Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1895
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Galahad » 22 Dez 2018, 22:39

Tenzi


"Mesma depois disso tudo, ela ainda não caiu.... era de se esperar de uma deusa"

Tenzi ficava cada vez mais cansado, já que estava gastando bastante energia, não só para atacar a deusa, como também para se defender dos ataque de Atena e até mesmo contra atacar, sentia que não poderia fazer muito dali pra frente.

"Mas talvez eu não precise, afinal, não estou lutando sozinho."

Via Cecilia também levantando após receber aquele ataque de Atena, se tranquilizando por ver que a santa ainda estava bem. Ainda que fosse só um treino, ver companheiros se machucando nunca é uma boa experiência, esperava conseguir ajudar mais eles para que não se machucassem tanto no futuro.

"Talvez possa ser meu papel, além de ser um guia espiritual"

Ao escutar a pergunta de Atena, Tenzi abandonava sua postura ofensiva, mantendo agora uma defensiva, observando a deusa e seus movimentos, se preparando para um possível ataque da divindade.

— Eu estou lutando para não só conhecer meus limites atuais, como também para os ultrapassar. Sei que assim só estarei de fato os empurrando para um novo nível a ser alcançado, mas ainda assim me esforçarei para melhorar até quando for possível — após dizer essas palavras, dava uma breve pausa, encarando a deusa. — além disso, como seremos cavaleiros de Atena, quero saber mais sobre você e esta luta é uma forma de alcançar isso, embora não seja a mais agradável...

F1+5****, H2+3*+2***, R2, A0+4**+5****, PdF0; 10 PVs, 10/10 PMs 06/20+10**; PDs 0, PE 0

Desta vez fico apenas em Postura Defensiva para adquirir Armadura Extra contra tudo.


*Fortalecer
**Armadura de Compasso
***Arena
**** Pontos de Destino (Tome isso!)

Avatar do usuário
Pontus Maximus
Mensagens: 731
Registrado em: 09 Dez 2013, 21:15

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Pontus Maximus » 24 Dez 2018, 18:44

Amaretsu:
Urros de dor e rosnados, os meus golpes nao surtiram o efeito desejado, Atena, nossa atual adversaria mostrava tecnicas que a faziam ser uma oponente formidavel, ela para se defender usava um escudo broquel, e isso nao era bom para nenhum de nos quatro naquele momento. Depois de recuar ao som dos metais colidindo um contra o outro e minha forcas sendo jogadas de volta para mim nao foi o que mais doeu, mas o que mais me indignou foi a pergunta de Atena, sua pergunta " por que lutamos tanto" serviram para colocar partes das memorias de Nike me dera e me fez completar informacoes que os Cavaleiros de Aco repassaram para nossos contigentes em nossas aulas sobre guerras passadas, algo que o publico desconhece por ser uma historia "fantasiosa demais" para ser contada.

Sinto meu cosmo perdendo brilho, mas a chama nao se apagou, meu olhar para Atena se tornou um pouco raivoso com a pergunta e com um gesto eu comeco a criar uma segunda Gunblade apartir da primeira com a ajuda das nanomaquinas e dos raios lasers que "desenhavam" no ar uma segunda arma, com as duas nas maos eu ergo apontando para ela e respondo finalmente sua indagacao:

Com voz Lupina:

-Por que lutamos tanto? Com todos os seus milhares de anos voce Atena ainda nao sabe a resposta? Nao nos menospreze Atena. Por que os seus santos e todos os outros lutam? Vou te responder em nome de muitos. Eu luto para salvar uma sociedade de si mesma, eu luto para que doentes como eu nao sejam vitimas de uma "eutanasia" assassina disfarcada de "causa nobre", perdi meus irmaos para assassinos de criancas doentes e isso nao ira se repetir na minha frente, perdi amigos e nao vou perder mais ninguem, se eu perder, mais alguem como autoridade constituida eu irei atras de vinga-los.

-Eu luto para que os fracos tenham chances de serem fortes e realizem seus sonhos, meu desejo esta em fortalecer os herois pequenos a depender cada vez menos dos lideres hipocritas do Santuario, sinto muito em lhe dizer Atena mas os ideais que voce defende nao sao os mesmos de muitos de sua casa, durante a Segunda Guerra Mundial nao ha registros de que voce estivesse em perigo, os maiorais do Santuario, ao inves de salvarem vidas eles simplesmente cruzaram os bracos e permitiram que o Terceiro Reich fosse responsavel por 56 milhoes de mortes. Paz, Justica e Amor para com todos? Que altruismo seria esse que o Santuario mostra? Houve apenas um pequeno registro de 8 herois de bronze que foram deserdados por seus mestres por lutarem juntos aos Aliados e um deles era o portador da Armadura de Taca naquela epoca.

-Malditos sejam os lideres desse lugar que so se mexem quando voce esta por perto Atena, quando voce Atena esta longe o Santuario se omite, a unica coisa boa nos dias modernos esta no fato de que os Cavaleiros de Bronze sao mais independentes e ajudam os mais necessitados junto com as forcas de paz antiterroristas, eu so vi um gigante de ouro se prontificar a nos ajudar, Atlas e seu nome. Eu luto para que as lagrimas dos pobres parem de correr.

-Voce ja deveria saber muito bem que muitos sobrevivem deixando seus pequenos sonhos morrerem pelas guerras cotidianas e a violencia que nao termina.

Avatar do usuário
Inoue91
Mensagens: 602
Registrado em: 08 Jan 2014, 02:38

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Inoue91 » 27 Dez 2018, 17:17

Carlos


Após o ataque que havia desferido, apesar de não ter sido ferido durante a sua execução, Carlos estava visivelmente casando, ele ofegava enquanto recuperava o seu folego e nisso ele observava seus colegas atacarem Atena e mesmo depois de receber ataques poderosos Atena ainda estava de pé.

— Como ela ainda consegue ? — Dizia para si mesmo

Talvez ela estivesse de pé apenas pela sua força de vontade, algo parecido com que Carlos havia passado pouco tempo atrás então ele sabia que apenas ataca-la não seria o suficiente, ele teria que fazer algo a mais para poder derrota-la, novamente o Cavaleiro começou a canalizar o seu Cosmo, ele concentrava em sua constelação fazendo-a brilhar cada vez mais e por um momento Carlos conseguia escuta-la.

— Então é isto ? — Dava um leve sorriso com o canto da boca — É algo arriscado, mas irei tentar.

Deste modo Carlos começava a sacrificar o seu cosmo o mandando diretamente a deusa Atena ou ao menos era isso o que ele tentava, ele queimava seu cosmo tentando comunicar com a Deusa e ver se a mesma lhe respondia, ele sentiu uma estranha sensação em seu corpo, como se o mesmo estivesse sendo aquecido de tal modo de que ele não saberia dizer se aquilo era da fato uma resposta de Atena ou apenas o seu cosmo o qual ele não parava de queimar

Tomado por um impulso assim como na luta que havia feito na Universidade, Carlos avançava contra o avatar da Deusa e utilizando da mesma estratégia começava a golpeá-la com uma incrível velocidade para ver se conseguia por um momento bloquear o cosmo daquele avatar, afim de sessar a sua capacidade de se mantar em pé mesmo depois de ter recebido inúmero golpes.


Gastei 1pm para ativar mentor, o 1 Ponto que peguei através de mentor pegarei patrono e com Patrono estarei pegando milagre cósmico onde ganhei 1 PD onde consegui gerar 5PEs temporários destes 5 com 1 comprei Ninjutsu, com 2 Supervelocidade e com os 2 restantes mais elevar o cosmo, 5 Pms para ativar elevar o cosmo, 12 Pms ativando Ninjutso 6 vezes, mais 20 Pms, para transformar Ninjutso em 4 ações simples. Gasto total de 38 Pms, ficando então com 60 PMS.

Avatar do usuário
Keitarô
Mensagens: 1306
Registrado em: 09 Dez 2013, 19:58
Localização: Mahoyiga

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Keitarô » 27 Dez 2018, 21:28

Diante das respostas de Tenzi e Amaretsu, Atena apertou a defesa do escudo. Cecilia ainda estava se recompondo do choque que levara. Pensou, rapidamente, se deveria responder aos dois. Mas e Carlos? Após o turbilhão, o que o Pégaso estava fazendo...?

Carlos enxergava-se no cosmos. A sua frente, Cecilia se levantava sobre a constelação de Taça, que parecia fluir energia de cada uma das estrelas para o corpo da alemã. Tenzi defendia-se de maneira que a constelação de Compasso o circulava formando um escudo esférico perfeito. Amaretsu estava numa área sem estrelas, talvez um buraco negro; no entanto, a cada respiração pesasa executada, algumas estrelas, de uma constelação desconhecida de Carlos, reapondiam timidamente...

As estrelas de Pégaso começaram a circular o jovem, formando o mesmo Pégaso que o defendera antes da explosão da amazona de aço. O cavalo alado de pelagem clara com alguns traços escuros, talvez uma representação da armadura negra, se confundia com a visão do santo aprisionado nos sonhos de Carlos. A mensagem, porém, foi muito clara: "Olhe acima".

Acima do plano em que estavam, aquelas constelações estavam todas interligadas com uma luz dourada representada pelo símbolo completo de Nike. Na Terra, as constelações respeitavam Atena. O santo entendeu. Elevando seu cosmo e conectando-se às estrelas e ao Pégaso, sentiu o dourado de Atena chegando até si, e seu próprio cosmo se tornou dourado. A exemplo de um cavaleiro de ouro, ainda que sem saber, apontou as mãos na direção da deusa guerreira ali embaixo, tendo certeza que o plano funcionaria.

