, que iluminava sua visão escura. Seu radar completava com traços simples o ambiente, com Nike no centro do borrão de luz. Os outros, porém, não viam luz; apenas Nike, impassível.

Como se retirado de outra dimensão, da parte inferior do artefato uma estrutura de metal longinlínea começou a surgir, descendo. O bastão era dourado, e cresceu até quase tocar no chão, mostrando que Nike era, na realidade, um báculo.

— … O Arquétipo da Vitória… os arquétipos agem sobre todos que o aceitam e o absorvem… — Ingi olhava em vislumbre para Nike, os olhos brilhando, sua voz calma pela primeira vez. Então, no rosto ainda extasiado, surgiu um sorriso vitorioso. Internamente, percebera algo que era suficiente. Não precisaria de mais nada. A expressão tornou-se confiante, mais do que em qualquer momento, e ele inclinou-se para correr e contra-atacar os cavaleiros.
Ingi gasta 1 PD.
Tenzi teve um rápido tempo de ação. Percebendo o movimento do inimigo, fez menção de correr na direção dele enquanto canalizava o próprio cosmo. Teve um vislumbre multidimensional poderoso, em que tudo trocava de aparência em cores brilhantes e prismáticas duas vezes, e, após cinco passos, voltou ao mundo padrão, exatamente à frente de Ingi. Teleportara-se sem saber. Seu caminho pelas dimensões, embora curto, o enchera de cosmo e vontade. O punho fervilhava de Compasso! Um movimento bem executado e então Compasso golpeava o rosto de Ingi com toda a força e cosmo que possuía.
Tenzi acessa um Milagre! para gastar 10 PMs e subir de escala (Sugoi).

Tenzi gasta 2 PMs e ataca com (Direto) FA = F18 (esmagamento) +1d:
Imagem
FA 23

Tenzi gasta 1 PD para recuperar todos os PMs.
O golpe encaixou de maneira quase perfeita no queixo de Ingi. O inimigo foi lançado contra a entrada da clareira, quicando contra o teto do corredor e caindo de bruços no chão, ainda dentro daquela redoma. Usou apenas os braços para levantar o tronco e cuspir sangue. Balançou a cabeça e e levantou, o lado do rosto acertado por Tenzi, inchado. O sorriso, porém, ainda não havia saído do rosto.

— Você absorveu o Arquétipo da Força... e está sob efeito dela, também, embora inconsciente…

O instinto do homem o fez olhar para Cecilia, cujos cabelos flutuavam num ritmo calmo, como se boiassem num lago vertical. Ao redor do seu corpo e de sua armadura, o cosmo gelado e claro aumentava o fluxo, o ar cristalizando e congelando muito próximo a ela. Sua respiração criava fumaça e pequenos cristais, mas ela não sentia o frio. De alguma forma, Cecilia sentia que aquela manifestação tinha relação com seus sentimentos. Talvez fosse uma percepção artística do Cosmo. Então ela uniu as mãos, arcando o corpo para frente, a base bem firme, e o turbilhão se transformou em lanças de gelo muito maiores que as de antes. A temperatura da clareira abaixou, e a respiração de todos passou a uma fumaça fria visível. De onde Ingi estava, era impossível, agora, ver Minerva, Sara, Saja, Amaretsu ou mesmo o báculo de Nike. A quantidade e o volume de gelo no ar simplesmente o impedia de ver. Sabia que estavam ali pelos cosmos.

— Quantos Arquétipos… — Ingi levantou os braços, preparando-se para uma última defesa.
Cecilia gasta 6 PDs e 21 PMs para executar sua estratégia. Escala Sugoi.

Cecilia ataca 4× com (Ataque Especial II: Poderoso) FA = PdF9 (perfuração/frio) +H4 +1d:
Imagem
(Crítico Automático)
FA 47 nos quatro ataques.
A primeira lança chocou-se contra o cosmo negro de Ingi, e ele conseguiu defender-se com uma escoriação no ombro; a segunda lança defletiu na aura negra e escalpelou a lateral direita do cabelo do inimigo, iniciando um sangramento volumoso. As próximas lanças quebraram totalmente a defesa de Ingi, e passaram a acertá-lo seguidamente, diversas dela atravessando, algumas fincadas em seu corpo. Parecia um homem-espinho de gelo. Era uma visão triste, apesar da fúria e vontade de resolução de Cecilia.

— … aaaAAAAAHHH!! — com um grito de fúria e os músculos retesados, Ingi cerrou os punhos e concentrou sua energia, ato que foi sentido por todos. O gelo que o consumia em parte rompeu, derreteu ou sumiu, deixando apenas os ferimentos graves. Ele respirou ofegante após a ação, olhando para o chão. Depois, para todos. — A informação… precisa chegar até ele…

Mas como? Só restara a ele pouquíssimas capacidades. Poderia se disfarçar (cuidara para que essa se mantivesse), mas seria óbvio a todos, e portanto, ineficaz. Além disso, já não tinha mais energia alguma, nem mesmo sua. Tudo fora arrancado de si por Carlos e seus golpes dispersadores de cosmo. A resiliência fora minada pelos disparos de Amaretsu, a vitalidade física pelos golpes arrebatadores de Tenzi, e a esperança (se é que alguém como ele poderia sentir algo assim), transformada em estacas de gelo de Cecilia. A mistura de dor era insuportável. Nem andar mais, ele conseguia. Sua concentração restava apenas em manter a consciência, e aparentemente, o sorriso.

— Vocês ainda não perceberam… o paradoxo de tudo isso…

Ele levantou o olhar e observou Nike, majestosa, em pé. Por acaso, Minerva resgatava o olhar vivo e se arrastava até a parede para sentar. Respirava com dificuldade, sem entender o que estava acontecendo, mas voltava a si, como um milagre da presença de Nike.

— … Mas isso não é uma derrota inteira… ela nunca esteve aqui, era apenas uma forma transitória de cosmo… que eu absorvi… a informação será levada por ela a ele… mesmo que para isso eu tenha terminado aqui. Só restou… — ele fechou os olhos, e parecia estranhamente em paz. Suas últimas palavras foram quase sussurros, mas ouvido por todos.

"Nike."

O corpo de Ingi desabou no chão, inerte. Não havia possibilidade alguma dele estar vivo. Saja, andando com aparente dificuldade, ainda caminhou até o corpo de Ingi, fez menção de juntar as mãos para golpeá-lo de cima, mas apenas esmoreceu, caindo de lado próxima a ele. Um silêncio indefinido tomou conta do lugar.

Após algum tempo, que não se sabe se foi curto ou longo, conversas vindo da outra câmara, a dos reféns, começaram a ser ouvidas. Minerva já havia entendido o que acontecera, e olhava séria para o lugar, para os ali presentes, em especial para Sara e Nike. Seu cosmo passou a crescer e entrar em ressonância com a energia do báculo, o que tirava um pouco a sensação pesada e silenciosa, trocando-a por uma esperança vitoriosa.
• Combate contra Ingi, fim.

Todos ganharam 20 PEs. As armaduras só poderão distribuir o montante total quando forem ou consertadas, ou melhoradas por um artesão que tenha esse conhecimento. No caso de Amaretsu, alguém com Máquinas (como um engenheiro) será capaz de fazê-lo.

Amaretsu: F1, H3, R3, A2, PdF6; 9 PVs, 0 PMs, 3/6; 2 PDs (ativos: Sentidos Especiais: Audição, Olfato e Visão Aguçados, Infravisão, Ver o Invisível e Visão Raio X e PdF+5).
Carlos: F0, H4, R4, A3, PdF0; 11 PVs, 38 PMs, 7/9; 2 PDs (ativos: Cosmo Irresistível I e II; Cosmo Irresistível III e Ninjutsu; Supervelocidade; Aceleração e Pontos de Magia Extras; Pontos de Magia Extras ×2; Magia Inimiga: Homens e Equilíbrio de Energias).
Cecilia: F0, H4, R2, A3, PdF5; 15 PVs, 30 PMs, 9/9; 1 PD (ativo: Paralisante e Teleguiado para Ataque Especial; PdF+5; Elevar Cosmo; Pontos de Magia Extras ×2; Tiro Múltiplo; Poderoso e remoção de Cansativo para Ataque Especial; Crítico Automático); Pião (FA+1 e FD+1).
Tenzi: F6, H2, R2, A3, PdF0; 8 PVs, 30 PMs, 8/9; 5 PDs (ativos: F+5; Bloquear Cosmo; Técnica de Luta: Bloqueio e Direto; Força é Tudo).
Editado pela última vez por Keitarô em 20 Jul 2017, 11:16, em um total de 1 vez.

