Tormenta RPG - Tempestade no Mar Negro (ON) FECHADO

Avatar do usuário
Aldenor
Mensagens: 17588
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:13
Localização: Curitiba, PR

Re: Tormenta RPG - Tempestade no Mar Negro (ON)

Mensagem por Aldenor » 03 Fev 2018, 09:19

Ainda que soubesse a inconveniência de Bagual, Peter não se preocupava com o problema dos outros. Em sua missão divina, pelo seu credo, as pessoas menores e inexpressivas existem para servir. Essa característica de sua personalidade sempre esteve ali: a do dominador, aquele que comanda os outros, mas somente após seu treinamento pela fé de Kallyadranoch que Peter aflorou tais pensamentos.

Por isso, quando os guardas ergueram armas e o espreitaram, Peter os encarou olho no olho, um de cada vez. Seu rosto, pétreo, não esboçava nenhuma emoção. Parecia que observava o vazio. Primeira regra de uma luta é não deixar transparecer suas intenções. Peter aprendeu isso a duras penas quando apanhava de Zergan em seu treinamento. O maldito dragão ria enquanto catalogava cada expressão de seu rosto.

Não mais. Peter estava preparado para derramar a fúria de seu deus sobre qualquer um, mas o sargento pôs sensatez na cabeça de seus comandados. Peter deteve-se em eu olhar e voltou a acariciar a crina de Bagual. Não respondeu ao homem, que pareceu temê-lo. Era o melhor a se fazer, pois ele era um sacerdote guerreiro. E em breve todos na ilha o veriam com temor que lhe devem. Afinal, Peter Silverstone podia não ter em seu nome, mas em suas veias corria o sangue dos Maedoc.

O sol queimava, mas Peter estava acostumado depois de tanto tempo viajando. Sua pele branca já havia se acostumado a estar sempre vermelha e endurecida, provocando pequenas feridas aqui e acolá. Nada que importunasse muito ao sacerdote, pois ele sabia que sua mente deveria ser forte primeiro para comandar seu corpo. Em breve estaria bronzeado. Ao caminhar pela "cidade", observou com desinteresse a vida daquelas pessoas. Desleixados, risonhos e coloridos demais. Talvez o lorde do lugar não tivesse a dureza em suas mãos para comandar o lugar.

Chegaram ao estábulo depois de entrar na construção - diziam que era um "castelo", por ironia do destino - e Bagual não parecia disposto a ficar. Peter acariciou sua crina e encostou sua testa na dele.
Peter
Imagem
Zexenuma ifpesp, sia isthasy. Nomenoi slaic geou xikin ihk coi. Si geou ecud sio ekess wer ith, vur hak si geou confn spical ekess vakka jacion.
Fique calmo, meu irmão. Estes provincianos pagarão por isso. Apresentar-me-ei ao lorde e depois voltarei para buscá-lo.
A língua dos dragões era áspera e terrível, mas não importava em que idioma dizia, as conversas com Bagual eram intuitivas e ele o entendia de qualquer maneira.

Virou-se para o sargento em seguida, expressão pétrea costumeira.
Peter
Imagem
A forma como trata seus cavalos é lamentável, sargento.
Disse antes de acompanhá-lo em direção ao castelo.
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Imagem Imagem

Avatar do usuário
Mælstrøm
Mensagens: 1417
Registrado em: 09 Set 2016, 17:51

Re: Tormenta RPG - Tempestade no Mar Negro (ON)

Mensagem por Mælstrøm » 04 Fev 2018, 09:20

Clara tamborilava os dedos enquanto ouvia Mallak. Havia à sua disposição o vinho de uma boa safra de Ahlen, mas a jovem meio-elfa preferia evitar beber quando precisava estar atenta.