Das mãos de Carlos rápidos raios de cosmo saíram rumando a Atena, numa velocidade quase indefensável. Um dos raios chocou no escudo, sendo defendido, mas os outros desviaram fazendo curvas quase impossíveis. Carlos já usara aquela estratégia em um outro combate. Os santos estavam lembrados, mais ou menos, dos efeitos. Atena recuou, uma forte aparência de dor. Levantou o olhar, um olho fechado, o sangue já estancado, mas ainda marcado.
Carlos gastou, em sua estratégia, 39 PMs, indo a 57 PMs. Ele adquiriu Patrono (Atena), conseguindo 1 PD pelo primeiro efeito, o Milagre Cósmico. Pode usar o poder novamente, duplicando o gasto em PMs a cada uso.

Atena passou em um teste para resistir a Ninjutsu, falhando nos outros cinco. Ela perdeu Armadura Sagrada, Esporte, Poder Oculto (primodial), Reflexão e Duro de Matar.


— Então esses são seus motivos — e ao dizer isso, a armadura de Atena se desfez em pó cintilante. O escudo se desfez, o elmo, a armadura parcial. O pó viajou para os lados, numa espiral ascendente. Atena ficou observando a brisa leve e quente levando a energia de sua réplica defensiva, sorridente.

Olhou os punhos, a aura que ainda cobria levemente o corpo, formando raios, agora menores. Precisava da armadura para efetuar o ataque que estava cogitando. Sorriu confiante e olhou para os santos.

— Quando perguntei por que lutam, Amaretsu — o olhar penetrou a alma da amazona — eu queria seus motivos pessoais, para consigo mesma. Lutar pelos outros é um bom motivo, mas embasado em colunas frágeis, porque surgirão culpados e razões externas. Desculpas.

A deusa parecia dura, nos comentários. Caminhou pesadamente na direção dos guerreiros, muito séria. Seu cosmo, fraco, pulsante, crescendo.

— Afinal, todos têm, até certo ponto, seu livre-arbítrio, e não podemos forçar nada a ninguém… apenas sermos exemplo. O mundo está cheio de pessoas apontando culpados e que não querem fazer diferente. Pessoas ignorantes que precisam ser protegidas até que despertem. Nós somos os despertos, portanto, vocês precisam crescer de dentro para fora. De dentro para fora! O exterior engana! Mesmo porque a história é sempre incompleta e manipulável… — ela permaneceu olhando a guerreira lupina. — Pergunte a seu líder. Eu o conheço bem… ele deveria estar aqui, no Santuário.

Então a terra começou a tremer, o pó de armadura começou a voltar, juntando-se ao chão ao redor de Atena. Das pedras e da areia escura, surgiu o que parecia pó de metal. Foi se agregando, formando minério, juntando-se ao pó estelar, formando chapas e tarugos, torcendo-se, reluzindo-se, colando-se a Atena. Imitava a mesma armadura anterior, mas completa, incluindo um saiote de metal. Parecia possuir juntas que soltavam fumaça ao movimento da deusa.

Uma armadura de aço.

— Então, vamos ver se suas vontades são mesmo de aço. Resistam a este ataque e tudo acabará. Sucumbam, e não podem mudar nem mesmo a si mesmos, que é o único começo para proteger, não, mudar o mundo!

Os raios começaram a se combinar com a energia da armadura de aço de Atena, circulando o escudo cheio de parafusos, que se desfez desdobrando-se e reformando-se num báculo. Ao topo, o símbolo de Nike, mecânico. Bateu contra o chão, e toda a energia acumulada no corpo e na armadura foi puxada até o símbolo circular.

Explodiu em raios de um dourado fosco em todas as direções, para atingir a todos.

— EXCLAMAÇÃO DE BRONZE!!!
Todos precisam se defender contra FA 42 Kiodai. O objetivo é permanecer em pé. Para este fim, todos têm Patrono (Atena) e podem usá-lo conforme quiserem, com a devida interpretação.

Avatar do usuário
Pontus Maximus
Mensagens: 731
Registrado em: 09 Dez 2013, 21:15

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Pontus Maximus » 28 Dez 2018, 13:24

Amaretsu:

É isso que espera por todos na guerra santa que bate as portas do mundo? Isso tudo é o que os santos do passado já enfrentaram com outros inimigos? Seja como for não há desculpas para a negligência do Santuário em tempos de "paz". Atena quer nos mostrar a mesma resistência e determinação de nossos futuros inimigos, "a ponta do Iceberg", minhas forças se esvaem, estou no meu limite, como não posso cair diante de um treinamento, mesmo que esse treino seja para um "desperto" como ela mesma disse.

Pégaso assim como Cecilia e Tenzi fizeram muito mas ela ainda não caiu, o universo parece assistir nosso embate com Atena, eu cruzei minhas duas Gunblades numa postura de que formava uma "cruz" com as lâminas, mas o que parecia improvável aconteceu, Carlos conseguiu tirar a Armadura de Atena, enfraquecendo-a a tal ponto de faze-la se sujeitar a usar uma proteção comum, uma Armadura de Aço? Isso me deu vontade de rir mas era cedo demais para isso, seu cosmo ainda tinha vigor ao ponto de preparar mais uma descarga elétrica de intensidade tipica de um oponente épico, não sei se vou aguentar um próximo golpe, mas estou gostando muito ao mesmo tempo desse combate.

Como uma fera cansada de estar acuada eu ainda digo algumas palavras:

-Atena....... se eu tiver que cair eu vou cair atirando...... se eu tiver que perder........ se eu tiver que perder não ficarei de joelhos a você. Me recuso a ficar prostrada diante de você e outros deuses que os Cavaleiros tanto temem........ eu não vou cair e você não vai vencer.

Contra todas as expectativas uma luz vinda do segundo céu me chamava, uma ressonância com meu cosmo se comunicou comigo, como se fosse a voz de um ser celestial, então naquele momento pareceu que só existia nos dois durante o lapso de tempo que se seguiu, foi então que olhei para o alto e uma estrela que brilhava na escuridão do pano de fundo do universo pareceu pairar e iluminar o local que esta alguns metros de distância da minha frente, entre Atena e eu.

-"Sinto sua dor, você honra os desonrados".

Essa foi a frase que o Cosmo da Estrela disse ao meu Cosmo sem estrela, então algo ainda mais inusitado aconteceu, uma Caixa de Pandora desceu dos confins do Espaço, como uma estrela cadente se chocou no chão a minha frente fazendo pedras voarem como estilhaços de uma granada e um forte vento impetuoso se ergueu ao som de um "trovão".

Não demorou muito para que eu notasse a Caixa, era uma urna de uma Armadura Sagrada, da Constelação de Máquina Pneumática, como eu sabia o nome dela eu não sei dizer bem, apenas sei dizer que sei o nome dela e ela veio ao meu auxilio, fachos de luz saiam dos vãos da mesma e se abria, a Armadura estava "desmontada", foi então que ela por conta própria começou a se moldar em forma de um corpo humano, mas eu não estava dentro dela, ela se montou assumindo o aspecto de um Cavaleiro, ela estava agindo por conta própria como um robô automato.

A Armadura estava de costas para mim e estava de pé, sua cabeça olhou para mim por cima dos ombros, com um brilho esverdeado como os meus olhos lupinos, a armadura de Máquina Pneumática não tinha olhos naturais mas ela simulou globos oculares no espaço vazio de seu capacete e voltou seu olhar para Atena. Mesmo não estando vestindo a Armadura de Bronze os nossos cosmos estavam em sincronismo, um ressoava em harmônia com o outro.

Máquina Pneumática voltou seu olhar para Atena e ergueu seus braços para me proteger o máximo possível e segurar o impacto e assim ela o fez, os relâmpagos do Baculo de Aço, a Exclamação de Bronze não iria me derrubar, mas eu iria fazer minha parte para ajudar a Armadura que decidiu vir do Segundo Céu para me proteger,

Em pensamento:
-Quem sou eu afinal de contas? Temo saber a resposta e não esta preparada para o futuro.

A Armadura de Bronze me ofereceu proteção mas mesmo assim vou ajuda-la transferindo o que resta de minhas forças, me aproximei dela e de costas e me apoiei nela, encostei minhas mãos e meu corpo nela.

OFF: PD (1 PE temporário), Patrono (Atena), 1 Ponto compro temporariamente Armadura Sagrada com as seguintes Características:

A4, PVs 20. Armadura Extra (Eletricidade)+ Invulnerabilidade (Eletricidade)+Pontos de Vida Extra x2.

Amaretsu tem apenas 8 Pvs naturais.

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1895
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Galahad » 28 Dez 2018, 13:42

Tenzi

"Será que desta vez a luta realmente terminará?"

De novo e de novo Tenzi vira Atena levar golpes que teriam derrotado qualquer outra pessoa, mas fazia sentido, já que se tratava de uma deusa, não um mortal como os membros do grupo. Mesmo agora, após receber golpes de Carlos que desfizeram algumas das defesas da divindade, esta ainda se mantinha de pé, só que agora preparando um golpe ainda mais devastador que da última vez.

"Agora é preciso dá o primeiro passo em direção de mudar o mundo"

— Antes mesmo de pensar em mudar o mundo ou mesmo o proteger, tenho que aprender a proteger os que estão próximos de mim, sejam pessoas mais fracas, sejam amigos e companheiros. Então rogo a ti, Atena, que me permita fazer isso!

O santo de Compasso queimava o cosmo dessa vez, fazendo não só seu corpo, como a armadura, relembrar a sensação que tivera ao defender o primeiro forte golpe de Atena, para assim reforçar sua resistência contra aquela energia que a divindade usava para atacar, fazendo com que o escudo que Compasso gerara mudasse de aparência, mudando sua cor e espessura. Mas Tenzi não parava ali, se concentrava para expandir o a fim de englobar também Cecilia, a fim de receber o dano que ela levaria.

— Como você falou antes, eu sou seu veterano, Cecilia — falava para a cavaleira, olhando para ela por alguns segundos — então eu irei a ajudar sempre que puder!
F1+5****, H2+3*+2***, R2, A0+4**+5****, PdF0; 10 PVs, 10/10 PMs 05/20+10**; PDs 0, PE 0

Faço uso de Patrono para ganhar 1 PD em troca de uma ação e 1 PM. Uso este para ter PEts através de Sequência de sorte, que, pela rolagem no Telegram serão 3, destes usarei 2 para comprar Invulnerabilidade(Eletricidade) e o último para poder usar Martírio e receber o dano de Cecilia

*Fortalecer
**Armadura de Compasso
***Arena
**** Pontos de Destino (Tome isso!)

Avatar do usuário
Nulo
Mensagens: 455
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:17

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Nulo » 01 Jan 2019, 18:38

Cecilia

"Por que eu luto?"

Cecilia cambaleava um pouco para frente, ofegando bastante enquanto tateava o chão bastante com os pés ainda trêmulos e em posições estranhas: o choque ainda fazendo seus músculos contraírem em espamos súbitos e repentinos.

— M-mesmo que seja só um treino, se eu n-não dar meu melhor, e-eu...eu...

A alemã se lembrava de que além da ameaça presente que guiou Ingi na universidade, ela tinha mais uma dentro de si, alguém que não podia vacilar em momento algum.

— Eu l-luto pois se eu parar, mesmo em treino, não irei seguir em frente. Treino ou não, não tenho desculpas para relaxar, por isso...

A santa percebia que Atena dava-lhe mais um desafio e preparava-se para defender de mais um ataque iminente.

"É bem estranho pedir ajuda para você agora que nos enfrentamos, mas preciso de sua força emprestada agora, Atena. Observe o que eu posso fazer!"

A loira suplicava, pois, mesmo sob a proteção de Tenzi, não poderia ser simplesmente a dama indefesa. Tinha de dar seu melhor também para orgulhar sua entidade patroa, ela mesma e mostrar para quem quer que estivesse dentro dela que não seria tão fácil.

Era uma guerra contra o mundo!
Personagem: F0, H5, R3, A0, PdF1(6); 15 PVs, 9 PMs / Armadura: F0, A5, PdF0; 10 PVs, 0/10 PMs; 15 cargas/ Inimigo/Ataque Combinado

Uso do Patrono (Atena) para ganhar 1 PD, o que - vide a rolagem no telegram - me confere 2 PEs temporários. Uso os dois para obter uma nova Armadura Sagrada temporariamente, assim refazendo minha armadura de Taça (temporariamente) para:

F0, A5, PdF 0, Armadura Extra: Elétrico, Invulnerabilidade: Elétrico, Armadura Suprema

Isso gera um custo de 2 PMs para ativar Patrono: Atena e gasto mais 6 PMs para ativar Armadura Suprema. Caso possível, uso Defesa Total (MdD, p. 1d+44).

Com tudo caso:

Considere Defesa Total, a A fica (5x2)+7+1d6 = 17+1d6 em escala Sugoi (Isso sem armadura e invulnerabilidade aplicadas)!

Sem Defesa Total, a A fica 5+7+1d6= 12 +1d6 em escala Sugoi!

Avatar do usuário
Inoue91
Mensagens: 602
Registrado em: 08 Jan 2014, 02:38

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Inoue91 » 05 Jan 2019, 23:20

Renan


O Cosmos de Carlos estava queimando intensamente, queimava muito mais forte do que quando lutou contra Igni em sua Universidade, talvez fosse por estar mais treinado ou por que agora a situação era outra, muito mais intensa embora não estivesse correndo risco de vida. Em um pico de adrenalina o cavaleiro avançou contra o avatar de Atena e disferiu inúmeros golpes mais rápidos que um piscar de olhos e ao finalizar suas sequencias de golpes, via a armadura que Atena vestia se desfazer.

"Será que ganhamos ?"

Ao ver a terra tremer e ver o pó da armadura se juntando, ele tinha percebido que não desta forma recuava alguns passos e entrava em uma postura defensiva na esperança de conseguir se defender de algum ataque que poderia vir e ao ver a concentração de energia que Atena fazia, Carlos viu que se defender daquilo não seria uma tarefa fácil, ele voltava a concentrar em seu cosmo na esperança de se proteger melhor, ele cruzava os braços em frente ao seu rosto para se proteger e então recebia o ataque todo, a força era tanta que o arrastava para traz, por um momento Carlos pensou que iria perder a consciência sua visão ficou turva e estava prestes a cair ao chão, mas ele não poderia desistir daquele momento, firmou os punhos, bateu o pé ao chão e deu um grito, ele sentia a adrenalina correr por todo o seu corpo aos poucos a dores voltavam a aparecer, mas seu cosmo emanava uma energia que ao mesmo tempo aquecia e aliviava a sua dor
Através de Patrono gasto 2 PM e novamente utilizado Milagre Cosmico, desta forma consegui gerar 3 PEs, estes 3 Pes estão sendo utilizados para comprar Tanque de Carne e Cura em seguida eu gatos 2 pms para curar 2d6

Avatar do usuário
Keitarô
Mensagens: 1306
Registrado em: 09 Dez 2013, 19:58
Localização: Mahoyiga

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Keitarô » 07 Jan 2019, 16:19

Os raios do julgamento divino de Atena atingiram a todos em sua totalidade. A sensação do perigo contrastava com a certeza de um treino. Um treino seria capaz de causar tamanho estrago no corpo? As sensações eram tão reais.

A magnitude do choque estava em outro nível. Assemelhava-se a alguns poucos ataques lançados pelos santos antes, mas em magnitude muito maior. O choque e o calor faziam as armaduras parecerem nada, a pele e a carne pareciam que iam descolar dos ossos. Terminariam um monte de cinzas com pedaços queimados de metal, suas armaduras.



A armadura de aço de Amaretsu começou a se despedaçar. Não havia como não. Era paradoxal, porque naquele momento Atena usava uma armadura de aço, já que a sua anterior havia sido transformada em poeira estelar por Carlos. O olhar de Atena se cruzou com o de Amaretsu, um sorriso confiante em meio ao quase cair da deusa. Era muito claro o seu pensamento, mesmo que não fosse falado.

"Os cavaleiros de aço são uma inspiração minha ao homem que os criou. Homens com missões diferentes no mundo, mas que ainda assim desejavam mudar o mundo como santos. Estou sempre com vocês, e a armadura que visto agora representa isso."

Sem perceber, a forma lupina começou a regredir. Parecia que a força do ataque era tamanha que estava vencendo mesmo os instintos mais internos da guerreira. Quando tudo parecia ter fim, seu chamado de poder convocou a uma constelação, na forma de armadura. Máquina Pneumática materializou-se à frente da guerreira, em posição defensiva, resistindo junto ao ataque. A exemplo da armadura de aço de Amaretsu, da qual só restava agora o elmo, Máquina Pneumática começou a se contorcer. Deformar. Escurecer. Quebrar.

Tenzi envolveu-se no próprio cosmo, uma lembrança inconsciente de sua mestra, de que seu poder era o próprio Universo. O impacto o fez afundar no chão, sua defesa cósmica resistindo ao ataque divino. Ele foi sendo arrastado, a diferença de poder, inicialmente grande, não parecendo tão grande assim. Compasso faiscava, procurando desesperadamente maneiras secundárias de resistir ao ataque, quase como um organismo vivo separado. A consciência pareceu querer ceder, mas, assim como quando se dorme e se levanta num susto, Tenzi voltou a si ao sentir o calor da armadura e a dor. Aos poucos, porém, os raios foram cessando. Teria resistido?

Cecilia já havia caído e se levantado. Mais uma vez, um poder descomunal em relação à própria visão inicial da alemã, uma garota fraca e cega ligada às artes, jazia sobre ela. Instantaneamente o corpo começou a ceder, fraco, mas Taça o segurou. Não sabia explicar, a armadura simplesmente não cedia. Flexível aos movimentos, mas rígida à queda. Cecilia viu um mar em fúria, uma visão que ia se distanciando… e, de repente, o mar não era mar, e sim apenas o conteúdo dentro de um grande cálice. Os raios envolveram o corpo e a armadura totalmente, sendo, aos poucos, concentrados pelas partes metálicas. A alemã se sustentava numa posição estranha, toda torta, o corpo em espasmos pelos choques. Ainda estava em embate contra o ataque persistente.

Carlos, no impulso, se dirigiu para Atena na hora do ataque. Recebeu de peito aberto, a ombreira direita estourando. As caneleira abrindo na frente e se soltando, o peitoral queimando. Voou no ar, jogado pela lugada de vento e raios, e caiu segurando-se com uma mão e um pé, resistindo. Não importava como ficava em pé. Bastava não cair.

"Mas você vai cair. Não somos tão fortes assim. Ela é uma deusa!"

"É só um treino. Você pode ficar forte depois!"

"Essa armadura é uma cópia. É por isso que você não conseguiu. Pégaso Negro é uma armadura falsa!"

Diversas vozes brigavam na mente de Carlos. Uma sentimento maior o mandava resistir, mas as vozes o convenciam de que sucumbir era mais fácil, e mais confortável…



Mas...

Primeiro, Tenzi. O cavaleiro resistiu, com muitos ferimentos, ao ataque. Compasso estava sobrecarregada, mas conseguira ajudar o santo. Imediatamente, observou Cecilia, próxima, no seu limite. Teleportou-se (porque não conseguia mais correr) e a sustentou, recebendo novamente a onda de energia de antes. Juntos, resistiram ao limite.

O ataque cessara. Soltavam vapor, as roupas dentro da armadura queimadas. Resistiram.

Amaretsu lutava, já em forma humana, para resistir. Sua roupa militar começava a se desfazer em parte, a armadura de Máquina Pneumática no limite, quando, finalmente, o golpe cessou. Sustentara-se em pé. A máscara, no rosto, intacta. Havia uma sensação de gratidão estranha vinda da constelação, que então sumiu, deixando a guerreira em pé.

A mente de Carlos sucumbiu, e o corpo começou a cair, mas sua mão o segurou uma última vez. Em meio ao vapor do corpo, ao fim do ataque, de alguma maneira ele continuava a resistir. A mente travada o trouxe diversas visões — pégaso preso, guerras antigas, o Big Bang, um buraco negro juntando-se em outro, muito claro, com uma imensa explosão no centro do caminho entre eles, os deuses, um clarão enorme muito mais poderoso que todos, a Terra, Atena, ele, os outros. Então, seu cosmo ressoou, aliviando as dores… e ele pôde se levantar.

Houve um silêncio de alguns poucos instantes. Apenas a respiração ofegante dos dois lados podia ser ouvida. Atena, a exemplo de sua armadura, instantes antes, começou a se desfazer, de baixo para cima. O chão copiava o ato, a terra escura se desfazendo, as pedras demorando mais tempo, mas também indo embora. Era lento, pois havia muita coisa naquela suposta simulação, mas estava encerrando.

Atena sorriu. Sem abrir a boca uma só vez, sua voz ressoou na mente de todos ali. E enquanto ia dizendo, sumia paulatinamente.

"Cavaleiros. O pior inimigo do homem é si mesmo. É claro, é muito mais complexo que isso, ou muito simples, dependendo dos seus entendimentos, mas pode-se dizer desta maneira...

O homem tem um poder incomensurável, alimentado por sua fonte, de onde vem seu Cosmo. Esse poder é controlado por aquilo que verdadeiramente acredita... Seu sistema de crenças. Literalmente, aquilo que não acredita não existe para ele. Por isso, há muitos que usam a humanidade, manipulando suas vontades para que elas se tornem verdade. Crer na mentira torna-a uma verdade.

Guerreiros, o ser humano foi construído há milênios tendenciado à servidão. O cérebro humano possui, na fronte, uma área responsável por liberar neurotransmissores de prazer diante do ato de servir. É confortável servir, obedecer e não ter de fazer escolhas. Isso, infelizmente, os torna escravos daqueles que sabem disso e os dominam. No começo, eram... deuses, ou assim os homens acreditavam. Hoje, são os próprios homens. E estes, lobos, continuam dominados por lobos maiores.

Apesar do nome, vocês não são santos. Eu não aceito e nem peço servidão, embora seja inevitável, pela própria natureza humana. Não aceitem servidão. Por isso, agimos nas sombras, interferindo apenas quando necessário e sem nos fazermos conhecer, para evitar credo. Não somos salvadores, pois estes fazem tudo pelo povo, que confortavelmente nada tem de fazer. Nós somos protetores.

Um dia, cada ser será seu próprio salvador. Protegemos cada ser até que este dia chegue. Até lá, cada homem é seu próprio inimigo... Vítima dos autodenominados donos do mundo e os do universo, que dominam até mesmo os primeiros, sem que saibam.

Confiem nos seus Cosmos; a intuição vem através dessa energia, que fala mais sobre quem vocês são do que seus próprios corpos e mentes. Nela reside todo o Universo. Entendem? Sua mente, seu corpo, sua armadura... O Cosmo não está nessas coisas.

Essas coisas estão em seus Cosmos!

Por isso, não há arma, poder ou proteção que sejam mais poderosos do que o próprio Cosmo. A batalha é sempre definida pelo Cosmo. À medida que forem percebendo isso, mais unidos ao Universo estarão, e mais milagres serão capazes de fazer.

