O Templo da Morte - Incompleta

Avatar do usuário
Aquila
Mensagens: 3331
Registrado em: 10 Dez 2013, 13:49
Localização: Lamnor
Contato:

O Templo da Morte - Incompleta

Mensagem por Aquila » 02 Mar 2018, 10:56

O Templo da Morte
Parte 1 - Presságios Sombrios

Yuvalin – Reino de Zakharov - Inverno de 1410

A última neve do inverno cai suavemente sobre Yuvalin, a maior cidade da região norte de Zhakarov, na fronteira entre as terras civilizadas e as regiões selvagens que cercam as montanhas de Arven, o Reino Branco. O sol da tarde surge como uma chama por baixo das nuvens cinzentas a oeste, iluminando os campos acidentados que cercam a cidade com uma luz quente e revigorante, antes da chegada da noite.

Yuvalin é uma cidade antiga, erguida para ser o centro comercial das minas e casas de fundição que se espalham pela região, produzindo a maior parte do minério consumido pelo reino. A maior parte das casas é de pedra, amontoadas entre as muralhas altas, reforçadas com ameias e espigões de ferro. No centro da cidade, uma chama brilha sobre a torre mais alta da fortaleza do rei, cujo tamanho aumentou dez vezes desde a sua fundação. As ameias de ferro da torre, cobertas de fuligem, a fazem parecer uma coroa negra.

Vocês estão em uma das praças de Yuvalin, próxima do portão leste, procurando um lugar para descansarem antes de seguirem viagem para Zakharin, a capital do reino.

A praça mostra o que esperar da cidade, um lugar sombrio, com patrulhas de guardas bem equipados rondando por todos os lados, desconfiados de forasteiros e viajantes que não tenham condições para pagar os preços altos das estalagens e tavernas do centro. A praça está agitada com o movimento das caravanas mercantes, chegando com os produtos que vão alimentar a fome voraz da cidade, rodeados de guardas, trabalhadores e mendigos. O vento frio das montanhas mistura a neve com a fumaça das casas de fundição, cobrindo a cidade com uma camada de gelo que deixa as ruas e vielas cobertas de lama escura.

O cheiro de metal quente permeia o ar.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Andy, Crym e Moira

- São cinco moedas de prata por dia para cada um dos animais, senhora - diz o dono do estábulo, para Moira, - e mais cinco para a carroça. Lamento, mas não temos muito espaço, e a carroça vai ocupar o lugar de um animal...

O estábulo Ferradura de Pyros fede a esterco e urina de animais, mas foi o único onde vocês conseguiram achar um lugar decente para abrigar os trobos e a carroça de Crym – depois que ela acabou congestionando uma rua, quando vocês seguiam para o centro. Apesar do cheiro, o estábulo parece seguro, pois abriga as montarias dos viajantes que seguem para as tavernas do centro. O teto e as paredes são firmes, o que garante o conforto dos animais.

Um cavalariço ajuda Crym a desatrelar o trobo de sua carroça, enquanto outros dois preparam os trobos de Moira e Andy para passar a noite.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Dominique, Driel e Hanz

Enquanto Andy, Crym e Moira tratam dos trobos, vocês estão esperando do lado de fora do estábulo, descansando por um momento sobre algumas caixas e fardos de feno empilhados ao lado da entrada. Alguns garotos da cidade estão perto de vocês, rondando-os com olhos curiosos e ansiosos, pedindo para fazer pequenos trabalhos em troca de algumas moedas.

Assim que vocês chegaram na cidade, um garoto se aproximou, oferecendo-se para guiá-los pelo labirinto de ruas estreitas e sombrias, mas logo surgiram outros, vindos de todos os lados. O grupo se dispersou quando alguém chamou a guarda, mas logo depois alguns deles voltaram por outros caminhos, querendo ajudar quando souberam que vocês estavam procurando um estábulo para deixar os animais.

- Não queremos nada de graça, moço - diz um garoto que não deve ter mais de dez anos, para Driel, vestido com uma manta de retalhos, o rosto ferido por causa da briga que teve com alguns dos outros garotos, que, segundo eles, pareciam querer roubá-los se tivessem a chance. - Não somos como eles. Não queremos roubar. Aqueles que roubam vão para as minas de ferro, e nunca mais se ouve falar deles...

Mas é Hanz quem mais atrai a atenção dos garotos, que o olham admirados por ele carregar duas espadas.

- O senhor deve ser muito forte - dizem alguns dos garotos, sentados ao redor do guerreiro com os rostos ávidos. - Não deve passar fome...

Mas a curiosidade dos garotos é interrompida pelos gritos de uma garota que surge de uma viela próxima da estrebaria.

- Por favor, alguém nos ajude - ela grita, a voz embargada pelo desespero e medo, o rosto manchado pelo sangue que escorre do nariz ferido, mas as pessoas a ignoram quando ela se aproxima. - Ladrões... vão matá-lo...

A voz dela se perde quando um grito de dor ecoa da viela escura.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Dados dos Personagens
Andy • PV 36/36; PA 1/1; CA 21 <> Carga: Normal.
Crym • PV 17/27; PA 1/1; CA 20 <> Carga: Normal.
Dominique • PV 19/19; PM 12/12; PA 1/1; CA 21 <> Carga: Normal.
Driel • PV 38/38; PA 1/1; CA 18 <> Carga: Normal.
Hanz • PV 39/39; PE 6/6; PA 1/1; CA 17 <> Carga: Normal.
Moira • PV 12/12; PM 15/15; PA 1/1; CA 11 <> Carga: Normal.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Editado pela última vez por Aquila em 19 Mai 2018, 09:54, em um total de 5 vezes.

Avatar do usuário
Wiccan
Mensagens: 544
Registrado em: 20 Set 2016, 10:36

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por Wiccan » 02 Mar 2018, 21:14




O vento gelado atingia o rosto de Moira cortando-lhe a pele como navalha de gelo. Não estava acostumada com o frio e sua condição física fazia com que o rio lhe incomodasse mais que os demais em suas vestes pesadas e armaduras. Depois de uma crise de flata de ar ela trocou o trobo pelo movimento chacoalhante da carroça de Crym. Seu robe lhe dava certa proteção do frio,mas era o casaco de pele que não deixava o frio lhe tomar por completa. Viagens eram sempre desconfortáveis e a vidente esperava chegar a uma cidade e finalmente descansar seu corpo frágil sobre lençóis limpos, olhava as copas das arvores mudando enquanto as nuvens brincavam no céu até que adormeceu. Acordou com o cheiro peculiar e o barulho característico de uma cidade.

Olhou em volta enquanto era ajudada a descer da carroça, tentou não pisar em nada de Crym ou de qualquer outro que por ventura jogasse algum pertence seu ali dentro. Assim que pisou o chão a bainha de seu robe logo tocou o chão, já não conseguia reconhecer mais que cor era naquele local, a lama acabou atolando a o veiculo fazendo toda uma rua parar. As pessoa esbravejavam reclamavam e Moira apenas as encarava sem qualquer expressão, ouviu alguém indicar uma estrebaria e olhou para os demais seguindo dali a pé puxando o seu trobo, ao chegar ao local o odor de esterco e palha tomava todo o lugar, um homem simples logo se apresentou mostrando o lugar, Andy e Crym estavam comigo , enquanto os outros esperavam do lado de fora aproveitando a pausa para descanar o corpo, cavalgar trobos impedia as pernas cansarem porém o movimento dele era desconfortável e acaba causando cansaço em outros locais.

Moira não quis muito discutir, apenas pediu para Crym pagar a diária enquanto pegava seus pertences, era um peso que seu corpo não conseguia suportar por muito tempo por isso comprara o trobo mesmo tendo dificuldades em cavalgá-lo, quando colocava sua mochila nas costas ouviu gritos. Moira caminhou tranquila para o lado de fora parando entre os demais.

Imagem-Uma recepção peculiar...Talvez possamos tirar algum proveito disso...
Ergueu a mão direita no ar enquanto desenhava mentalmente um simbolo arcano e murmurava palavras em silvestre a lingua dos druidas de quem aprendeu a magia. Sua mente era inundada por magia e fechou os olhos enquanto murmurava as palavras mágicas. Então surgiu a resposta na mente de Moira como uma brisa, abriu os olhos e virou-se para Hanz .

