3 curiosidades sobre O Tratado dos Mil Cantos, de Rafael Dias

Artigos

3 curiosidades sobre O Tratado dos Mil Cantos, de Rafael Dias

Por Em Artigos Comentários 3 curiosidades sobre O Tratado dos Mil Cantos, de Rafael Dias 0

Livro de estreia de Rafael Dias, O Tratado dos Mil Cantos é uma fantasia que se passa em um mundo inspirado na mitologia mesopotâmica. O autor do Selo Odisseias conta a história de quatro manipuladores dos elementos que precisam chegar a um local sagrado para decidir o destino do mundo a partir de um ritual de sangue. Logo abaixo, você confere algumas curiosidades sobre a obra, como as inspirações para o mundo, para os personagens e para o sistema de magia criado pelo autor.

1. Como tudo começou

Em uma época em que se tinha pouco trabalho e muita criatividade, Rafael Dias passava algumas horas escrevendo e trocando contos com um amigo de seu emprego da época. Com o passar do tempo, aquelas histórias foram ficando mais consistentes, tomando formas que nem ele mesmo acreditava, até sair o primeiro conto. Nessa narrativa, um ancião contava histórias para uma criança prodígio, e a partir daí saíram mais e mais contos, que por fim foram unidos por insistência de um dos amigos que finalmente, juntando cada uma dessas histórias, perceberam que existia quase um livro completo.

2. O mundo

Muita gente ao ler as primeiras páginas, tendo como base algum conhecimento prévio da história antiga oriental, já consegue se situar, ou pelo menos identificar alguma cultura, não à toa, pois, todo o romance está recheado de personagens históricos, cidades antigas, eventos importantes para as civilizações da época. Com pouco conhecimento é possível identificar cidades como Babilônia e sua busca pelo conhecimento e expansão, Gilgamesh e sua luta pelos segredos da vida, e por último, mas não menos importante, o Tratado de Kadesh, um acordo entre duas grandes potencias da região que acabaram por ditar algumas regras a outros povos e cidades que viviam próximos a ambos.

3. A magia

Assim que o leitor tem o primeiro contato com a magia em Mil Cantos, algum deles fazem uma ligação ao anime “A lenda de Aang”, porém, todos que isso fizeram, estão enganados, já que o sistema é altamente baseado nos RPGs lidos e jogados por Rafael Dias em sua adolescência. Na época, ele tinha o costume de criar personagens com poderes ligados a elementos primários e quando o sistema permitia, fundia tais elementos para criar outros. Inclusive, na criação de alguns personagens de seu livro, ele usou as fichas de RPG que ainda hoje estão guardadas em seu armário. Nele, tem personagens em que ele jogava e mostrava, agora fica para o leitor, tentar descobrir qual dos personagens do livro, era um NPC e qual é um personagem jogável.

O Tratado dos Mil Cantos está disponível nas versões física e digital.

Livro físico

Digital (pdf, epub e mobi)

Combo físico + digital

Comentários (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *