Touhou RPG - Mega City

Avatar do usuário
Keitarô
Mensagens: 1328
Registrado em: 09 Dez 2013, 19:58
Localização: Mahoyiga

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Keitarô » 08 Fev 2015, 23:35

Sumire

As ações de Miyako eram realmente diferenciadas. Eu não estava, ainda, adaptada à possibilidade de pessoas próximas desta forma. Normalmente a experiência mostra que as relações são sempre motivadas por vontades próprias aliadas ao ego e orgulho. Claro, Miyako tinha um grande desejo, um desejo que a fizera resistir contra todas as chances até mesmo ao destino — viajando no tempo e duplicando-se, inclusive. Uma dor de cabeça física. Mas este objetivo prezava pelo bem dos outros, e não dela, que quase com certeza deixaria de ser muito em breve, já que era uma espécie de erro na programação do Universo. Tais anotações mentais me traziam uma boa noção do que significava felicidade.

Observei Michio por algum tempo. Podia sentir seus pensamentos e, com um pouco de concentração, ver o que via, sentir o que sentia. Já entendera quem era Iku, e como ela havia cessado de existir. Sendo o último suspiro da Iku verdadeira, tal fato talvez significasse que ela realmente jamais existiria novamente. Ou talvez pudesse ser salva antes de morrer, no futuro fatídico ao qual todos estavam tentando mudar. Para isso, a ferramenta mais importante era o tempo, a eficiência, e a mente vazia. Precisávamos nos tornar robôs, atuar rapidamente e sem questionar na direção do objetivo e aumentar o poderio bélico.

— Eu não tenho capacidades combativas. Ao que tudo indica, isso rumará para a violência. O que você pode fazer, Miyako? Heylel também não é muito poderosa neste aspecto, suponho.

A anja riu um pouco a contragosto.

— Questão de vontade, deveras eu salientar.

Michio era uma detetive espiritual aposentado à força (pela morte), mas eu sabia do que ele era capaz.

— Precisamos, então, juntar o máximo de elementais que pudermos. Juntos teremos força para a mudança. Vamos à mais próxima primeiro, mas com uma ressalva: a mais próxima que não pareça estar em perigo, ou em situação problemática. Que possamos nos aproximar e resolver este primeiro passo sem dificuldades.

Mas por que, mesmo, eu queria a mudança? A visão turvava ao pensar a respeito… mas eu deixaria tal flashback para outra hora.

Avatar do usuário
Shino
Mensagens: 315
Registrado em: 12 Jan 2014, 13:54
Localização: Atualmente em Elios!!!
Contato:

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Shino » 01 Mai 2015, 23:34

Para Keiko, Lucian e Kenji



Com um leve balançar da cabeça e um sorriso gentil a fada sombria comemorava as palavras de agradecimento de seu amado. As maçãs do rosto ganham um tom cada vez mais vivo e brilhante a cada movimento carinhoso das mãos do arqueiro que dedilhavam os longos cabelos negros.

Aika caminhava feliz ao lado de Kenji, sem ao menos desgrudar do seu braço direito, até mesmo quando foram convidados a se sentar ela assim permaneceu, já a esquerda do garoto sentou-se Houki.


— Sim, estamos todos bem!


O único homem do segundo grupo respondia com um largo sorriso no rosto a exclamação da jovem Oni enquanto todos se sentavam. Ninguém havia tombado em combate, mas não houvera ninguém que não havia recebido um ou outro “presente”.

A mais nova da família Shinonono estava ferida, mas nada que fosse realmente preocupante, aparentemente recebeu um dou dois belos socos no rosto, alguns cortes leves se apresentavam em seu corpo, como em todos os demais, incitando que a luta do lado de fora da sala foi tão calorosa quanto à de dentro. Assim já com todos reunidos e sentados a conversa continuou.


— Admiro o vosso altruísmo, poucos nos tempos atuais se disporiam a lutar lutas que não são suas. E agradeço o elogio, sim, sou muito forte. *KKKKKK* Mas vejo que os jovem também são muito fortes, essa baixinha tem bons chutes.


O grande tengu ergueu um pouco a mão direita que mantinha sobre a própria perna correspondente, mas logo a colocou novamente onde estava, pareceu hesitar sobre o afago, talvez pela distância, ou por não saber como a garota iria corresponder, manteve os olhos sobre ela, mas pela primeira vez sua “face” demonstrou tristeza, até mesmo uma pequena lágrima se fez presente.


— De nossa família foram três pessoas, duas delas são boas amigas, conhecidas minhas de séculos atrás, já a terceira é meu pequeno tesouro.


— Eu a criei desde pequenina. Minha finada esposa não podia ter filhos e após sua morte eu fiquei deprimido... Mas tudo mudou desde que eu a encontrei.


O velho tengu tira de dentro do que sobrava das roupas... um álbum de fotos de mais de 500 paginas.


— Olha que lindinha!


Havia centenas de fotos, fotos de bebê, com roupas de estudante, de yukata, entre outras roupas variadas, e todas da mesma garota, uma bela e jovem... Kitsune?


— Minha filhota é a coisa mais meiga do pai...


E novamente as lágrimas, desta vez não uma solitária, varias, se via que o homem sentia cada vez mais tristeza, ainda que tentasse esconder com um falso riso.

Alguns minutos se passaram ao som do choro do velho, até o mesmo retomar a postura original.


— Perdoe-me... Como perguntaram antes, as garotas sumiram há alguns meses, elas estavam investigando exatamente os seqüestros e por fim também foram seqüestradas. A ultima reunião que tivemos elas falaram que tinham encontrado algumas pistas nas velhas docas da cidade, no Distrito de Todos os Santos. Mas periodicamente nossos irmãos fazem varreduras na área e não encontramos nada. Já a Tsubaki desapareceu a uma semana, quando voltava das aulas de balé... Eu fui ao local, e vistoriei ao redor, mas nem sequer uma única pista... É como se o maldito sumisse nas próprias sombras.


