Brigada Ligeira Estelar: Homens do Espaço

Artigos

Brigada Ligeira Estelar: Homens do Espaço

Fora da ordem estabelecida em Brigada Ligeira Estelar

Brigada Ligeira Estelar é um cenário de space opera. Muito foco é centrado nos planetas principais da Aliança Imperial. Mas a Constelação não se limita a eles — e aqui falaremos dos Homens do Espaço. Existentes desde o começo da expansão humana no passado, eles são aqueles à parte das regras. Preferem viver em colônias espaciais fora do alcance do império. Não é uma vida ideal, mas é o preço por deixarem de estar à mercê das leis estabelecidas.

Geralmente eles se ocultam em cantos bem obscuros de um sistema solar, subsistindo de forma idêntica aos antigos viajantes espaciais em suas longas jornadas para povoar o universo. Criam culturas agrícolas hidropônicas. Estabelecem cultivos de células clonadas para gerar partes específicas de bois, frangos e porcos para consumo. Exploram o gelo nos cinturões de kuiper para obter água (ou hidrogênio líquido, obtendo água por hidrólise).

Homens do espaço são sobreviventes e se organizam cooperativamente, sem ligação com as autoridades centrais. Era assim antes da Aliança Imperial e é assim agora, apesar dos eventuais esforços individuais para inserir essa gente na ordem vigente. Eles também tem defesas próprias, com robôs refugos ou outros modelos modificados. Tem também grupos avançados com o objetivo de buscar itens úteis, sem entregarem a sua posição no espaço.

Negociando para Sobreviver

Além disso, quando uma colônia de homens do espaço localiza outra, eles compartilham mutuamente seus mapas. Assim, efetuam uma rede de escambos, alertando a todos quando uma é descoberta. Geralmente, piratas espaciais se beneficiam disso, trocando essas peças (e outros itens confeccionados nessas estações) por víveres de longo prazo e bens baratos de consumo. Para os piratas esse é um bom arranjo e isso garante certa segurança a essas colônias.

Por outro lado, elas são relativamente frágeis e não tem como enfrentar ataques de proscritos, dispostos a saquear e destruir — ou de milícias, interessadas em torná-las postos avançados. Apelar para a Marinha Espacial tende a ser o fim da linha: quando isso acontece, normalmente uma parte permanece e aceita a nova ordem, por inércia ou por cansaço. Outra vai embora e decide construir uma nova colônia em outro lugar, com os recursos à disposição.

Nada é Mais tão Fácil…

Porém, isso vem mudando: com a invasão proscrita, os Homens do Espaço tem se fortificado na Ponta do Sabre e no Quadrângulo Negro, com grupos avançados obtendo restos de tecnologia, robôs e naves. Eles agora podem contar com irregulares, misturando estranhamente tecnologia sabreana e proscrita, e assim se defenderem por si próprios. Além disso, a rede de escambos já se espalhou para o Fio do Sabre. Contudo, eles ainda tem seus próprios problemas.

O maior é a possibilidade deles não se encaixarem mais em ambientes planetários. O pé-de-valsa é um sintoma disso: ele é um problema comum para pessoas em ambientes artificiais no espaço por muito tempo: basta pôr os pés em um planeta e eles sentirão tonturas, perdendo o equilíbrio e caindo no chão (1d6 dias de cama e 1d6+4 para andar, com um redutor em habilidade de –3. No antepenúltimo e no penúltimo dia, –2 — e –1 no último dia antes da alta).

Quem é um Pé-de-Valsa aí?

Jogue 1d6 para todos os jogadores com R2 ou R1 em solo após sua primeira viagem ao espaço (personagens com R0 fatalmente serão pés-de-valsa, sem rolagens). Um 1 indica um pé-de-valsa. Contudo, quanto mais viagens se fizer, mais resistência se adquire: na segunda e na terceira vez serão 1d3 dias de cama e 1d3+4 para andar (para simular 1d3, subtraia 3 de qualquer resultado 4, 5 ou 6). Da quarta vez eles terão apenas –1 em Habilidade por três dias.

Da quinta vez em diante, será mais ou menos equivalente ao cansaço ao se sair de uma rodoviária: bastará um teste simples de resistência ao descer no planeta. Sendo bem-sucedido, você nem sentirá. Caso contrário, você terá –1 em H pelo resto do dia e se houver alguma urgência, você pode fazer o teste de novo após pelo menos uma hora (o máximo de testes permitidos por dia corresponde ao seu valor de R) — isso se recupera com uma boa noite de sono.