Imagem-Devíamos ajudar, talvez o destino nos beneficie.
Magias Preparadas: Compreender Idiomas,Identificação,Detectar Portas Secretas,Detectar Mortos Vivos,Alarme,Armadura Arcana,Misseis Mágicos,Queda Suave,Sono,Detectar Pensamentos,2xMapear,2xAugúrio,Localizar Objetos. 15 PMs no total.

Moira usa Augúrio para saber se ajudar irá trazer benefícios ou malefícios imediato para o grupo. Obviamente pode haver comabte isso já esperado,mas a questão é mais sobre ajudar aquela pessoa ou simplesmente deixar para lá.
Augúrio
Tempo de Execução: Ação Padrão
Alcance: pessoal
Alvo: Você
Duração: instantânea
Um augúrio diz se uma ação trará resultados bons ou ruins. O mestre rola 1d6; com um resultado de 1 a 5 o augúrio funciona, e você recebe uma das seguinte respostas: “felicidade” (sua ação trará bons resultados); “miséria” (sua ação trará maus resultados); “felicidade e miséria” (para ambos), ou “nada” (para ações que não trarão resultados bons ou ruins). Em um resultado de 6 o augúrio falha, e você recebe o resultado “nada”. Você não tem como saber se recebeu o resultado “nada” porque a magia falhou ou não. Por exemplo, se o grupo está prestes a entrar em uma câmara, o augúrio dirá “felicidade” se a câmara contém um tesouro despro te gido, “miséria” se contém um monstro, “felicidade e miséria” se houver um tesouro e um monstro, ou “nada” se a câmara estiver vazia. Augúrio só prevê cerca de meia hora no futuro — qualquer coisa que possa acontecer depois disso não afetará o resultado. Todos os augúrios lançados pela mesma pessoa sobre o mesmo assunto usam o resultado do primeiro augúrio.
Imagem

Avatar do usuário
Astirax
Mensagens: 1144
Registrado em: 06 Fev 2014, 18:02
Localização: Capivara City

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por Astirax » 03 Mar 2018, 10:38

- São cinco moedas de prata por dia para cada um dos animais, senhora - diz o dono do estábulo, para Moira, - e mais cinco para a carroça. Lamento, mas não temos muito espaço, e a carroça vai ocupar o lugar de um animal...
Andy
Imagem
-Já que não tem jeito, é isso. Hongari não era tão frio assim!
Andy ajustava e apertava seu traje de frio, nunca antes havia se aproximado tanto das Uivantes, e pagava o preço.

As coisas aconteciam rápido demais para o jovem aventureiro acompanhar. Fedor de Esterco, Discussão na Rua, Serviço de Guia, Guardas.

Mas isso é ignorado quando ouve-se gritos de uma garota que surge de uma viela próxima da estrebaria.
- Por favor, alguém nos ajude - ela grita, a voz embargada pelo desespero e medo, o rosto manchado pelo sangue que escorre do nariz ferido, mas as pessoas a ignoram quando ela se aproxima. - Ladrões... vão matá-lo...
A voz dela se perde quando um grito de dor ecoa da viela escura.
Andy
Imagem
- Não enquanto o grande Andy puder ajudar... eu.
Andy era um protótipo de herói, jovem e ingenuo, muito Tolo alguns diriam, sendo muito fácil engana-lo.

A moça Maga Moira Ergueu a mão direita no ar, mexendo os dedos sem sentido enquanto imitava som de bicho, talvez falando com o cara-de-cachorro? Ficou com os olhos fechados um pouco, parecendo que ia passar mal, mas era nada, abriu-os e virou-se para Hanz.
Imagem-Devíamos ajudar, talvez o destino nos beneficie.
Andy
Imagem
- Estou a caminho.
E foi ao resgate o mais rápido que suas perninhas podiam levar.
Off:
Escudos Leves deixam as mãos livres, Andy esta com ambos preparados.
Andy irá usar dois movimentos para ir ao beco, movendo-se 12 metros (8 quadrados).

Avatar do usuário
Aldenor
Mensagens: 17213
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:13
Localização: Curitiba, PR

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por Aldenor » 03 Mar 2018, 17:59

Fazia tempo que Driel não sentia frio com aquele. Afinal, era acotumado à temperaturas baixas das florestas de pinheiros em Tollon. Porém, seu nariz fungava devido a proximidade das Montanhas Uivantes que traziam neve e um vento gelado seco por conta das grandes planícies do norte de Zakharov. Em Tollon o frio era mais úmido pela proximidade do Mar Negro e das densas florestas. E era mais ameno também, onde a neve era bastante rara e somente no extremo norte do reino.

Chegando à grande cidade de Yuvalin, Driel já suspirou incomodado. Todos sabiam: o moreau não gostava de cidades, principalmente as grandes. Era um ecossistema doente, que não se reproduzia, não deixava a ordem natural das coisas acontecerem, sempre tinha intervenção de pessoas, modificações que deturpavam as coisas como elas deveriam ser. Cidades eram jaulas, prisões criadas pelas pessoas complexadas com medo de se entregar ao mundo criado pelos deuses.
Driel
Imagem
>Unc< Nunca vou entender... pra que tudo isso?
Disse aleatoriamente quando viu o céu amargurado pela fuligem das casas de fundição. Extraiam o minério para torná-lo em outras coisas, ferramentas para seus objetivos de continuar tentando dobrar a realidade ao seu bel prazer...

Driel ignorava as crianças à sua volta, pois sentia frio e tinha mau humor característico por estar em uma cidade grande. Preferia muito mais o relento, a estrada, a trilha no mato do que esse lugar enlameado e cheio de substâncias indevidas no ar. Estava de cara amarrada quando uma delas chegou dizendo que não eram mendigos. Queriam moedas em troca de serviço, algo "justo" para ele e sua formação de pessoas chamada de "sociedade". A mesma sociedade que o marginalizava a ponto de deixá-lo com fome.
Driel
Imagem
Pois não seja trouxa, garoto. Aprenda a furtar e você terá um sustento melhor. Agora saia daqui e deixa os aventureiros em paz. Não somos flor que se cheire, viu?
E para marcar seu ponto, Driel encarou o garoto com olhos insanos que logo cresceram ganhando uma expressão lupina. Seus braços ganharam uma pelugem castanha de variados tons, desde o escuro quase preto até o claro quase dourado. Seu nariz se alongou até se transformar em um focinho e logo Driel agora estava em sua forma confortável de lobo.

Imagem

O grito feminino chama atenção de Driel que logo ergue as orelhas e olha imediatamente para Hanz.
Driel
Imagem
Rooff...?
Forma Selvagem:
Brutalidade e Regeneração:
FOR 21 (+5) Cura Acelerada: 2
Ataques:
Corpo-a-corpo:
+7
Mordida +7 (1d6+6, x2; perfuração).
Imagem Imagem Imagem Imagem

Imagem Imagem

Avatar do usuário
John Lessard
Mensagens: 4867
Registrado em: 10 Dez 2013, 11:03
Contato:

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por John Lessard » 04 Mar 2018, 19:58

Hanz tinhas às costas recostadas no batente da porta do estábulo. Era um homem alto, robusto e de corpo definido pelo manejar da espada nesta vida mercenária que levava, cabelos escuros, assim como a barba farta. O olhar cinzento esquadrinhava a feiura. O frio era intenso e ele só conseguia resistir, devido ao grosso casado de pele de carneiro que usava. Os cabelos e a barba estavam salpicados de branco pelos flocos de neve que desciam calmamente, dividindo a queda com ás cinzas. Um fino vapor branco saía de sua boca, a cada respiração. Os músculos estavam contraídos.

Aquele lugar fedia, a esterco, a lama e desespero. O desespero no olhar daqueles garotos os rodeando, ávidos por algo, o que acabaria mal para eles.

- Fiquem de olho em seus bolsos - disse o Yudeniano baixo.

Continuou de braços cruzados, sério. Alguns garotos se aproximaram, após serem dispersados e agora retornarem.

- Tsc - foi toda a resposta que dirigiu.

E então um grito, uma garota surgiu, falando sobre ladrões e que matariam alguém. Lentamente Hanz impulsionou o corpo para frente, deu dois passos, mas nada disse. Moira logo estava ao seu lado, suas visões tinham algo a dizer... Andy já havia saído em disparada. O guerreiro bufou, descontente.