Ele voltou a encarar a pequena Oni por mais alguns instantes, talvez em seu semblante ela o lembrasse da filha desaparecida, assim ele se pôs a falar novamente.


— A duvida que tens pequenina é simples de responder... Ichiro é o filho mais velho de Ishida, um dos poucos que sobreviveu quando o clã Inoue finalmente parou meu velho amigo. O moleque que esta por trás do seqüestro da garota. Tenho uma divida com o pai dele, que por sinal, morreu naquela batalha antiga. Assim o aceitei entre nós... mas desde que o clã Inoue chegou na cidade ele não pensa em mais nada... até decidi o ajudar, vejo que foi uma péssima idéia.


E agarra novamente a corda que serve de “asa” para a garrafa de sakê e entorna outro bom gole.


— Entendo, entendo... Bem... não posso dizer que acredito em suas, mas lhes darei o beneficio da duvida... ou melhor, que tal um trato. Vejo que estamos no mesmo barco, tanto pessoas do seu lado, como do nosso lado estão desaparecidas. Podemos nos ajudar a encontrá-las... Isso é claro, se puderem também me dar o beneficio da duvida.


Desta vez em vez de dar outra golada o homem estende a grande garrafa de sakê em direção a vocês.


— Que tal? Prefiro trabalhar com vocês a com aquele moleque... O traste só me deu dor de cabeça desde quando chegou aqui... Paciência também tem limite!


O velho massageia as têmporas com a mão livre enquanto aguardava as vossas respostas.



Para Fredrika



Você voou... mas não com intenção de fugir, e sim com a determinação de lutar. Tomada por uma esquisita euforia, ou puro desejo para corresponder as lágrimas da chorosa criatura, saltou, tão alto que por reflexo do inimigo a enxergou frente à lua. A descida era eminente, a física provava que qualquer objeto atirado ao alto, logo que se alcança o ápice da trajetória, retoma o movimento, mas desta vez no sentido contrario ao original.

Assim a garota desceu sobre seu inimigo, auxiliada pela poderosa força gravitacional e empunhando a própria determinação, que durante o ataque tornou-se uma antiga arma de combate muito utilizada nas guerras feudais, a alabarda japonesa, Naginata.


[22:29] Taulukko: GM entrou na sala...
[22:29] GM: FAs de ataques de Fredrika
[22:29] GM: Rolou 1D6=6
[22:30] GM: Rolou 1D6=3
[22:30] GM: Rolou 1D6=6
[22:30] GM: FD de defesa total de ???
[22:31] GM: Rolou 1D6=4


A garota de vestes exageradas é arremessada ao céu, devido ao tombar do pesadelo ambulante. O ataque feroz da jovem humana fora preciso, ou ao menos forte o suficiente para desequilibrar seu adversário. Não foi muito difícil evitar novos ferimentos há pequena garota, que facilmente foi pega por você nos braços quando arremessada. Estranhamente passou por sua cabeça que aquelas roupas a forneciam poder o suficiente para resistir a tudo que havia sofrido, do mesmo jeito que aquela bendita mascara de ossos, que tanto a perseguia sempre que usava da própria determinação como arma, e como todas as vezes ela já se fazia presente, sobre seus cabelos, como um adereço, um enfeite incomodo, que não só estragava sua aparência, como também mudava o branco dos seus olhos por um negro tão assustador quanto a própria noite.


— Rápido, vamos fugir!


A coisa felpuda, colorida, e bizarra estava mais calma, agora que a sua amiga, a garota do apelido, ou titulo mais louco que havia ouvido nos últimos dias estava em seus braços. E a idéia de sumir daquele lugar não a pareceu errada, pois o monstro não havia sido derrotado, se houvesse ele não estaria se levantando.



Para Sumire e Syl'ry



—Syl'ry-chan, Miyako e eu não somos irmãs de verdade... (Tewi)


— Que maldade Tewi-chan... Podemos não ter o mesmo sangue nas veias, mas somos irmãs pelo destino! (Miyako)


Destino, palavra estranha que persegue a humanidade, alguns o teme, outros apenas se deixam ser guiados por ele, ou pelo destino escrito pelos deuses. Mas a também o que o domam, determinando cada dia de sua vida (ou morte) com as próprias mãos.

E Tewi e Miyako eram duas dessas pessoas, não somente elas, haviam muito mais das mesmas, pessoas que não aceitaram o caminho tomado pelo "destino" e que assim o desafiaram. Retornando no tempo-espaço, ainda que ao custo da vida de uma amiga, elas estavam ali, enfrentando um futuro que poderia estar escrito em pedra.


— Particularmente eu detesto essa palavra Miyako-chan! Destino... Algo tão grotesco nunca deve existir! (Tewi)


— É verdade! Deixe-me corrigir então, somos irmãs! Irmãs de guerra! Lutando juntas pelo nosso futuro! (Miyako)


— Sim, uma irmandade unida pelo nosso futuro! (Tewi)


...


— Sim Syl'ry-chan, estamos à procura de nossas irmãs, ahh... perdoe-me pela minha falta de modos, deixe que me apresente apropriadamente... sou Miyako Yoshika, estes são Sumire-chan, Heylel-chan e Michio-kun! (Miyako)


O caloroso afago da mulher se desfaz pouco antes da mesma se apresentar e a seus companheiros, ainda sim a mulher mantêm seus olhos vidrados em ambas, ela era realmente um pessoa diferente, ainda que fosse pouco o tempo que teve de contato com os humanos, nenhuma pessoa era tão espontânea, alegre, ou transborda-se tanta felicidade quanto aquela.