Mesmo porque não existem milagres. Chamam de milagre porque acham impossível, mas nada o é. Não é fé. Isso é sabedoria.

Grata a Gêmeos por nosso encontro, volto à minha consciência satisfeita. Vocês não me venceram; vocês se venceram! E ao se derrotarem, ganharam. E se ganharam, eu também venci. Todos nós vencemos. Derrotas novas virão, mas vitórias maiores ainda o aguardam. Em breve acordarei plenamente no plano da Terra, próxima a vocês. Até lá... Confiem em si mesmos.

O Cosmo jamais acaba, pois existe antes de tudo e existirá depois do fim."


Então, Atena terminou de sumir e tudo se fez luz. Por um momento, sentiram-se sem armadura, como realmente estavam ao entrar na casa de Gêmeos. No entanto, perceberam uma luz cobrir os próprios corpos, suas constelações os abraçando. Pareciam ter asas, mas não tinham certeza, porque a forma não era nítida. Os ferimentos ainda doíam, mas quase haviam se esquecido disso. Os Cosmos pareciam maiores que antes de entrar ali.

Então, num clarão, tudo se foi.

Estavam os quatro no meio da casa de Gêmeos. Ela era bem menor do que parecia antes. Atrás, a entrada, a cerca de dez metros. Para o outro lado, a saída, a cerca de mais dez metros. Estavam sem ferimentos e sem dor física, o corpo intacto, as roupas também, sem armadura. Amaretsu tinha um pouco de dor de cabeça, talvez pela transformação, mas, teria se transformado? Os quatro tocavam com a mão esquerda um objeto dourado frio.

A armadura de Gêmeos estava bem ali, completa. Tinha um brilho fosco, um dourado não tão bonito, e muitas rachaduras. Seu cosmo era quase nulo, ou talvez a sensação de cosmo disse da casa e a armadura não emitisse nada. Estaria a armadura de Gêmeos morta?

Então, quando soltaram a peça complexa, ela se recuperou instantaneamente. Sumiu sem deixar rastros, como se tivesse se escondido no próprio espaço. No chão, onde antes a armadura estava, as seguintes palavras:

"A única maneira de se ficar mais esperto é jogando contra alguém mais esperto."
(Fundamentos do Xadrez, 1883)

Vocês podem fazer uma última ação, que provavelmente envolverá voltar a Áries e interagir o quanto quiserem no caminho. Após a última interação, o ato será fechado e um novo será aberto.

Todos ganham 20 PEs e têm de fazer uma escolha:

• Ganham Patrono (Atena) gratuitamente. Tem de ser Atena necessariamente.

• Ganham 5 PEs, caso não queiram Patrono (Atena).

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1895
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Ato 1.5 ~ Caminho Pedregoso

Mensagem por Galahad » 08 Jan 2019, 12:47

Tenzi

"Finalmente acabou...."

Este fora o pensamento que passou pela mente de Tenzi ao final do combate. O ataque de Atena fora brutal, parecia que queimaria seu corpo, mesmo estendo trajando Compasso, mas não fora o que acontecera, conseguira resistir ao ataque da divindade graças à sua armadura e os ensinamentos de sua mestra, ainda que não tenha saído ileso daquela poderosa ofensiva.

"O primeiro passo para superar os próprios limites."

Atena sumira, a casa de Gêmeos mudara, se tornando um lugar bem mais simples do que antes, mesmo a armadura de Gêmeos que aparecera por um tempo já não estava ali, armadura a qual fora tocada pelo grupo e, quando a tocou, Tenzi mentalmente agradeceu Gêmeos por ter o ajudado a ficar mais forte do que era ao entrar no local. Também sentira uma certa tristeza ao ver o estado da armadura dourada, desejando a poder ajudar de alguma forma, ou que pelo menos ela encontrasse alguém para a trajar novamente.

"Que nossos caminhos se cruzem de novo, Gêmeos..."

Com o espírito renovado, olhava para os companheiros, companheiros que ainda não conhecesse tanto pessoalmente, sabia que poderia confiar a própria vida em futuros confrontos.

— Acho que podemos voltar a casa Áries, não é? Eu não esperava que passássemos por tanto aqui em Gêmeos, mas digo que foi uma experiência incrível lutar de verdade ao lado de vocês, ainda mais quando combinamos nossas cosmo energias.

O santo de Compasso sentia seu espírito mais leve, mesmo com algumas palavras deixadas por Atena não terem sido tão agradáveis quanto outras, Tenzi sentia sua mente mais clara, sentia poderia confiar em Atena, lutaria por ela não para servir, não o faria por sentir obrigado, o faria por vontade própria.
Irei pegar Patrono(Atena) sim

Responder

Voltar para “Cavaleiros do Zodíaco Alpha”