- Ele fez de novo - com um movimento rápido e um som de metal deslizando, puxou suas espada bastarda da cintura - Moira e Dominique, fiquem atrás, Crym olho no alto... Driel, vamos em frente.
Personagens em Pbfs:
Imagem Imagem Imagem Imagem Imagem

Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 13287
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por Lord Seph » 04 Mar 2018, 22:00

A primeira impressão de Crym fora de Smokestone foi de barbárie. As pessoas se matavam de forma brutal e pior, tratavam as pessoas por sua raça e classe social em vez de sua honra. Seus amigos de viagem eram estranhos.

Possuiam o mesmo senso de barbárie, mas pareciam ter modos a mesa, exceto Driel. Esse parecia que sabia viver no mato.

- Bem cara, mas fazer o quê.

Crym pagou o preço sem reclamar. Já sabia que aquele lugar não era civilizado afinal e para mostrar isso Crym houve um grito e foge de seus devaneios.

- Olho no alto? Yudenianos tem um senso de humor peculiar e vejo que nosso amigo já saiu em disparada.

Crym balança a cabeça, caminha para a eua e saca sua espada.

- Bem, vejamos qual problema o Andy nos arrumou.

Crym coloca seu chapéu e deixa sua arma devidamente escondida. Afinal, bárbaros não entendiam como uma peça tal fantásticas tornaria esses bárbaros em verdadeiros povos civilizados.
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Avatar do usuário
DiceScarlata
Mensagens: 1609
Registrado em: 22 Jan 2017, 02:15

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por DiceScarlata » 05 Mar 2018, 19:24

Dominique Dantellion Alvus
Imagem

*Dominique se sentia sonolento. Dormira pouco, devido a noite anterior, prestar seus serviços carinhoso a filha de algum mineiro, que conhecera no trajeto.
Enquanto os demais cuidavam dos assuntos chatos, se deitava contra a árvore, piscando de vez em quando, ainda que mantendo sua sacolinha de dinheiro bem segura a mão*

*Entre um sonho rapido e outro, se lembrara da filha. E isso o acordava emburrecido. Mesmo no sonho não podia esquecer.*

*Desistiu de dormir e apenas brincava com suas facas, quando os garotos se reuniam ao redor Hanz. Bem, não podia culpá-los, parecia um herói de algum conto.
Era normal que impressionasse. Que os jovens garotos se reúnam ao redor dele e as garotas ao seu*

*Não que dispensasse um nnfetinho também... Não tinha dessas*


- Waaaah...

*Bocejou ao mesmo tempo que ouvira o grito. Piscou duas vezes e então suspirou. Eram mercenário, não aventureiros, por que tinham de ir? Gritos aconteciam a todo momento. Pelo menos, esperava que Hanz COBRASSE, antes de interferir, caso a situação pedisse. Ouviu suas ordens e acatou*

- Aye, aye sir...

*Duas facas em mãos, cara de tédio, seguiu com a companhia mercenária que eram eles*
Tribo Scarlata


- MUNDO DE ARTON: GRUPO MADEIRA DE TOLLON (on):Angra Cabelos de Fogo
- MUNDO DE ARTON: GRUPO AÇO-RUBI (on): Jihad das Areias Vermelhas
- MUNDO DE ARTON: GRUPO JADE (on):Sr. Fuu
- JOHNVERSE: PRESA DE FERRO (on): Jinx - Cruzado da Ordem dos cabeças de Dado
- JUDASVERSO: CRÔNICAS DA TORMENTA (on): Nagamaki no Gouka!
- FUI REENCARNADO COMO MONSTRO (on): Gizmo
- OUTONO (on): Sandman

Avatar do usuário
Aquila
Mensagens: 3331
Registrado em: 10 Dez 2013, 13:49
Localização: Lamnor
Contato:

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por Aquila » 06 Mar 2018, 22:52

O Templo da Morte
Parte 1 - Presságios Sombrios

Yuvalin – Reino de Zakharov - Inverno de 1410

Assim que a garota surge da viela escura, vocês correm para ajudá-la, mas uma confusão bloqueia a sua passagem.

Os trobos de uma dupla de viajantes que esperavam diante da estrebaria, se assustam com o cheiro de lobo gigante de Driel, debandando enlouquecidos pela rua antes que os homens possam prender as rédeas nos elos de ferro. Os animais saem em disparada, derrubando tudo e todos que fica em seu caminho. No caos, as pessoas esquecerem da garota, que por pouco não é pisoteada pelos animais, sendo atirada na lama congelada.