— Não se preocupe Sumire-chan! Eu as protegerei! (Miyako)


Palavras... mas ainda sim verdadeiras. Miyako não as dizia da boca para fora, era verdade que no tempo delas nem mesmo as mais poderosas entidades de Gensokyo conseguiram se opor ao inimigo que quase levou os youkais a extinção, ainda sim ela conseguia dizer aquelas palavras sem hesitação nenhuma!


—Correto Sumire-chan! (Miyako)


E então o novo alvo dos afagos de Miyako foi encontrado, agora era Sumire que recebia um caloroso abraço.


— Logo que juntarmos todos tenho certeza que as portas para um novo caminho vão se abrir, e se tivermos mesmo que enfrentar os inimigos, vamos juntar nossas forças com as nossas irmãs deste tempo, desta vez não seremos pegas de surpresa, e essa vantagem vai nos dar a vitoria!


...


— Ok então, vou levá-los a mais próxima, desde que chegamos a cidade consigo sentir perfeitamente a localização de cada uma delas, mas não consigo distinguir quem é quem... Mas estranho... Durante a viagem eu percebi que éramos dez, mas agora só consigo sentir a presença de nove, contando comigo e com a Tewi-chan... Será que uma delas saiu da cidade? Bem, como ressaltou, vamos visitar a mais próxima que não esteja emanando tanta energia, mas devo dizer, há duas delas que estão emitindo muita energia, e uma esta tão longe quanto à primeira (que não esta lutando).



Para Inoue e Musashi



Uma mancha negra no assoalho do hotel, era tudo que havia sobrado da meio-celestial, a combinação mágica das irmãs do clã Inoue reduzia a nada a parceira do Tengu, que em um único instante foi obliterada.


— Diana...


A boca que a pouco se pronunciara se calou por um instante, ou estava a resmungar algo tão baixo que mesmos seus ouvidos apurados não puderam notar, assim se sucedeu alguns segundos, até ela se pronunciar novamente.


— Realmente, estava enganado, pensei que um ou outro da família se salva-se, mas vejo que todos são pragas, não tenho por que mais me conter, vou apagar vocês todos da historia!


Então Ishida, ou melhor, Ichiro caminhava em vossa direção, reduzindo um pouco a distância entre vocês e ele, a mão esquerda então ergue a famigerada mascara negra acima dos cabelos, permitindo que todos pudessem ver-lhe a face. Realmente não era Ishida, mas podia-se notar muito facilmente a semelhança para com o outro Tengu.


— Vou vê-los morrer... pelas próprias mãos!


Eis então que ele retira (literalmente) a carta da manga, um carta mágica, uma Spell Card, algo que há poucos dias Inoue conheceu e dominou.


—Chorem, gritem e sofram, sofram, SOFRAAAAAMMMMMM.


— KILLER SIGN “Dance of Marionette Murderer”


Ao fim das malditas palavras a carta desapareceu, fragmentada em meio às sombras, as costas do tengu surgem centenas, não, centenas de milhares de círculos de energia, todos de uma tonalidade entre o roxo e o negro. Não eram meros círculos, eram portais, pequenos portais negros de onde linhas sombrias voavam, vivas como cobras e velozes como relâmpagos.

Desviar era impossível, mesmo que tivessem todo o céu livre e por ele pudessem voar não conseguiriam, pois eram rápidas, mais rápidas que sua compreensão pudesse lhe permitir enxergar uma rota de fuga, assim todos foram capturados.


— O que é isso? Não consigo me mexer! (Miyoshi)


— Des#@S@$#! O que fez conosco? (Naomi)


— Musashi 2, relatório? (Musashi 3)


— Eu não consigo me mexer... Ei!!! Desde quando você me dá ordens? (Musashi 2)


— MHUUHHAUHAUHAUHAUHAUAHUA!!!!!


A risada histérica consegue calar a todos! Tirando toda a atenção de vocês e levando ao feiticeiro!


— Perfeito, sim, perfeito, estão todos perfeitamente conscientes, mas cada um dos seus movimentos estão sobre o meu comando!


— O que disse! Maldito desg... (Naomi)


Um soco cala sua irmã mais velha, um soco, desferido por ela mesma!


— Eu disse não... vão todos morrer... pelas próprias mãos!!!


Assim cada um de vocês... com as próprias mãos... começam a se estrangular!


— Aaarrrgghhh!!! Eu... eu não... consigo me parar!!! (Naomi)


— Que... merda... maldito Jutsu... deve ser algum tipo... de Sharingan... não consigo me deter. (Musashis)


— Niii... socorro... Niii...! (Hina)


— Viu Hina-chan, viu Miyoshi-chan... vocês que tanto acreditam no seu irmão... quere ver ele salvar vocês dessa. Ou melhor, vou adorar ver ele impotente, vendo suas queridas irmãs, se matarem bem na frente dele. Não é... Takashiiii!


Apenas havia um erro nos planos de Ichiro... você... não havia sido afetado pela Spell Card dele!
♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ CAMPANHA TOUHOU RPG ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ CAMPANHA CAVALEIROS DO ZODÍACO ALPHA ♦ ♦
Imagem Imagem
♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ PERSONAGEM: TENRU DE LINCE ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦

Avatar do usuário
Keitarô
Mensagens: 1328
Registrado em: 09 Dez 2013, 19:58
Localização: Mahoyiga

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Keitarô » 02 Mai 2015, 15:53

Sumire

— Prazer, a vocês duas. O meu nome é Sumire Shigaisen.

Calada, escutei a tudo que fora conversado e observei tudo atentamente. Tewi tinha orelhas engraçadas, semelhantes a um coelho, e a tal Syl’ry possuía uma poderosa energia interna difícil de compreender. Eu trataria de avaliá-la posteriormente. O que importava, no momento, era o discurso caloroso que visivelmente mexia com os ânimos presentes, e que servia combustível para enfrentar aquela iminente ameaça de que todas falavam, mas que eu não conhecia. Sabia que precisava enfrentá-la, porém, e Heylel, com seu olhar, confirmava-me tal conclusão, em meu íntimo.

O abraço caloroso de Miyako arrancava-me um sorriso mecânico. O contato com o corpo dela era bom, agradável, e me fazia imaginar estar em uma cama aconchegante, num dia frio, abraçando um cobertor grosso e caloroso. Era uma sensação agradável, e me fazia querer ter mais daquilo.

— Muito bem, então. Vamos partir o mais rápido possível e, depois desta primeira, vamos ver o que ela tem para nos dizer. Pode ser que o caminho nos mostre que é razoável, importante e necessário irmos em direção à esta que emite muita energia mesmo sem parecer estar em perigo… e então vamos até ela.

Vi que Heylel levou a mão ao queixo, pensativa. Parecia verificar memórias antigas. Questionei, então.

— Algum problema, Heylel?

— Apenas vivenciando lembranças longínquas, de outros tempos, tempos vilipendiados. Alguém me vem à mente, e questiono-me se ainda verei aquela mulher. Talvez seja importante para ti.

Levantei as sobrancelhas, desconfiada. Sabia que, por mais que entendesse racionalmente tudo o que acontecia ali, a vida guardava estas surpresas capazes de nos fazer entender nosso real lugar: na verdade não controlamos nada, nem mesmo nós mesmos, e apenas lutamos contra a maré.

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1917
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Galahad » 02 Mai 2015, 21:57

Kenji

Aos poucos Kenji sentia a adrenalina da batalha diminuindo, conforme a conversa progredia e Aika ficava do seu lado direito, com Houki se sentando a sua esquerda, que falava que o grupo dela estava bem, mesmo com alguns machucados, algo que deixava o arqueiro contente.

O tengu também elogia o grupo sobre eles terem entrado numa luta que não era deles.

— Quando a família de amigos corre perigo, a luta se torna nossa também.

Kenji escutava atento as palavras de Tatsumaru, que contava sobre as pessoas que foram levadas da família dele, sendo uma delas a filha dele, uma jovem kitsune, alguém que claramente o Tengu amava, algo que se percebia não só pelas várias fotos, mas pela expressão e palavras dele. Ver aquele poderoso youkai com uma expressão triste era algo inesperado, embora bem compreensivo, algo que fazia o arqueiro querer ainda mais achar os culpados pelos sumiços.

"Seja lá quem for esse maldito, ele vai pagar por tudo isso que está fazendo, não importa o motivo..."

Logo depois o Tengu falava sobre a identidade de Ishida, que na verdade era o filho do inimigo que o Clã Inoue matara anos atrás. Que Tatsumaru tinha aceitado Ichiro no clã dele por causa de uma dívida com o pai dele, mas o Tengu vira que fora uma má ideia ajudar o Ichiro com o Clã Inoue.

— Eu acho que é uma boa ideia nos aliamos, Tatsumaru-san, mesmo que por um tempo limitado. Se unimos nossas forças poderemos achar o maldito que está sequestrando essas garotas.

Avatar do usuário
Nulo
Mensagens: 474
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:17

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Nulo » 03 Mai 2015, 22:28

Keiko

— Ótimo. — A oni assentia com a cabeça em um sinal de positivo quando seus companheiros de equipe se sentavam, voltando a atenção ao tengu que ali estava. Aceitava o elogio do "inimigo" com um sorriso quase imperceptível, focando o olhar em seus movimentos. Ele parecia olhar bastante para a oni de cabelo prateado, o que a deixava um pouco apreensiva. — Mmm?

Keiko piscava os olhos algumas vezes quando via uma lágrima escorrer pelo rosto do tengu, sem saber o que dizer. Será que sua aparência evocou alguma memória dolorosa nele?

— Sim, bem lindinha... — A garota olhava para o álbum que o tengu mostrava, depois para ele e por fim para o álbum novamente. — Entendo.

Keiko fechava os olhos enquanto aguardava o tengu se acalmar, respeitando o seu momento. Tirando os olhos, sua aparência e cabelo prateado realmente lembravam o da kitsune na foto, talvez sendo isso o motivo do vagido do tengu.

"Uma filha adotiva..."

A oni abria os olhos novamente quando o tengu voltava a falar, tomando notas mentais dos desaparecimentos. Quando o tengu mencionava a verdade sobre o "Ishida", Keiko levava uma mão ao queixo e deixava uma interjeição de entendimento escapar.

"Ele quer vingança, então. Está explicado."

— Agora entendo. — virava o rosto na direção de Kenji. — Vamos esperar que o clã Inoue e o Ishiro tenham resolvido seus problemas.
.
Estava realmente errada então mais cedo quando contemplou lutar junto com a família dele. Ele estava certo, problema da família dele com uma outra e que se resolvam. Também tem um problema com sua família e gostaria de resolver este sozinha, então decidia respeitá-lo.

— Eu concordo contigo, Kenji, uma aliança agora seria o caminho mais viável. — esperava a confirmação dos outros presentes e então lançava o olhar para os lados, usando-se de sua magia para puxar dois choko (pratos usados para servir sakê) de um canto da sala. Entregava um para Kenji e depois esticava o seu na direção do tengu quando este oferecia o sakê que bebia, quando então... — H-huh?

A mão tremia violentamente e o choko que segurava encontrava o chão, estilhaçando-se. Sentia um arrepio na espinha, suor frio brotando em seu rosto e uma leve dor de cabeça. Fechava um dos olhos, checando a mão aberta tremelicando por alguns instantes.