Avatar do usuário
Pontus Maximus
Mensagens: 731
Registrado em: 09 Dez 2013, 21:15

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Pontus Maximus » 19 Jul 2017, 23:40

Amaretsu:

Em voz alta:
-Que poder todo é esse?....AAAAAAAAHHHHHH!!!!

A Amazona do Gelo me ajudou como se fosse parte da resposta a minha oração. O fluxo de poder era grande demais, no entanto o anjo Minerva/Atena, Nike e eu estávamos em conexão, em uma sintonia tão poderosa que consegui apaziguar meu lado lobisomem e me fez retornar a forma humana, mas eu sei que minha condição voltará a se manifestar mais cedo ou mais tarde, gostaria de pelo menos voltar a ser uma lobisomem mulher tipo filmes B, sem focinho comprido e mais humana a minha aparência, como um lobisomem tipo 1.

Mas enquanto eu criava o link eu pude ver a força do Pégaso Negro, de Tenzi e da minha irmazinha de armas que estava ali perto. Quase não consegui acompanhar a velocidade de Carlos, também percebi a técnica e capacidade guerreira de todos.

Tive vontade de gritar como uma torcedora, vê a bela surra que Ingi estava levando me fazia vibrar por dentro de alegria, infelizmente eu ainda não aprendi a ter compaixão de Assassinos, eu não negocio com esse tipo de gente. VVida se paga com vida, Antigo e Novo Testamento, ainda que a alma do assassino tenha perdão, tenho certeza que Ingi não sentiu arrependimento. Que queime no Inferno.

Os sons dos golpes do Pégaso Negro, de Tenzi e da Amazona de Gelo quase me deixaram meio surda temporariamente, as vezes esse é o preço que se paga por ter sentido aguçados, mas mesmo assim eu não reclamo de possuir tais vantagens naturais.

Ingi caiu, e eu pude completar minha missão, devolver Nike a sua dona.

-Graças a Deus conseguimos, obrigada Senhor.

Uma rápida oração de agradecimento e logo em seguida eu me dirigi a Amazona de Gelo e lhe dei um abraço.

-Garota qual seu nome? Você mandou muito bem soldado, obrigada pela ajuda minha irmã de armas pela ajuda.

Nem parecia eu, depois da vitória, do poder que passou por mim e pelo esforço que todos fizeram eu aprendi um pouco com todos ali, os filhos dos deuses são gente de bem, a maioria pelo menos. Depois de me afastar da moça eu voltei meu olhar para Nike ali só esperando ser entregue e então eu mesmo ofegante pela força que utilizei eu caminhei até Nike, com a mão esquerda eu segurei a parte debaixo do artefato e segurei, tão logo eu fazer isso eu caminhei de volta até Minerva e coloquei o báculo em suas mãos.

-Atena, acho que isso lhe pertence.

Após entregar Nike nas mãos dela eu me dirigi a Tenzi.

-Tenzi você precisa me ensinar a usar o Teleporte, Guerreiro da Luz.

Por debaixo do véu eu sorri.

Foi então que me apresentei ao Carlos, mas enquanto eu ccaminhava eu fazia uma rápida reflexão teológica em pensamentos.

Em pensamento:
-Existem muitas vertentes protestantes, todas com suas diferenças, não faço parte de nenhuma que seja difícil de lidar, mas minhas orações foram respondidas três vezes, os anjos olharam por nós, todas as vezes meu rosto estava com o véu ocultando parte do meu rosto, servindo de complemento para o véu natural que é meu cabelo comprido, mas também havia o preceito da lei da máscara das Amazonas, instituída pela Atena as mulheres guerreiras, um preceito angelical que tentarei cumprir também. Parece que minhas orações foram potencializadas por estar usando o véu completo e tentando seguir o preceito sagrado da máscara das Amazonas. No entanto é fato, os outros demonstraram grandes poderes e habilidades

Carlos viu meu rosto, fui descuidada, mas talvez tenha sido bom. Em uma das mãos eu segurava o capacete de minha Armadura como se fosse uma espécie de "cotoveleira".

Com Carlos:
-Pégaso Negro a História se repete, o Pégaso expandindo o cosmo em momento de fúria. Mas temos um assunto a tratar, você viu meu rosto e depois disso tudo eu.......bem.......

Não consegui terminar a frase com palavras e já que estou na forma humana eu beijei a boca de Carlos, mas por debaixo do véu, ou seja o véu estava entre nossos lábios, olhei para ele com vontade de lhe mostrar meu rosto novamente mas não posso fazer isso na frente dos outros, fiz carinho em seus músculos de um dos braços e continuei.

Com Carlos:
- A conversa ainda não acabou aqui, precisamos conversar depois de resgatar os outros, Katia e Terra precisam de nos como os outros prisioneiros.

Então me distanciei dele e puxei das minhas costas minha Faca de Combate longa e na outra eu pego de volta meu Lança Granadas, me aproximo do corpo de Ingi e com desprezo dei alguns chutes com raiva e no final eu ergui minha lâmina e com violência desferir o golpe, cortando sua cabeça fora e chutando a para longe do corpo.

Olhei para a moça perto dele e falei:

-Pessoal temos que sair e ajudar os outros.

Segurei a moça caída e a levantei. Depois de guardar as minhas armas.

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1895
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Galahad » 21 Jul 2017, 20:28

Tenzi

Tenzi, mesmo sem entender a expressão de Ingi, avança contra o inimigo após os furiosos ataques de Carlos, pessoa que o inspirara a lutar usando mais com força bruta do que com sua "suavidade" de costume, algo que estava surtindo efeito até o momento. O fazia após a impressionante manifestação do objeto que Minerva portava, que mudava de forma para se tornar um báculo.

"As coisas que vi nessas poucas horas."

Após se recuperar da surpresa com a manifestação do artefato, Tenzi continua o ataque contra Ingi. O Santo de Compasso agradece mentalmente a Compasso pela ajuda que dera, estava cheio de energia graças a viagem que tivera à Constelação, e, com essa nova energia, conseguia acertar um golpe em cheio na face de Ingi, ainda que fora apenas um ataque, fora o suficiente para o Santo.

Com o ataque feito, Tenzi passava a assistir o desenrolar do resto do combate, com Cecilia dando um último e espetacular ataque em Ingi e este novamente proferindo sentenças que não faziam muito sentido para o muviano.

"O a pessoa que ele servia fez com ele para que Ingi chegasse a tanto?"

E finalmente a luta acabara, com Ingi indo ao chão, sem vida, e Saja também caindo, só que com vida, ou assim Tenzi esperava. O Cavaleiro estava cansado e confuso, queria retornar ao Santuário, mais especificamente à Casa de Áries, queria encontrar o Cavaleiro da Casa, assim como Agni, mas isso teria que esperar, ainda havia o que fazer naquele lugar.

"Há pessoas que precisam de ajuda aqui"

Ao ouvir as palavras de Amaretsu, Tenzi volta o olhar para a Amazona e, num tom um pouco cansado, o Santo de Compasso respondia ao pedido da guerreiro.

— Eu posso tentar, Guerreira de Metal, mas eu mesmo estou tentando dominar esse dom.

Por fim, Tenzi voltava-se para Minerva, e, num tom respeitoso se manifestava.

— Atena? Irá precisar de ajuda no momento? Quero seguir a sugestão de Amaretsu e ir ajudar as pessoas que estão na outra sala.

Avatar do usuário
Nulo
Mensagens: 455
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:17

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Nulo » 23 Jul 2017, 20:53

Cecilia

— Ugh...

Uma técnica desesperada acompanhada de uma dor lasciva que fazia os joelhos da "santa" de Taça cederem e encontrarem o chão daquela caverna. Cecilia levava uma mão no peito para conter a dor e o coração batendo rápido, talvez antecipando o ataque indefensável que ela iria sofrer caso não se levantasse a tempo.

— L-l-levanta!

Infelizmente para a alemã os membros trêmulos e enfraquecidos não respondiam. Uma leve sensação de desespero tomava seu ser, mas gradativamente passava para alívio. Talvez fosse a temperatura fria, mas só queria dormir e descansar após ter dado o máximo de si.

"Ninguém pode reclamar."

Não como se tivesse alguém para repreendê-la além de si mesma. Não estava ali para agradar alguém, estava ali para matar...

"Matar...?"

...matar Ingi? Por bem ou por mal, era o que acontecia: o rapaz falava algo sem tanto sentido no momento e apagava, pelo visto para sempre. Com a adrenalina alta, Cecilia sentia um pouco de êxtase: trajara uma armadura, "protegera"" inocentes e alguma entidade incorpórea que a incutia...

"Atena?"

Sim, provavelmente Atena, mas agora que a adrenalina passava e Cecilia era levantada e abraçada pela amazona de aço, a ficha caía:

Ela matara Ingi.

— Ahn? Ah, Cecilia...

A garota respondia, sentindo-se fora de si, para a Amazona de aço que logo lhe largava tascava um beijo em Carlos. Um báculo sagrado ali perto de Sara, chamado de Nike por Ingi, parecia brilhar, mas nem essa luz conseguia dissipar as sombras que envolvia a mente daquela alemã no momento.

"Eu matei alguém...ahaha...ahaha..."

Cecilia lembrava-se da experiência que tivera com a mulher estranha de outrem, aquela visão estranha...talvez fosse o seu futuro, mesmo.

— No que estou me tornando?

A garota levava as mãos trêmulas a cabeça, lágrimas escorrendo dos olhos. Puxava o cabelo um pouco, mas logo notava a tiara da armadura de Taça adornando sua cabeça. Talvez a armadura a entendesse...ou não, mas não poderia deixá-la simplesmente ali.

— Deixei sua urna lá no coliseu, vamos lá?

E falando isso para sua armadura, começava a sair do recinto e fazer o caminho de volta para a arena: não estava sentindo tanta alegria e precisava de um tempo sozinha para se conformar com o que acontecera e estava para acontecer.

"Aonde vou?"

Guardaria a armadura na urna e procuraria um lugar mais calmo e sem movimento no campus para acalmar os ânimos.

Avatar do usuário
Inoue91
Mensagens: 602
Registrado em: 08 Jan 2014, 02:38

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Inoue91 » 25 Jul 2017, 00:00

Carlos

Em um surto de cosmo, Carlos conseguia em extrema velocidade encaixar vários de seus golpes, Igni ainda demonstrava muita arrogância mesmo sendo atingido por inúmeros golpes e ter parte de seu cosmo bloqueado, mas sua arrogância iria vir por agua abaixo. Por um momento, o brasileiro sentia o artefato que estava em seu bolso, ser retirado igual um raio, ele olhava com o canto dos olhos para ver o que tinha acontecido quando então percebia que Nike havia sido remontada.

Sem poder mais agir, Carlos deixava que seus colegas dessem conta de Igni, ele então via Tenzi encaixar um belo soco no queixo de Igni o fazendo voar longe, quicando pelo teto e pelo chão e em seguida, após o entojado se levantar, Cecilia rapidamente aplicava um deslumbrante ataque que acabava de uma vez aquele combate.

Carlos estava satisfeito com o resultado obtido, ele apoia as mãos sobre os seus joelhos para tomar um pouco de folego pois sabia que mesmo o combate ter acabado, ele ainda teria que ajudar todos que ali estavam, mas antes que pudesse fazer qualquer coisa, notava a aproximação de Amaretsu, que voltava a tocar no assunto o qual ele havia visto o rosto da amazona.

"Ah, claro, a lei das amazonas...Como eu vi o rosto de-la, ela terá que escolher entre me amar ou me...."

Antes que pudesse responder e até antes de concluir o seu pensamento, era beijado pela mesma, o que fazia com que o rosto do cavaleiro de Pegaso ficasse muito vermelho, ele não esperava por aquilo e ficava sem reação por alguns segundos, seu rosto voltava ao normal, mas ainda estava levemente corado, levava uma mão ao ombro da Amazona, o acariciando levemente a medida que tinha um de seus braços acariciado.

— Ah... Sim... Claro... — Dizia dando um leve sorriso envergonhado enquanto coçava a sua nuca — Temos muito trabalho a fazer aqui ainda. —

Assim, Carlos, ia em busca de Saja, Katia e Sara para auxilia-las no que fosse possível, e também aproveitava para ver qual era a situação da terrorista que Igni teoricamente havia sugado, estava um pouco distraído pois ele ainda pensava no que havia acabo de ocorrer com Amaretsu.

Avatar do usuário
Keitarô
Mensagens: 1306
Registrado em: 09 Dez 2013, 19:58
Localização: Mahoyiga

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Keitarô » 01 Ago 2017, 11:11

Todos

Minerva parecia se recuperar aos poucos, apenas por estar acordada. Enquanto a situação ali se desenrolava, com Amaretsu beijando e conversando com Carlos, Tenzi comentando sobre suas técnicas e Cecilia se afastando, a moça deu um leve sorrisinho, se aproximou do báculo e o pegou, como que para ter certeza de seus sentimentos. O ato passou despercebido dos outros. Neste momento, Sara pareceu recobrar a consciência plenamente, recostando-se na parede destruída e olhando ao redor. Tentava entender o desfecho do que havia acontecido. Tudo parecia resolvido.

Minerva, segurando o báculo de Nike, olhou para Sara com um sorriso sutil. Fez menção de falar algo, mas um olhar misterioso e profundo de Sara a calou. "Agora não", ela sussurrou. Só queria paz por algum tempo. Fazia dias que tudo parecia ter virado ao avesso, começando com a apresentação no coliseu da faculdade.

Cecilia, neste ponto, adentrava o corredor rumo à outra câmara, onde havia um burburinho baixo de conversa. Estava confusa com seus sentimentos e sua memória, mas sentia que a armadura a confortava. Ela vestia a armadura; esta parecia abraçá-la. Na outra câmara, deparou-se com Kátia recostada numa parede, apoiando-se fracamente com uma mão. Uma outra mulher loira, com roupas de exército, também estava de pé, ao seu lado, transparecendo mais vigor físico. Kátia sorriu para a alemã, que foi se aproximando, e com a cabeça fez um movimento de confirmação ou aprovação. As outras pessoas iam aos poucos começando a conversar, tentando entender o que havia acontecido, reclamando de dores ou fraqueza. Tudo parecia sob controle.

Na câmara anterior, à pergunta de Tenzi, Minerva olhou seriamente por algum tempo ao vazio. Depois, observou cada um dos presentes e focou no corpo morto de Ingi, a cabeça decepada. Era uma cena muito forte, mas, curiosamente, não havia sangue. Um líquido escuro e escasso parecia escorrer do corte, talvez provando que o homem já nem era mais humano, em termos práticos.

— Antes de qualquer coisa, gostaria de dizer que minha suspeita não foi confirmada totalmente. Eu sempre achei que era Atena, mas continuo sem a certeza. Segurar este báculo, Nike, me traz uma sensação muito boa e familiar, e me faz sentir um poder enorme. Ainda assim, não acho que é certo me chamar de Atena. Talvez… talvez eu seja outra coisa. Estou um pouco confusa — ela deu um sorriso sutil de canto de rosto, contrastando com sua personalidade claramente mais cômica ou sarcástica, embora a tensão da situação recentemente vencida a tivesse impedido de mostrar muito desse lado.

Ela abaixou o báculo e começou a andar na direção de Ingi. Parou, observou, e depois olhou para Sara e Saja (ainda desmaiada), e depois para o corredor.

— Se eu fosse Atena, sinto que poderia ajudar a todos os presentes aqui imediatamente. Talvez as coisas não funcionem assim mesmo para uma deusa. No entanto, a única coisa que sinto poder fazer é garantir que vencerão seus obstáculos. Não sei explicar. Talvez alguém neste lugar ou no santuário possa nos ajudar. Na verdade eu estava indo para lá com um cavaleiro, mas fomos capturados e trazidos para cá… ele foi derrotado e sugado por Ingi, infelizmente.

Minerva tinha um olhar de pesar, mas logo procurou sorrir e olhar com ânimo para todos.

— Vamos ajudar os outros, então, a sair daqui e fazer uma reunião com quem possa nos ajudar a pensar nos próximos passos, certo?