- É um lobo gigante! - gritam as pessoas, fugindo do caminho do lobo.

Quando vocês finalmente alcançam a garota, um sujeito mal-encarado surge do beco escuro e a agarra pelos cabelos antes que ela possa se recuperar do golpe do trobo. O homem de rosto barbudo, usando uma pele de urso desgastada pelo tempo sobre armadura acolchoada, espada na cintura, puxa a garota pelos cabelos castanhos. Ela grita de dor quando cai, o braço direito ferido, coberto de sangue.

- Sua vagabunda! - diz o homem, derrubando-a em uma poça de lama. - Vai pagar caro por ter me ferido! - Uma faca pequena, ensanguentada, surge na mão do bandido, cuja barba pinha sangue. - Eu ia te vender para um bordel, cadela - ele segura a faca perto do rosto dela, - mas, agora, quando eu terminar contigo, não vai servir nem como puta nas minas de ferro...

Dentro do beco, dois homens de aparência tão brutal quanto o primeiro assaltam um rapaz, que apesar de ferido ainda tenta lutar contra eles para salvar a jovem. Um dos homens segura o rapaz pelo pescoço, mantendo seu braço esquerdo torcido em um posição estranha, enquanto o outro vasculha suas bolsas e rasga suas roupas com uma faca, ameaçando-o. Um dos homens carrega uma espada, presa às costas, enquanto o outro carrega duas machadinhas.

- Solta ela, seu maldito - diz o rapaz, a voz carregada de sotaque sufocada, tentando se soltar.

O bandido que agarra a garota parece ignorar a confusão na rua, vendo-os chegar apenas quando percebe o olhar dela para vocês.

- Mas que merda...? - ele diz, vendo o lobo se aproximar com as presas a mostra, seguido de perto por Hanz.

Combate - Turno 1
Notas de Combate
Embora eu considere esse momento como um instante pré-combate, para coordenar as ações que podem acontecer, rolem a Iniciativa de imediato.

Podem rolar no telegram, sem problema. Conjuradores podem se aproveitar desse momento para conjurar uma magia sem contar como parte do combate, descrevendo a ação e sofrendo uma penalidade de - 5 na Iniciativa.

O combate se desenrola na esquina entre uma das ruas de Yuvalin e um beco escuro, onde três bandidos, que aparentam ser guerreiros experimentados, estão atacando dois jovens de aparência simples, um rapaz e uma garota. A esquina é estreita, cercada por casas altas de pedra e madeira, com pessoas se debruçando nas janelas para ver o que está acontecendo. A rua tem uma largura que permite que duas carroças passem lado a lado, embora os obstáculos atrapalhem um pouco, enquanto o beco permite apenas a passagem de duas pessoas lado a lado. As pessoas fugiram do local por causa do lobo Driel, mas estão espiando de longe.

Driel e Hanz são os primeiros a chegar, pois estavam mais próximos quando ouviram a garota, seguidos de perto por Dominique, Andy e Moira e logo depois por Crym.

O bandido que ameaça a garota está próximo o suficiente para ser atacado por todos exceto Crym (mas lembrem que ele está com a garota), mas se aproximar dos outros bandidos pode exigir alguns turnos.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Dados dos Personagens
Andy • PV 36/36; PA 1/1; CA 21 <> Carga: Normal.
Crym • PV 17/27; PA 1/1; CA 20 <> Carga: Normal.
Dominique • PV 19/19; PM 12/12; PA 1/1; CA 21 <> Carga: Normal.
Driel • PV 38/38; PA 1/1; CA 18 <> Carga: Normal.
Hanz • PV 39/39; PE 6/6; PA 1/1; CA 17 <> Carga: Normal.
Moira • PV 12/12; PM 15/15; PA 1/1; CA 11 <> Carga: Normal.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Editado pela última vez por Aquila em 09 Mar 2018, 09:37, em um total de 1 vez.

Avatar do usuário
DiceScarlata
Mensagens: 1609
Registrado em: 22 Jan 2017, 02:15

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por DiceScarlata » 07 Mar 2018, 04:27

Dominique Dantellion Alvus
Imagem

*Dominique não havia interessado-se na situação.. até agora. Por alguma razão, ver uma jovem garota, sendo maltratada por um rufião, faz seu sangue ferver. E aquelas palavras... Ah... Aquelas palavras. Não era um heroi, nem um benfeitor. Talvez até cobrasse ou zombasse do garoto depois disso, por não protegê-la... Ou a tomaria para si, do jeito certo. Mas, por ora... A salvaria*

- Chefe Hanz... Me permite?

*Apoiou a mão no ombro do líder e deu um passo a frente. Encarou as mãos do bandido sobre a menina. Viu sua expressão. Ah... Isso seria divertido. Então chamou. Chamou por seu dom, aquela força dentro de si que trazia o divino a seu corpo. Usou suas emoções - em principal, aquelas ligadas as lembranças daquele dia - E deixou a magia se espalhar pelo seu corpo. *

- Gosta de prender os mais fracos amigo? Eu entendo... sou fã de um bondage também... Veja...

*Ergue dois dedos para cima, de maneira bem maliciosa e sugestiva e correntes de luz branca surgiram abaixo do alvo, tentando imobilizá-lo ali mesmo*


- Aproveite, pois quando EU terminar com você, vai desejar se tornar uma puta das minas de ferro...

*Uma vez que o prendesse (e se funcionasse) *

- Senhorita... Venha para o nosso lado sim?

*Sua voz, como mel. *
Vamos lá Utilizo a brecha oferecida ao narrador para conjurar uma magia de nivel 2, antes do combate iniciar e antes da minha iniciativa, que sofrerá -5 .

Magia: Imobilizar pessoa.
Nível: 2
Teste de usurpar (CD 14) - Resultado: 17!! (11 + 6)

Teste de vontade para resistir (CD 18) - Equivalente á: CD 10 + 2 (nível da magia) + modficador de carisma (+6) .

Iniciativa final, após conjurar a magia: 2 ( 4 + 3 - 5) .

PMS GASTOS: 2

E é isso ae =DDD
Tribo Scarlata


- MUNDO DE ARTON: GRUPO MADEIRA DE TOLLON (on):Angra Cabelos de Fogo
- MUNDO DE ARTON: GRUPO AÇO-RUBI (on): Jihad das Areias Vermelhas
- MUNDO DE ARTON: GRUPO JADE (on):Sr. Fuu
- JOHNVERSE: PRESA DE FERRO (on): Jinx - Cruzado da Ordem dos cabeças de Dado
- JUDASVERSO: CRÔNICAS DA TORMENTA (on): Nagamaki no Gouka!
- FUI REENCARNADO COMO MONSTRO (on): Gizmo
- OUTONO (on): Sandman

Avatar do usuário
Lord Seph
Mensagens: 13287
Registrado em: 09 Dez 2013, 17:50

Re: TRPG - O Templo da Morte (ON)

Mensagem por Lord Seph » 07 Mar 2018, 08:41

Crym é o último a chegar ao local e não se importa muito com isso, estava mais surpreso em ver Trobos fugindo por causa de Driel.

- Até aqui os Trobos são estranhos, bem vamos aos negócios.

Crym comenta enquanto toma a frente do grupo logo após seu companheiro despejar magia sobre um dos bandidos.

- Bom trabalho, Senhor Alvus.

Fala Crym quando se permite se por diante dos bárbaros daquela cidade imunda.

- Senhores, e senhorita. Permitam-me me anunciar, sou Crym o humilde servo do Senhor Alvus.

Crym mantém-se sério, precisava demonstrar seriedade e superioridade para aquela gente.

- Geralmente meu Senhor não se importa com as mazelas de pessoas como vocês, mas esse tipo de atitude que estão tomando muito lhe desagradam, então peço encarecidamente que deixe esses jovens onde estão e vão embora, ou teremos que tomar medidas drásticas contra os senhores.

Crym termina de falar com um sorriso na boca e permitindo que os bandos vejam seu grupo como uma ameaça real.
Vou ficar afrente do Hanz apenas para poder usar Enganação nos bandidos, um blefe com resultado 21. Minha Iniciativa foi 29
Melhor queimar do que apagar aos poucos.
-Neil Young.
o lema dos 3D&Tistas
"-seremos o ultimo foco de resistência do sistema"
Warrior 25/ Dark Knight 10/ Demi-God.

Responder

Voltar para “Herdeiros da Guerra”