— P-perdoe-me. — abria e fechava o punho algumas vezes, esticando-o e pegando a garrafa de sakê com força e entornando alguns goles. Entregava a garrafa para Kenji, sentindo o corpo queimar, mas não era devido a bebida; era um desejo maior, desejo por sangue. — Hah...hah...

Levava uma mão ao peito, o rosto inclinado para baixo e ofegante. Não sabia se era devido a Witchblade, devido ao "corpo novo" ou os dois fatores juntos mas sentia uma vontade grande e anormal de abater alguém. Esperava alguns segundos para acalmar-se e então virava-se para o tengu.

— B-bem...poderia dizer o trajeto que sua f-filha usava para quando ia e voltava da aula de balé? Tenho interesse em checá-lo. — virava o olhar para Kenji, a pupila em seus olhos ainda em formato de fenda simulando tensão. — Você é um bom caçador, acho que pode encontrar alguma pista que os tengus não viram quando investigaram as docas no Distrito de Todos os Santos...

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1917
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Galahad » 04 Mai 2015, 00:11

Kenji

O arqueiro, enquanto esperava mais palavras do Tengu, escutava as palavras de Keiko, que primeiramente falava sobre os dois clãs resolverem seus problemas, o que Kenji concordava, já que resolver mesmo seria algo bom para os dois lados, poderia ser até mesmo uma poderosa aliança.

— E que essa resolução venha sem mais sangue, pelo menos eu espero.

Quando Keiko usava sua magia para trazer dois choko, o arqueiro aceitava, e sorri quando ela concordava com ele sobre aceitar a oferta de Tatsumaru para caçarem os culpados pelos sequestros.

— Obrigado, Keiko. Talvez possamos fazer isso com os outros mais tarde..

Kenji então via Keiko reagir de uma forma..incomum..ficando até mesmo preocupado com ela, sem saber o que poderia ter acontecido, mas só pegava a garrafa, pegando a deixando na sua frente, e ficava ainda mais preocupado quando via os olhos dela.

— Eu posso tentar, Keiko, e acho que é uma boa ideia. Só peço que tome cuidado, você não parece muito bem. Talvez esse seu poder lhe deixou mais exausta?

Avatar do usuário
Inoue91
Mensagens: 620
Registrado em: 08 Jan 2014, 02:38

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Inoue91 » 04 Mai 2015, 23:40

Inoue

Um sádico sorriso, era tudo o que aparecia no rosto de Inoue, ao ver que Diana havia sucumbido ao ataque combinado de suas irmãs, ainda rindo ele encarava o tengu, e se divertia ainda mais ao ver a reação dele.

— Hahahaha, era este o seu plano ? Acho que ele foi por agua abaixo, Hahahaha — Olhava com o canto dos olhos para a macha negra formada no assoalho — Qual era o nome dela mesmo ? Diana ? Ela era uma bela meio-celestial mas enfim.... Foi uma pena ela ter tido um fim como aquele — voltava a encarar Ichiro — Diferente dela, a sua morte será lenta e dolorosa.

Fez menção de avançar e atacar, mas ao perceber que Ichiro avançava, Inoue resolveu manter a sua postura defensiva, levantou sua Katana mantendo-a na diagonal enquanto recuava alguns passos, qualquer movimento em falso poderia significar o fim tanto para o lupino como para o tengu, mas a expressão de Inoue mudava ao ver que o tengu retirava uma spellcard de sua manga, ele tinha o conhecimento destas cartas e sabia quão poderosas elas podiam ser.

Antes que pudesse falar alguma coisa o tengu ativava a spellcard, e uma terrível magia era executada , todos os seus irmãos eram atingidos, e no mesmo instante perderam o controle do seu corpo, ele conseguia ver o desespero no rosto de todos, o maldito tengu havia virado o jogo e agora ele tinha o total controle dos movimentos dos irmãos de Inoue, e com um único comando, fez com que todos começassem a se estrangular, o desespero no rosto de sua familia era agoniante de se ver, ele tinha tempo de salvar apenas um de seus irmãos mas felizmente Takashi percebeu que conseguia se mexer, assim se eliminasse a fonte da magia seria capaz de salvar todos os seus irmãos. Deste modo resolveu aproveitar deste artifício para enganar o tengu.

— Hora seu maldito...— Forçava seus músculos, como se estivesse tentando se mexer. — Myoshi ! Naomi ! Hina ! Musashi ! Aguentem ! Aguente que eu irei salvar vocês !

"Umeko-chan, pelo que parece eu não fui afetado pela magia, temos que usar isso a nosso favor....Eu tenho um plano, ele irá doer um pouco mas eu acho que irá funcionar.....Me empreste um pouco mais de sua força, vamos juntos acabar com ele de uma vez por todas e vingar a morte de Michio-san."

Takashi aproveitava que o Inimigo havia baixado a sua guarda, firmava a sua pegada em sua Katana, mudava novamente o seu olhar, agora para um mais sério, ele tinha apenas esta chance, e tinha que aproveita-la o máximo possível, e em um lampejo iniciava uma série de ataques contra Ichiro.Iniciava com uma sequencia de golpes com a sua katana, ao acabar, abria um corte em sua barriga, e com o sangue que escorria, moldava quatro laminas, e com elas continuava a atacar incessantemente.


Gasto 1 Pd para Pegar ataque múltiplo e membros elásticos, 1 PD para ganhar f+5 , 1 PD para pegar o poder supervelocidade de velocista e mais 1 PD para pegar energia vital.
Inoue PV: 24 PM: 1 ( Vai seguir a mesma tática defenda-se atacando com FD 65+d6 ou 121 em caso de critico , Heroismo para tomar todos os golpes que forem dados e o contra golpe que fica com uma FA de F10+H15 + d6 totalizando 25+d6 ou 41 em caso de crítico, em meu turno eu faço o meu ataque que é uma ação, se tornar uma ação muito simples por 4 vezes ( 40 pm), e por fim em minha ação eu realizo mais um ataque. Em cada ataque eu irei usar ataque múltiplo assim atacando 13 vezes em cada totalizando 65 ataques, destes 65, 11 serão pagos com Pms e os outros 54 com pvs, totalizando 108 Pvs. Assim eu irei ficar com 1 Pm e 24 PVs. Os 65 ataques terão FA F10+13+d6 totalizando 23+d6 ou 39 em caso de crítico).

