O Caçador de Apóstolos

Haverá dois soldados. Um de Deus e um do diabo.

Ficha técnica:

Título: O Caçador de Apóstolos
Autor: Leonel Caldela
Formato: 15,5 x 23 cm, 416 páginas, brochura
ISBN: 978858913447-7

Compre a versão física

Foi o que disse a segunda profecia. A primeira falou da corrupção da Voz de Urag, da época em que a líder da Igreja trairia seu povo e faria a guerra contra os cardeais. As profecias avisaram sobre a Voz de Urag, a Voz de Deus, tornada maligna, uma serva do inferno. O surgimento de dois heróis para derrubá-la. E a queda de um deles, revelado como o Soldado do Diabo.

Mas e se for tudo mentira?

O Caçador de Apóstolos apresenta um mundo fantástico, medieval e opressivo, imerso no turbilhão de uma guerra civil. A Igreja governa a terra, mas está sem liderança após a corrupção e morte da última Voz. Os rebeldes lutam numa batalha desesperada contra o domínio da teocracia, contra a própria religião. Uma nova messias se ergue, para levar seu pequeno povo à capital e ocupar seu lugar de direito, cumprindo a vontade de Deus. O fantasma de uma civilização há muito arruinada paira sobre tudo, com seus mistérios e os fragmentos de seu minério divino. Um perplexo escritor observa e narra, misturando verdade e ficção, revelando e escondendo seu próprio papel nos acontecimentos.

O Caçador de Apóstolos é uma história de guerra, religião, idealismo, tragédia e teatro. Um embate entre a fé e o cinismo, o pensamento e a obediência. Em que a verdade e a mentira podem vir da voz dos homens, da voz dos santos — ou da Voz de Deus.

Leonel Caldela é sem sombra de dúvidas o Bernard Cornwell brasileiro. Se você gosta do estilo sujo, direto e realista empregado pelo escritor britânico em suas obras literárias, então O caçador de apóstolos é o livro para você.
Eduardo Spohr

Mesmo oferecendo os prazeres usuais da alta fantasia — batalhas, conflitos e intrigas palacianas —, O caçador de apóstolos desafia o leitor no modo como ele se posiciona diante da obra literária. Além disso, oferece um esforço consistente e violento (às vezes exagerado) de remover o lustre romântico da Idade Média, cujas estruturas sociais são retrabalhadas no romance. Como quase tudo em O caçador de apóstolos, isso se dá no plano da forma e do conteúdo: o amor, o companheirismo, as virtudes guerreiras e a vida na corte são implacavelmente diminuídos pelas ações de homens e mulheres desesperados; ao mesmo tempo, a prosa assume a qualidade brutal de Rubem Fonseca ou o tom escatológico e cínico de Charles Bukowski, duas influências admitidas por Caldela.
– Portal Terra

Considero esse um dos melhores livros que li esse ano, e me arrisco a dizer que seja um dos melhores livros nacionais lançados. Leonel Caldela mostra uma narrativa adulta e uma criatividade espetacular. Sem contar os questionamentos filosóficos a respeito de religiosidade escondidos no meio do enredo.
Sobre Livros

(Leonel Caldela) caminha com passos seguros para se tornar uma das principais referências no gênero. O caçador de apóstolos dosa ação e humor, introspecção e explosão. Escrito para ser uma autêntica obra de entretenimento, consegue atingir o seu objetivo.
Tibor Moricz

tags: Literatura

Comentários