Assim, ela olhou para Sara, que tinha os olhos fechados, mas descansava, apenas, recuperando a respiração. Depois para Saja, mais próxima de Ingi, que parecia dormir de olhos abertos. O brilho nos olhos parecia lentamente voltar à docente, e sua respiração parecia calma, agora. Talvez só precisasse de cuidados médicos.
Mais alguns posts e vamos fechar esse arco. O próximo ato se inicia na reunião para repassar e tratar do problema.

Avatar do usuário
Pontus Maximus
Mensagens: 731
Registrado em: 09 Dez 2013, 21:15

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Pontus Maximus » 01 Ago 2017, 15:44

Amaretsu:

Depois de limpar minha lâmina, guarda-la em minhas costas e ajudar a garota que todos chamam de Saja eu vejo Cecilia, indo em direção aos demais prisioneiros de Ingi e da maldita amazona do mau, eu ainda não pude ter meu acerto de contas com ela pois se tratava de uma cópia criada por ela mesma, então ela estava em outro lugar, observando tudo, maldita seja eu ainda vou faze-la pagar pelos meus irmãos de aço.

Com Cecilia:
-Espere Cecilia, não vá sozinha.......

Percebi o quanto ela estava perturbada, apesar de ser uma Santa Amazona ela não treinamento psicológico para lhe dar com a morte, pretendo ajuda-la, tentarei fazer com que seu coração fique um pouco mais "duro" com relação aos inimigos, mas pegarei leve com ela, e por falar na Cecilia, parece que eu já ha vi em algum lugar, mas onde?

Com Minerva:
-Minerva, se você esta com dúvidas tente entrar em contato com Nike, no meu caso deu certo, obtive algumas respostas, em forma de flashbacks.

Com Tenzi e Carlos:

-Meninos vocês estão bem? Vamos sair logo daqui, escoltem Minerva pois para todos os efeitos ela é Atena, vou seguir um pouquinho mais a frente, Cecilia e os outros não parecem estar bem.

Olhando para o Carlos eu queria estar do lado dele, olhei para ele, queria tocar na sua mão, será que isso é amor a primeira vista? Depois de sairmos daqui, quero lhe dizer que estarei ao seu lado, eu dizia tudo isso com os olhos enquanto olhava para ele.

Depois eu pensei comigo mesma e tive alguns pensamentos:
-Tenho que me preparar para possivelmente me entregar a ele, será que ele gosta de olhar para mim? para o meu bumbum? (Risos segurados debaixo do véu no meu rosto)

Estava um pouco feliz em ter terminado tudo aquilo, ou melhor quase terminado, mas uma lembrança negativa me veio a mente, um gatilho foi ativado em minha cabeça, lembro-me que antes de sair eu fui compelida a ler uma carta misteriosa para mim que dizia "De um Herói malvado ou Vilão bondoso apaixonado", de um admirador secreto que dizia que eu seria dele, que estaria afim de mim, e que eu seria constrangida caso eu o negasse, entregando meu coração a outro.

Lembranças vagas pois estava concentrada na minha missão mas lembro-me do conteúdo escrito e desenhado na carta. A Capa da carta tinha um desenho de uma arma esquisita.

Imagem

E nela estava cenas em que eu era apanhada por essa arma e levada pelo "admirador", ele fez vários desenhos meus todos com uma ventosa grudada nas minhas nádegas e ele me capturava para me levar para longe, como nos vilões de desenhos animados.

Imagem

Tentei tirar da minha cabeça tais pensamentos, isso era só bobagem de algum amigo do Quartel General dos Cavaleiros de Aço, no máximo isso, pois não sou ninguém importante, sou uma lobisomem apenas. Depois disso eu vejo Terra e a Diretora Katia, eu deixei Saja encostada numa parede sentada com cuidado e fui até as duas.

Com Katia e a Terra:
-Diretora...Senhora fique acordada "o olho da tempestade se dissipou" podemos sair daqui, e você Terra, força garota, você é mais forte do que isso, vou ajuda-las também.

Ouço o sons dos demais prisioneiros conversando entre si e falei com eles:

-Pessoal não temam mais, sou uma Amazona dos Cavaleiros de Aço e eles são, Santos de Atena, vamos tirar todos em segurança, tenham calma, Cecilia por favor me ajude a levar todos para cima.

Coloquei Terra em minhas costas e pedi que segurasse em mim, braços e pernas, a Diretora Kátia segurei em um dos braços e Saja desacordada no outro braço.

-Senhoras e Senhores vamos tirar todos daqui, aos poucos.

Vai ser um pouco complicado levar 3 pessoas de cada vez, mas vou tentar, segurei firme e comecei a saltar de um lado para o outro, quicando entre as paredes levando-as comigo até o ponto seguro mais acima.

OFF: H3+Especialização (Escalada) caso alguma delas escapasse das minhas mãos, usaria minhas garras das mãos e pés mesmo na forma humana.
OFF: As fotos são ilustrações da carta que lhe falei Keitaro, qualquer coisa eu edito se preferir.

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1895
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Galahad » 03 Ago 2017, 11:52

Tenzi

Tenzi sentia um forte cansaço no momento, tinha lutado muito num curto espaço de tempo, usara diferentes poderes também, mas o jovem muviano tenta não passar isso, pois não queria preocupar ninguém naquele momento, outras pessoas estavam precisando de ajuda no momento e o Santo de Compasso se recuperaria com um descanso, provavelmente.

O jovem muviano escuta as palavras de Minerva, ficando pensativo com elas. Se Minerva não é Atena, quem ou o que ela é? E onde está a verdadeira Atena se não for Minerva. Perguntas e nenhuma resposta, isso deixa o Cavaleiro um pouco frustado, mas nada não podia fazer nada no momento, talvez tentasse entrar em contato com sua mestra caso tinha chance.

"E o que o Santuário terá a dizer sobre isso? Acho que talvez levar a todos a Atlas, ele saberá o que fazer."

— Tudo bem, At..senhorita Minerva. Eu sinto muito sobre seu companheiro que faleceu, espero que seu espírito tenha o descanso merecido antes de usa nova jornada neste mundo. E, sobre o santuário, eu estive lá antes de vir para este centro de aprendizado, conversei com o mestre Atlas, o cavaleiro de Áries, posso levar a todos lá depois.

Tenzi, após falar com Minerva, num tom que todos escutassem, volta-se para Amaretsu e responde às palavras da Amazona, claramente com preocupação na voz.

— Tudo bem, senhorita Amaretsu. Mas tem certeza se não precisa de ajuda com essas pessoas?

Após a pergunta, Tenzi aguarda para ver se Amaretsu não precisaria de ajuda com o trio desacordado, caso precisasse, ajudaria, se não, ajudaria com outras pessoas apagadas, mas ainda ficando próximo de Minerva. O jovem lembraria se remover sua armadura, por mais que agradecesse Compasso pela ajuda, não queria que as pessoas ali presas ficassem nervosas com a visão de alguém de armadura.

Avatar do usuário
Pontus Maximus
Mensagens: 731
Registrado em: 09 Dez 2013, 21:15

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Pontus Maximus » 03 Ago 2017, 12:55

Amaretsu:

-Tenzi obrigada pela boa vontade, talvez eu precise, mas se for o caso e algumas delas escorregar das minhas mãos então peço que a Teleporte para os seus braços e assim você poderá ser o Cavalheiro que salva a donzela em perigo.

Falei com Tenzi em um tom sério e ao mesmo tempo fiz uma pequena brincadeira com ele para quebrar a tensão do momento. Fiz isso por mim mesma também, é importante para os Lobisomens manter a calma, pois até os Lobisomens (sejam eles bons ou maus) terem cuidado para não se aproximar demais do rei Lycaon, o primeiro lobisomem.

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1895
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Ato 1 ~ Vitória ou Derrota?

Mensagem por Galahad » 05 Ago 2017, 17:17

Tenzi

— Muito bem, senhorita Amaretsu. Estarei atento caso precise de ajuda.

O jovem cavaleiro respondia a Amazona tentando passar confiança. O jovem não entendia muito bem a última parte sobre ele ser um cavalheiro que salvaria uma donzela, mas não comentava, não queria deixar transparecer sua falta de conhecimento sobre as coisas.

Responder

Voltar para “Cavaleiros do Zodíaco Alpha”