As informações que recebera de seu professor mágico lhe foram úteis, uma atualizada as quais já possuía sobre o passado de Izzy Tarante. Apesar de não estar totalmente a par das pessoas ilustres, figuras destacáveis, nomes importantes, Clara ai aos poucos se acostumando. Pelo menos agora ela sabia o por quê de Izzy ser contrária aos nobres proscritos. Para ela não era apenas uma questão de dividir o poder da Irmandade com gente de foca com ameaçadores títulos aristocráticos. Ela tinha preocupações mais nobres em sua ativa luta contra a escravidão e agora os membros da Irmandade não podem mais auxiliá-la nisso tendo inimigos tão próximos como os proscritos...
Clara
Imagem
Será que... o senhor poderia me apresentá-la?
Suas palavras incertas carregavam algum arrependimento, mas Clara decidiu ceder à sua curiosidade.

Avatar do usuário
Aquila
Mensagens: 3394
Registrado em: 10 Dez 2013, 13:49
Localização: Lamnor
Contato:

Re: Tormenta RPG - Tempestade no Mar Negro (ON)

Mensagem por Aquila » 07 Fev 2018, 19:54

Tempestade no Mar Negro – Parte I : Ossos Cruzados

Crym
Cabo das Harpias - Ilha de Zullai
(Noite de Jetag 10 sob Cyd, 1410 CE)

A estrondo das ondas quebrando contra os rochedos é como o rugido de uma fera colossal, cuja fome eterna só pode ser aplacada com a vida dos incautos que se aproximam demais de suas garras.

A força do turbilhão o joga para a escuridão no meio das rochas afiadas, afogando-o lentamente antes que possa recuperar o fôlego e nadar na direção das chamas que viu na praia escura. As águas violentas o jogam para todos os lados como um pedaço de madeira, por baixo das ondas, por entre os corais, nublando seus sentidos há muito abalados pelo cansaço extremo, depois de horas nadando contra o mar revolto. A água salgada fez seus cortes arderem, mas agora a dor se perdeu no meio da escuridão sufocante que o cerca.

O céu cravejado de estrelas surge como uma tentação quando o repuxo tenta puxá-lo para as entranhas do mar, mas você se agarra à esperança, tentando um último esforço para vencer a força das águas. Você tenta bater os braços e as pernas na direção da praia, mas seu corpo cansado e ferido parece ter desistido de luta.

O barril ficou para trás há muito tempo, quando ficou claro que ele não o ajudaria a se aproximar da costa rochosa, cercada pelos restos de inúmeros naufrágios. Sem alternativas, você se lançou na direção da praia, seguindo a luz fraca de uma fogueira que desaparecia no meio das ondas, percebendo tarde demais que o desafio estava além de suas capacidades.

Um coral corta a sua perna, fazendo-o gritar por sob as ondas, o último golpe do mar por ousar desafiá-lo, antes de seus dedos tocarem a areia suave da praia.

Depois das rochas, as águas se tornam calmas como um lago. Você se arrasta pela areia na direção da praia, tossindo água salgada com gosto de sangue, sem forças para resistir a mais leve das ondas, cansado como nunca esteve em toda a sua vida. Quando alcança a praia, você escuta o som de vozes vindo na sua direção, formas indistintas contra a luz crepitante da fogueira...
Observações
Depois de nadar por pelo menos duas horas, Crym finalmente alcança a praia, mas está no limite da exaustão. Faça um Teste de Vontade (CD 20). Em caso de sucesso, Crym permanece apenas Exausto (Manual Básico p.239). Em caso de falha, ele passa para Inconsciente.

Além do cansaço, Crym sofreu 10 Pontos de Dano nos corais.

O naufrágio levou muitos de seus equipamentos. Ele manteve a cota de malha, o que por si só já é um feito, mas sua mochila e dinheiro foram perdidos. Nesse momento, ele ainda tem 15 PO na algibeira, além de 1 PO escondido na túnica.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Peter Silverstone
Porto de Villena - Ilha de Zullai
(Meio-dia de Jetag 10 sob Cyd, 1410 CE)

A armadura de tiras de aço parece mais pesada do que você recorda, depois de quase três semanas usando apenas roupas leves, adequadas ao calor abrasador do Mar Negro, mas basta um minuto para você se acostumar novamente com a peso do equipamento, como se ele fizesse parte do seu corpo. Ainda assim, você não pode negar o desconforto que sente por causa do calor sufocante, que seria maior se não fosse a suave brisa marinha que atravessa continuamente a fortaleza de pedra.

Os guardas o olham com surpresa quando você sai do pequeno vestíbulo, usando a armadura pesada, não apenas por causa do estilo do equipamento, criado por um dos servos de Zergan para substituir sua antiga armadura, inutilizada depois de uma batalha, mas principalmente pela mudança na sua aparência.

Assim que você sai do vestíbulo, os quatro guardas o escoltam pelos corredores de teto baixo do castelo até o salão principal, guarnecido por sentinelas armadas, vestidas com cotas de malha e elmos saqueados da antiga guarda de Fortuna.

Quando você alcança o fim do corredor, duas das sentinelas se adiantam para abrir a pesada porta de madeira reforçada que leva para uma câmara ampla, mobiliada com dez cadeiras de espaldar alto, dispostas em duas fileiras, todas voltadas para o centro. Janelas altas deixam entrar a luz do dia, mas ainda assim um grande braseiro de ferro foi colocado no centro da câmara.

Dois homens estão na câmara, observando-o meticulosamente.

Um deles é um sujeito de olhos claros e cabelos castanhos, vestindo trajes elegantes de uma forma que seria considerada ultrajante em qualquer corte, mas que ali o transformam na personificação do pirata que você sempre imaginou: um sujeito de olhar sagaz e movimentos rápidos, que aproveita ao máximo os produtos de seus saques; a gola de sua camisa de seda está desabotoada, exibindo um peito musculoso, bronzeado, enquanto pulseiras e anéis de ouro e prata adornam seus braços e mãos; um bigode fino emoldura um sorriso intrigante e abusado, difícil de decifrar.

O outro homem é um tipo alto, com olhos escuros e penetrantes, vestido com um manto leve de corpo todo, que lembra um pouco os trajes dos povos do deserto, carregando um longo cajado de madeira-ferro.

Os guardas se espalham pela câmara, enquanto o nobre proscrito se levanta da cadeira onde estava sentado, com um sorriso cordial e os braços abertos.

- Seja bem-vindo, reverendo. Eu sou Aldemor de Gueron, capitão da guarda e membro do conselho de Villena. Peço desculpas pela recepção singular, mas sua chegada foi uma surpresa para todos nós. Uma surpresa auspiciosa, sem dúvida, mas ainda assim, carregada de mistérios. Então, o que trás um sacerdote de Kally à nossa humilde cidade?.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Clara Riley
Castillo de Izolda - Vila de Calena - Ilha de Zullai
(Início da Noite de Jetag 10 sob Cyd, 1410 CE)

Um burburinho de vozes embriagadas e espirituosas se espalha entre os piratas quando Izolda Tarante entra no pátio do castelo, acompanhada de seus imediatos e dos últimos capitães que atenderam à convocação.

A princípio você toma a agitação como mais uma disputa entre os piratas, que não perdem uma oportunidade para falar de suas aventuras, histórias de guerra, desafios e amores perdidos, mas logo a mulher de cabelos ruivos que faz parte de muitos desses contos surge entre os grupos, cumprimentando cada um dos presentes com um brinde de rum. Mas apesar do clima geral, muitos piratas não parecem dispostos a perder tempo com cumprimentos e sutilezas, trocando palavras sérias com a capitã, que retribui a todos com um sorriso sério, uma piscada e um "conversamos sobre isso depois."

Mallak acompanhou Izolda desde que ela entrou no pátio, como se de alguma forma soubesse do momento exato em que ela chegaria, falando no ouvido dela enquanto ela cumprimentava cada um dos piratas, mas depois que ela passa por um grupo particularmente sombrio de espiões, o mago a chama para o lado, apontando para você.

- Então, finalmente nos conhecemos - diz Izzy, colocando as mãos na cintura enquanto a olha com atenção, assim que Mallak a apresenta. - Ouvi falar muito de você. Venha, vamos fazer um brinde ao nosso encontro - diz, lhe alcançando um copo de rum.

Enquanto a capitã segura o copo com uma pose quase cerimonial, você pode observá-la por um instante sem sentir seus perscrutadores olhos verdes sobre você.

Segundo dizem, Izzy tem quase quarenta anos, mas sua beleza e corpo voluptuoso parecem contrariar os boatos. Seu farto cabelo ruivo, preso por uma faixa vermelha e uma trança, não mostram nenhum sinal da idade, emoldurando um rosto belo, bronzeado, com uma ínfima cicatriz embaixo do queixo. A roupa de espadachim que usa, um leve corselete de couro com fivelas, uma camisa branca, botas de cano alto, um cinto de couro sobre faixas de pano coloridas, apenas acentua a forma do corpo escultural. As partes da pele exposta mostram as inúmeras tatuagens feitas durante décadas no mar.

Izzy suspira longamente antes de levar o copo aos lábios, o olhar perdido em algum pensamento.

- Ao destino - diz, tomando a bebida de um gole só.
Observação
Se aceitar o convite de Izzy para um brinde, faça um Teste de Fortitude (CD 16).
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Objetivos
Dados dos Personagens
Crym • PV 27/27; PA 1/1; CA 20 <> Carga: Normal.
Peter • PV 30/30; PM 8/8; PA 1/1; CA 21 <> Carga: Normal.
Akan • PV 42/42; PA 1/1; CA 19 <> Carga: Normal.
Clara • PV 21/21; PA 9/9; PA 1/1; CA 15 <> Carga: Normal.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Editado pela última vez por Aquila em 28 Fev 2018, 20:06, em um total de 4 vezes.

Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 13714
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: Tormenta RPG - Tempestade no Mar Negro (ON)

Mensagem por Lord Seph » 10 Fev 2018, 12:52

Crym se esforçou para nadar em meio a escuridão. Com esforço atroz, e vários ferimentos ele chega a terra firme. Exausto, mesmo assim arruma forças para caminhar para longe das ondas e desaba exausto na areia.

Para Crym aquela foi a última vez que usa embarcações de terceiros. O cansaço toma conta de seu corpo e logo ele adormece alheio aos perigos, mas nada disso importava, graças a Wynna ele ainda estava vivo.
Meu teste deu 11, não deu
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Avatar do usuário
Aldenor
Mensagens: 17588
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:13
Localização: Curitiba, PR

Re: Tormenta RPG - Tempestade no Mar Negro (ON)

Mensagem por Aldenor » 12 Fev 2018, 01:22

Peter encarou os homens empolados com uma expressão neutra, embora séria. Seus olhos miravam dos pés à cabeça daquele que se auto intitulava Aldemor de Gueron sem mostrar nenhum interesse em especial. O cruzado entendia a importância das hierarquias, da estrutura do poder político, mas não confiava nesse tipo de poder hereditário. Acreditava que o poder devia ser conquistado ou desenvolvido por força interna e individual.
Peter
Imagem
Eu vim aqui, capitão, porque vi a oportunidade perfeita de trazer ordem e dominação a estas ilhas. Eu sou sangue de dragão e o deus me abençoa com seu poder e viso exercer meu poder por estas bandas. Uma aliança eu proponho ao senhores nobres destas terras para enfrentar de frente a Irmandade e sua bagunçada liderança sobre estes desleixados piratas.
Disse com solenidade, tentando conter o tom de agressividade em suas palavras ousadas.
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Imagem Imagem

Responder

Voltar para “Herdeiros da Guerra”