Avatar do usuário
Shino
Mensagens: 315
Registrado em: 12 Jan 2014, 13:54
Localização: Atualmente em Elios!!!
Contato:

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Shino » 08 Mai 2015, 23:35

Para Kenji, Keiko e Lucian



— Obrigada, Kenji-san!

Uma simples interjeição, seguida de um sorriso sincero, suas palavras eram como um bálsamo que aliviava a dor da estudante, saber que tinha novos amigos, e que os mesmos estavam dispostos ajudar não só a ela, mas a todos que estavam sofrendo com o desaparecimento de um ente querido era algo que fazia Houki derramar algumas lágrimas, mas estas de alegria.


...


O grande youkai fez menção a se levantar, mas novamente se conteve, ainda mantinha seus olhos sobre Keiko, mas não chegou a exibir outra emoção, mantendo o semblante sereno.


— SETSUNA... Poderia me trazer alguns prints!


Pouco demora e uma estonteante mulher entra na sala, o rosto escondido pela mascará lhe concedia um ar misterioso que completava a figura curvilínea de seu corpo, uma beleza exótica e mortal, tal qual a Wakizashi que carregava.


— Tatsumaru-sama, aqui o que me pediu!


Os olhos da parte dos seus aliados se mantinham fixos na mulher, se podia notar a animosidade por parte das mulheres, principalmente das do colégio IS, Ichika de sua parte também mantinha os olhos dela, mas sua expressão era bem diferente das demais, era algo como constrangimento.

O velho tengu entendeu facilmente o ocorrido, deixando escapar uma pequena risada de seu grande bico.


— Obrigado Setsuna, pode ir!


— Como desejar, Tatsumaru-sama!


— Estes são os lugares, recomendo que vão o quanto antes, mesmo que já tenha passado muito tempo, talvez tenham melhor sorte que nós.


Ele entrega um print com o mapa da cidade e anotações com o possível horário do sumiço das suas colegas a Kenji, como também fotos das desaparecidas.


— Estás são Alexia eJanete, as que estavam pesquisando nas antigas docas da cidade, no Distrito de “Todos os Santos”


O grande tengu olhou novamente em direção a Keiko, mas desta vez não permaneceu por muito tempo. Ele levantou-se, mexeu em algumas gavetas de um dos armários da sala, e trouxe algumas roupas.


— Eu cheguei a assistir a apresentação das escolas e seu poder Keiko me lembra muito do das garotas do colégio Furumizu... como elas permaneceram transformadas mesmo depois da apresentação, acho que talvez precise disso... Mas não posso garantir que lhe sirvam direito, vocês até compartilham da mesma altura, mas a minha menina é bem mais “infantil”!


Ele lhe entrega uma muda de roupas, como também um print semelhante ao que entregou ao Kenji.


— É neste local que fica a escola de Balé, a professora e dona do lugar chama-se Margareth, e é por esta rota que Tsubaki seguia. Talvez seja exagero, mas recomendo que investiguem o mais rápido possível.



Para Sumire e Syl’ry



Com um simples movimento as garotas acenam em retribuição aos cumprimentos de Sumire, ainda que não se conhecessem, a jovem de cabelos ruivos arroxeados parecia ser confiável e disposta a ajudar.


— Ok então! Seguiremos logo em direção a nossa querida irmã... Qual delas poderei rever agora?


Não levou nem mesmo cinco minutos, após uma ligação da parte de Miyako uma nova limusine prateada apareceu, praticamente uma cópia da anterior, pois internamente não mudava em nada.

Com um pouco de relutância as recém chegadas adentraram ao automóvel, Syl’ry era quem mais parecia nervosa, olhando freqüentemente para o lado de fora, sem desgrudar um momento que fosse da sua companheira. Ela que no inicio provava do mesmo descontentamento agora estava mais relaxada, parecia gostar de ser abraçada pela companheira, tanto que às vezes parecia ser uma bonequinha nos braços da outra garota, ainda que sua estatura não ajuda-se.

Assim aquela curta hora se passou rapidamente, e sobre os comandos de Miyako vocês finalmente chegaram a um bairro residencial modesto de Marianne.

As casas eram todas iguais, provavelmente fruto de algum projeto social de boas moradias por baixo custo, todas possuíam a mesma estrutura, se alguma mudava era uma ou outra diferença, outra cor, uma janela ou porta diferente, até uma planta no jardim seria algo para servir como referência.


— Pronto, chegamos!


Com o anuncio de Miyako, todos os presentes encararam a janela direita, enxergando outra destas muitas casas.


— Não tenho duvida, é esta casa aqui!


Logo que saíram do carro puderam notar que eram seguidos pelos olhos de muitos daquele local, vizinhos comuns, e provavelmente invejosos, que não agüentavam verem uma limusine parar na casa alheia sem cochichar.


— Nossa, eu nem consigo me conter, quem será, quem será?


Miyako sai em frente ao grupo e pressiona a campainha do imóvel, que logo é atendido por um casal de crianças!


— Bom dia... o que deseja?


— Irmão, quem são essas pessoas???


— Calma Lena, devem ser apenas outros vendedores porta a porta.


— Bom dia meus lindinhos, eu me chamo Yoshika Miyako, eu poderia conversar com seu responsável???


— As crianças encaram a mulher por um tempo, e depois encaram as pessoas atrás dela, até que uma voz vinda do interior do recinto chama a atenção de todos, e uma jovem mulher os vem recepcionar.


— Lena, Francis... Quem esta aí??? Olá, bom dia! O que desejam?


— Tatara, Tarara Kogasa? Sou eu, Miyako, não se lembra de mim?


— Tatara... esse era meu nome de solteira, hoje me chamo Kogasa Vignole!


— Nome de solteira... espera um pouco... então... esses são seus filhos???


As crianças vão em direção a mulher e meio que se escondem atrás da mesma, usando a suas roupas como um tipo de cobertura.


— Sim... esses são meus filhos... Francis Vignole e Lena Vignole... mas me diga... quem seria a senhora mesma???


— Como assim, sou eu, a Miyako, olha a Tewi está aqui também!


— Perdoe-me, acho que você me conhece... mas eu não me lembro de nada, não me lembro da minha vida desde 10 anos atrás!



Para Inoue



“— Sim Inoue-san, pode contar comigo, usarei todo o poder que tiver para lhe auxiliar, vamos derrotar este maldito de uma vez por todas!”

Assim, em um único lampejo, Inoue desfere uma vertiginosa seqüência de golpes, com o intuito de eliminar de vez a existência do seu desafeto... mas algo estava errado!


[11:53] Taulukko: GM entrou na sala...
[11:53] GM: FAs de ataques de Inoue (cada rolagem conta com ataque múltiplo)
[11:53] GM: Rolou 1D6=6
[11:54] GM: Rolou 1D6=6
[11:54] GM: Rolou 1D6=6
[11:54] GM: Rolou 1D6=6
[11:54] GM: Rolou 1D6=6


...


[11:55] GM: FD de defesa total de Ichiro :twisted:
[11:55] GM: Rolou 1D6=6


Nada...

Nem mesmo um mísero arranhão, as mais apuradas técnicas de espada não serviram para nada!


—HAHAHAHAHHAHAHAHAHHAH! Achou mesmo que eu não sabia que estava livre... se foi eu mesmo que não o tive como alvo!


Ainda que se pudesse ouvir os gemidos e choros de medo e dor de seus irmãos, a sala pareceu entrar em um silêncio mórbido.


—Esse era meu trunfo, minha estratégia final... este é o Xeque-Mate!


Aquele sorriso sínico se fazia brilhante novamente, encarando-o, ridicularizando-o. A família Inoue era um dos clãs mais eficientes, devido ao seu trabalho em equipe coordenado e perfeito, mas a sua força era também sua maior fraqueza, pois sozinho não tinha mais força para derrotar o inimigo.


— Agora sofra! Amaldiçoei a se mesmo por sua fraqueza, amaldiçoei o caminho que escolheu, você é fraco Takashi Inoue, fraco! Acha mesmo que pode protegê-los? Não, você NÃO PODE, VOCÊ NÃO PODE PROTEGER NINGUÉM!


Imponente Inoue vai de joelhos ao chão, não só pelas palavras e zombarias do seu adversário... mas por ouvir o barulho das fibras musculares aos poucos se romper, ao ver o escorrer do sangue entre os dedos das mãos de seus irmãos e irmãs!


—EU VENCI, MHUAHUAHUAHUAHAUHAUAHUAHUA!!!


...


De joelhos o lobo desesperado assistia seus irmãos sufocando, morrendo... pelas próprias mãos. Não demorou muito para as palavras de Ichiro sobrepujar o ultimo resquício de consciência do homem.


“... você é fraco Takashi Inoue, fraco! Acha mesmo que pode protegê-los? Não, você NÃO PODE, VOCÊ NÃO PODE PROTEGER NINGUÉM!”


Cada vez mais as palavras ecoaram pela mente dele, que não só o torturava com sons, mas agora ruíam com imagens, imagens de sua mulher e de sua filha!


— Pa... pai... por que??? Por que??? Eu te... amava tanto... por que me deixou... morrer ???


A armadura chorava, na verdade, um reflexo de quem realmente derramava as lagrimas, que por serem tantas, escorriam para fora do elmo.


— Então é assim? Já desistiu?


A vista embaraçada pelas lagrimas agora enxergavam algo extremamente diferente, era tudo branco, não importava para onde ou para qual distância olha-se, apenas via uma imensidão branca para todos os lado, mas havia uma coisa que causava discórdia a tudo aquilo, algo que não parecia pertencer à aquele lugar. Era uma figura negra... ou melhor, um jovem vestido de negro.


— Pensei que fosse mais forte, pensei que seu ideal era igual ao meu! De proteger seus entes queridos a qualquer custo!


Aquela pessoa, não era alguém conhecido a você, e seu rosto não era possível de ser visto devido à posição que estava. Um jovem, se tivesse muito, teria uns 14 anos, magro, tanto que lembrava uma garota, e aqueles cabelos longos, negros, elegantemente amarrados por um laço azul causavam ainda mais confusão. Mas a voz era perfeitamente masculina, o suficiente para se notar que ele era um homem.


— Entretanto eu o digo, se seu real motivo de lutar seja para proteger... então não vacile... acredite em si mesmo... pois não há força maior neste mundo, que o desejo de proteger alguém!


(OFF: Quero um roleplay de herói em momento de superação)


As lágrimas começaram a flutuar e secaram em meio ao ar.

Inoue se levantava, mas não era mais o mesmo, algo estava mudado, a começar por sua armadura, havia em partes especificas tufos de pelo, principalmente nas áreas vazadas das juntas. Uma capa sombria se projetava sobre as ombreiras do cavaleiro, rubra como sangue, viva, assustadora, completando a imagem do novo lobo, que ganhava garras mais robustas, presas mais afiadas, e um chifre central.


— O que é essa forma? Não, não importa, não adianta ter uma armadura mais forte, você nem mesmo vai conseguir me arranhar!


Era verdade, mesmo agora você não conseguiria feri-lo, muito menos matá-lo...


“— Mudança de estilo! Modo de Assalto!”


As palavras vieram naturalmente a seus lábios, como se a armadura estivesse lhe explicando como lutar, e quando o fez, se viu desprotegido... a armadura que usava desapareceu, cobrindo seu corpo estava apenas uma malha negra com apenas algumas pequenas peças... pois a armadura em si montou novamente em outra forma... a de uma gigantesca espada.


— Inoue-san! Eu não sei que poder é esse, mas desta vez nós vamos conseguir!


Umeko estava certa, desta vez você sabia, aquele Tengu maldito, não iria escapar desta lâmina!


(OFF: Inoue, you got Trance Mode: Gaist Crusher!)
♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ CAMPANHA TOUHOU RPG ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ CAMPANHA CAVALEIROS DO ZODÍACO ALPHA ♦ ♦
Imagem Imagem
♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ PERSONAGEM: TENRU DE LINCE ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦ ♦

Avatar do usuário
Nulo
Mensagens: 474
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:17

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Nulo » 11 Mai 2015, 12:38

Keiko

A oni abria e fechava a mão direita algumas vezes, aproveitando a chegada da tengu de nome Setsuna para ter uma visão para distrair-se de Tatsumaru. Mantinha-se calada, até que ela saía após entregar alguns documentos para o tengu que, por sua vez, os repassava para Kenji.

— Mmm... — repassava o nome e a aparência das duas em sua mente. — O que elas estavam pesquisando?

Perguntava, curiosa com o que duas garotas estariam pesquisando nas antigas docas em desuso, mas se ele não quisesse responder, tudo bem. Cada um com seus segredos. Acompanhava o tengu com o olhar quando este se levantava e aproximava-se de uma gaveta, entregando-a uma muda de roupa e um mapa.

— Hehe, entendo. — recebia os artigos em suas mãos, levantando-se em seguida. — Volto logo.

Saía então rapidamente da sala, procurando algum aposento onde pudesse trocar de roupas sozinha. Removia a transformação da Witchblade e checava seu reflexo em alguma superfície refletiva antes de vestir a roupa, que ficava um pouco apertada no busto, mas era o que tinha. Voltava então para os outros, alguns destes provavelmente a vendo pela primeira vez em sua forma original.

— Então... — olhava para todos rapidamente para então continuar. — O que penso em fazer é seguir pela rota que Tsubaki fazia até à escola de Balé. Chegando lá, posso dizer para Margareth que recebi muitos elogios dessa escola de uma amiga e que tenho interesse em uma aula inicial para ver se faço balé ou não. Caso o responsável por isso esteja perto, um número muito alto de pessoas pode deixá-lo assustado, então julgo eu que, no caso da escola de balé, tenhamos de ir em um número menor e de um modo discreto. — olhava então para as três vampiras ali perto: Shinobu, Evangeline e Letícia; todas tinham um porte similar à oni. — O que acham, membros da LVLL? Posso ir sozinha, mas suas aparências ajudariam na tarefa. Alguém mais "velha" poderia acompanhar como guardiã, talvez? Saibam, todavia, que o risco de acontecer algo perigoso conosco é extremamente algo, então entendo caso não queiram tomar o risco.

No fundo, gostaria de ir sozinha, mas sabia que uma garota apenas andando pela noite na cidade de Megacity poderia soar bastante suspeito, então se ao menos uma delas aceitasse o convite, ficaria mais "convincente". Olhava então para Kenji, curiosa com o que ele planejava.

— Se tiver uma foto da doca, posso teleporta-los para lá.

Avatar do usuário
Galahad
Mensagens: 1917
Registrado em: 09 Dez 2013, 18:33

Re: Touhou RPG - Mega City

Mensagem por Galahad » 11 Mai 2015, 22:14

Kenji

Kenji prestava atenção nas palavra de Tatsumaru esperando que ele falasse mais sobre o que teria com as companheiras do clã dele, assim poderia planejar como iniciaria a busca pelas desaparecida, e foi nesse momento que o tengu chamou uma youkai que atende pelo nome de Setsuna, que trazia documentos sobre os sequestros. Ainda que estranhasse a reação das garotas do colégio IS, não falava nada, apenas aceitava os documentos que eram lhe oferecidos depois.

— Obrigado, Tatsumaru-san.

Lia o mapa, assim como memorizava os rostos nas fotos, guardando em seguida o mapa, queria ter certeza que estaria preparado, além de conhecer, mesmo que superficialmente, o terreno para onde iriam.

O arqueiro esperava para ver se o tengu responderia o questionamento de Keiko, sobre o que as garotas estariam fazendo nas docas, mas não insistira se Tatsumaru não contasse sobre a missão das garotas lá, pois não queria começar aquela aliança com uma discussão, algo que com certeza dificultaria um trabalho em equipe.

"Espero que não seja algo que traga mais problemas...."

Escutava então Keiko expondo a ideia dela, e então escutava o arqueiro ficava claramente desconfortável, seu olhar era de preocupação, até chegava a morder um de seus dedos devido a preocupação com o que aquele plano acarretaria.

— Eu não gosto muito desse plano, Keiko. Sei que você é capaz de cuidar da maioria de nós aqui sozinha, e que o mesmo deve se aplicar às integrantes LVLL, mas eu não gosto de te ver se colocando num risco tão grande, você é uma amiga preciosa para mim. — dava uma pausa, respirando fundo e coçando a cabeça, olhando para a pequena oni. — Mas sei que você vai de qualquer forma, e só posso desejar boa sorte para você, e se precisar entrar em contato, tente telepatia com a Aika. Vou até as docas, eu tenho uma ideai que acho que pode ajudar.

Responder

Voltar para “Touhou RPG”