Qual a relação disso com os Homens do Espaço?

Quem vive no espaço desde sempre tende a esse problema — mas pior: todos os Homens do Espaço sofrem do pé-de-valsa, e sua primeira experiência em solo planetário será mais grave (1d6+3 de cama e 1d6+6 para caminhar), passando pelo processo normal nas próximas vezes. Isso reflete não um período, mas toda uma vida em estações espaciais de baixa qualidade, com necessidades diárias de manutenção com peças de segunda linha, obtidas na base do escambo.

Dessa forma, há o risco desses problemas se tornarem características adquiridas com as gerações — ou pior, tornarem inviáveis um eventual retorno dessas pessoas aos mundos habitáveis da constelação. Assim, eles não são só um problema social, mas uma questão de saúde pública. Logo, como convencê-los se eles tem todo tipo de minhoca enfiada na cabeça para justificar um auto-isolamento sob péssimas condições de vida em meio ao fogo espacial cruzado?

Para o Jogador de Brigada Ligeira Estelar

Não é incomum o Homem do Espaço jovem, por vontade de conhecer a Constelação, sair da sua comunidade. Porém, ele precisa sobreviver e, por isso, é compreensível sua junção à piratas espaciais, contrabandistas ou, para os mais avessos a conflito, meros transportadores. Por sua tendência a rejeitar ou desconfiar de autoridades, a entrada em uma guarda de cavaleiros regenciais ou mesmo na Brigada Ligeira Estelar é um tanto rara — mas não impossível.

Ele pode se tornar um batedor ou, se tiver um motivo concreto o bastante, se juntar à Brigada Ligeira Estelar por falta de opção ou um ato impensado. Nesse caso, ele berra um Ponto (Impulsivo) como perfil de personagem, com todos os clichês do ás esquentado e, nesse caso, é conveniente para ele uma habilidade boa e uma perícia pilotagem. Afinal, a Brigada costuma ser tolerante com alguma indisciplina… se os resultados compensarem.

Para concluir…

É claro, a ideia de uma campanha só focada nos Homens do Espaço não é impossível. Todos teriam diferentes funções e sua missão seria garantir a sobrevivência de seu povo em meio ao turbilhão ao seu redor. Há bastante potencial aqui. No entanto, é preciso deixar claro: a cabeça dura dessas pessoas pode condenar a elas e suas próximas gerações. Além disso, em um contexto como a invasão proscrita, permanecer vivendo dessa forma pode ser um suicídio.

Talvez a maior luta não seja protegê-los, mas tirá-los dali. Cair na real, negociar com a Aliança, colonizar uma lua em terraformação, qualquer coisa. A Brigada não vai querer destruí-los, mas uma milícia como a TIAMAT ou até as fragilidades da vida espacial podem colocá-los em perigo. No passado, as pessoas não encararam estações espaciais como transitórias à toa. Se fosse diferente, ninguém pensaria em terraformação.

Até a próxima e divirtam-se.

Twitter de Brigada Ligeira Estelarhttps://twitter.com/BrigadaEstelar
Blog oficial de Brigada Ligeira Estelar:
https://brigadaligeiraestelar.com/
Instagram de Brigada Ligeira Estelar:
https://www.instagram.com/brigadaligeiraestelar

DISCLAIMER: imagens dos jogos Dead Space, Aliens: Desolation, do filme Dark Star, de John Carpenter, e de Spacejunk3D, LLC. Os direitos das imagens deste artigo pertencem a seus respectivos proprietários.

Comentários (2)

  1. Um ponto me deixou curioso, porque existe gravidade artificial no Sabre, né? Não seria possível usar um gerador desses pra compensar os efeitos de microgravidade no corpo? Como uma evolução dos exercícios de astronautas reais? Ou a situação deles costuma ser mais precária que isso?

    1. É até possível. Gravidade Artificial é algo normal e eles até conseguiram contornar questões de massa planetária na hora de colonizar planetas. Mas eles precisam ter acesso a recursos tecnológicos e nem sempre isso é possível quando se vive de forma tão à parte. A gravidade pode ser usada em menor grau para poupar geradores, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *