A Libertação de ValKaria - ATO 1

Dthanatus
Mensagens: 877
Registrado em: 02 Fev 2014, 20:37

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Dthanatus » 09 Fev 2016, 09:20

Leila ataca ferozmente, sua única intensão é eliminar a oponente o mais rápido possível, aquele jogo estava ficando perigoso.
Imagem-Vou dar um fim em você e nesta sua magia de camponês. Maldita.
A faca encontra a carne macia do ombro da mulher, ela se debatia muito errou por pouco, mas a ruiva sangrava, tornando o chão vermelho como seus cabelos, a expressão de dor e medo no rosto da oponente era o sinal que Leila esperava, aquela mulher sabia que estava derrotada Leila ergueu novamente a adaga, o próximo golpe seria letal.
Um dos quatro elemento que compõem esses mundo, brisa refrescante que dissemina a vida, tormenta furiosa que fustiga a montanha concentra teu poder em meu punho. Teu nome é vento, tem por função o escudo torna-te a arma de apaga a chama da vida.
Leila sentiu a corrente de ar rodear e subir como se vinda do ódio da mulher aquilo estourou uma pressão em seu peito como o coice de um cavalo, e a nobre pode jurar que ouvi uma costela quebrar e o vento tentou arremessa-la, mas prendeu-se com os joelhos e evitou ser arremessada.
Bahrara mergulhou velozmente, a dor em seu peito era um sinal agourento da morte, mas só o fraco teme a morte, a paladina sorria e a encarrava de espada em punho.
Imagem
Não se pode fazer omelete sem quebrar os ovos.
A lâmina da barbara desceu furiosa, aquilo ia contra seus princípios, mas era necessário, era um truque sujo e covarde, mas era preciso, era por sua deusa, então golpeou o primeiro golpe rasgou o flanco da druidesa revelando vísceras, Leila saltou rapidamente o que permitiu que a paladina ajustasse o golpe e removesse a cabea de sua oponente de forma limpa e sem dor.
Ambas Leila e Bahrbara recuaram para junto do grupo, a saúde de ambas estava debilitada um forte veneno havia penetrado em Leila, e a rosa no peito de bahrbara roubava-lhe sangue e vida, Krixus estava de pé, recostado numa arvore estava pior que elas, o corpo recoberto de ulceras enegrecidas, Emeritus entoava um encantamento complexo
Imagem
Agora é que são elas. Emeritus, algum jeito de remover esse negócio?[
O papa negro apenas observa, uma sobrancelha ergue-se, e mesmo sem uma unica palavra Bahrbara compreende a expressão de quem oferece a noticias da morte de uma parente.
Imagem
Nimb ajude.
E puxa a rosa, mas a rosa não chega a abandonar completamente a carne de Bahrbara antes que a paladina perca o consciência e a vida, o corpo a paladina murcha e a carne começa a desaparecer, a rosa desabrocha deixando apenas um esqueleto limpo trajando as roupas da paladina. Emeritus não se abala, mas Kalamar que parecia abatido, como quem tivesse posto boca a fora o almoço surge a expressão de panico e o inicio do que seria uma lamiria e uma oraão de encaminhamento pela alma, é interrompido pelas palavras frias e diretas de Emetius.
Imagem
Ajude-me a carrega-los para dentro, tive certo trabalho para realizar este feitio, seja de alguma ajuda Kalamar, deixa suas orações aos mortos, para mim, ela ainda esta viva
Um enorme arco de luz prata brilha no ar abrindo uma porta de igual luminosidade que parece não levar a lugar nenhum, Emeritus carrega o esqueleto florido de Bahrbara para dentro, todos caminham atrás dele, mesmo sem ter certeza do que era, sabiam fazer necessário alguma proteção e descano.
Bahrbara sofre 6 ponto de dano na constituição e morre.
Leila sofre mais 26 pontos de dano, para um total de 97
Todos entram na Mansão Magnifica de Vec, onde poderão se recuperar com calma e encher o bucho, menos Bahrbara que esta morta.
Editado pela última vez por Dthanatus em 10 Fev 2016, 17:45, em um total de 1 vez.

Avatar do usuário
Khrjstjano
Mensagens: 5714
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:07
Localização: Atrás de você. Não olhe.
Contato:

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Khrjstjano » 10 Fev 2016, 00:56

Algumas pessoas acreditam que quando se morre, a vida passa diante dos seus olhos. Lembranças importantes. Coisas que se queria fazer. Momentos de felicidade...

Tudo que Bahrbara sentiu foi uma fisgada forte no peito. O coração parar. O mundo escurecer...

Mas estava tranquila.
Imagem
(Essa não deu...)
Pensou. Já tinha uma flor para lhe enfeitar a sepultura. Não era tão mal assim...

Morreu em paz.

Dthanatus
Mensagens: 877
Registrado em: 02 Fev 2014, 20:37

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Dthanatus » 13 Fev 2016, 12:38

Vinte e Quatro horas.

Havia sido este o tempo que permaneceram na morada mágica que Emeritus havia conjurado, estavam descansados, alimentados, limpos e de certa forma renovados Bahrbara estava lá, em pé, novamente viva.
A primeira visão que tiveram ao atravessar o umbral de luz tremeluzente foi duas massar negras se revolvendo, moscas, estavam banqueteando-se na carne das mulheres mortas.

Eles seguiram caminhando, percorreram a trilha como de costume, Leila ia a frente como batedora, ocultando-se em meio a vegetação, revistaram duas clareiras, e depois mais uma, apenas mato, arvores, pássaros, e pequenos animais, já havia se passado mais de uma hora dessa caminhada, o Olho de Azgher iniciava seu caminho em direção ao sono, o suor ja ensopava roupas quando ao longo foi avistado uma colina, e sobre ela uma rocha.

Caminharam em direção a colina, era um obvio ponto estratégico e permitiria uma visualização ampla de todo o lugar, aproximando-se puderam ver que o parecia uma rocha na verdade era um grande conjunto de pedras, formava um semicírculo, Leila prepara uma flecha no arco, e reduz o passo até que seus companheiro se aproximassem.
Imagem
Um dólmen, é usado por druidas para realizar rituais, se preparem talvez as coisas fiquem agitadas por hoje.

Avatar do usuário
Khrjstjano
Mensagens: 5714
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:07
Localização: Atrás de você. Não olhe.
Contato:

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Khrjstjano » 16 Fev 2016, 20:19

Tudo ficou preto.

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

Nada.

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

Absolutamente nada.

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

"Bom dia!"

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

Bahrbara abriu os olhos.

Tinha uma rosa vermelha sobre o peito, entre as duas mãos. Deitada. Lembrança.

De outra vida.

...

Levantou.
Imagem
Bom dia.
Não fazia a menor ideia de onde estava. As acomodações eram confortáveis, porém. Achou que tinham falhado. Que estavam de volta à cidade. Mas logo descobriu que não.

Emeritus provera refúgio. Também lhe devolvera a vida.
Imagem
Obrigado.
Disse, sorridente. Baixou a cabeça. Era só o que podia dizer.

Ficou pensando, olhando a rosa. A vida é tão frágil... Mesmo para quem é tão forte...

Talvez por isto a deusa estivesse presa naquele lugar há tanto tempo. Ninguém sabe quanto. Desde sempre, pelo que se sabe. E ninguém sabe o porquê...

Ao menos até onde "Bahrbara" sabe.
Imagem
Kalamar... Pode me contar mais sobre a deusa? O que você sabe que nós não?
Esperou. Ouviu.

...

Conversou com cada um de seus companheiros. Quis saber um pouco mais de cada um. De cada uma daquelas pessoas com quem vivia aqueles dias. Com quem morreu. Com quem voltou à vida.

Quem sabe, logo, não pudesse mais... Quem sabe, então, nenhum deles pudesse... Tantos morriam e não voltavam nunca mais. Bahrbara sabia: era exceção.

...

Mais tarde partiram. Deixaram corpos mortos, entregues às moscas, para trás. Bahrbara tentou imaginar o porquê das moscas. Por que não feras, tantas vezes atraídas por cadáveres. Nem animais aproveitadores. Logo ali? Deixou pra lá.

Andaram.

Andaram.

E andaram.

Então, no topo de um monte, observavam.
Imagem
Um dólmen, é usado por druidas para realizar rituais, se preparem talvez as coisas fiquem agitadas por hoje.
Imagem
Parece o tipo de lugar que guarda o tipo de gente que guarda este tipo de lugar.

Estratégias?
Aguardou respostas.

Não fossem boas, daria as suas.

Avatar do usuário
RoenMidnight
Mensagens: 2018
Registrado em: 28 Jan 2014, 12:39

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por RoenMidnight » 16 Fev 2016, 21:33

Não imaginava o que iria acontecer com Bahrbara antes dela tirar a rosa do peito... a poucos momentos ela acabara de matar um oponente a sua frente.

O que aconteceu a seguir a deixara horrorizada com aquela planta sugando a vida da Cavaleira por completo, deixando apenas os ossos... naquele momento agiu como maquina, carregou o corpo dela entretanto só tomou de fato consciência normal quando estava relaxando na acomodação criada por Emeritus, enquanto o mesmo realizava o ritual de ressurreição.


No outro dia estava novamente recuperada... aquilo estava ficando cada vez mais perigoso e era ainda a primeira masmorra...

Seguiu com o seu trabalho, batendo o caminho a frente do grupo até que chegou ao dólmen...
Imagem
Um dólmen, é usado por druidas para realizar rituais, se preparem talvez as coisas fiquem agitadas por hoje.
Aquilo seria perigoso. Sacou o seu arco, e procurou um lugar para se esconder e/ou que pudesse manter distancia no combate, quem sabem em cima de uma das pedras? Não gostaria de ficar a vista em qualquer momento do combate...
Me pague um café pelo o PicPay: @RoenMidnight
Grimório TRPG
=====Homebrew=====
Paladino Rework
Sectário do Crepúsculo

========================================================================================
PBF - Sangue e Desonra: Tsuru[TRPG]

Avatar do usuário
ISMurff
Mensagens: 3260
Registrado em: 10 Dez 2013, 13:50

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por ISMurff » 20 Fev 2016, 19:10

Krixus observou a morte de sua colega. Lamentou a perda da guerreira santa, achava ela meio doida mas sabia bater, e isso era o que importava. Após o embate, ajudou a carregar o corpo da paladina para dentro da morada mágica erguida pelo feiticeiro esquisitão que seguia com o grupo. Lá dentro comeu, bebeu, bebeu, bebeu mais ainda. E mais um pouco, então dormiu. Acordou com uma boa noite de sono e percebeu que a maluca de armadura estava viva novamente. "Essas magias estranhas servem pra algo" pensou. Mas embora estivesse afim de extrapolar falando suas bobagens corriqueiras, ele não estava muito no clima de conversar. Apenas seguiu com o grupo, em sua forma de combate diminuta.

Observou o dólmen druídico e ficou feliz em observar uma construção comum a ele. Embora os construídos por druidas de Allihanna sempre fossem feitos em pedra sólida, quase nunca pintados com sangue, como era de costume nos dólmens de Megalokk. Preferiu ficar furtivo próximo a vegetação e observar qualquer aproximação suspeita.
"Barbárie é o estado natural da humanidade. A civilização não é algo natural. É um capricho de circunstância. O barbarismo há de triunfar sempre no final."

- Robert E. Howard

Dthanatus
Mensagens: 877
Registrado em: 02 Fev 2014, 20:37

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Dthanatus » 21 Fev 2016, 11:57

Os heróis se detiveram ante a arquitetura druídica, o prenuncio de um possível combate ou seria a primeira possibilidade de aproximação não hostil?
Imagem
Um dólmen, é usado por druidas para realizar rituais, se preparem talvez as coisas fiquem agitadas por hoje
Imagem
Parece o tipo de lugar que guarda o tipo de gente que guarda este tipo de lugar.

Estratégias?
Emeritus estava em um funesto silêncio desde a morte de Bahrbara, Kalamar e Krixus também partilhavam essa postura com Emeritus.
Imagem
Acho melhor evitarmos riscos desnecessários, pelo que me lembro do que Shaldir havia dito, é provável que este seja o ponto em que encontraremos o guardião deste desafio, e pelo que se pode ver, será no minimo, um druida, vocês estão preparados?
As ações de Leila e Krixus responderam a pergunta de Kalamar, ambos caminhavam furtivamente pela orla da floresta, Leila se dirigia o primeiro grupo de pedras, enquanto Krixus se embrenhava pela mata, aquilo causou um desconforto em Bahrbara, Emeritus e Kalamar pareceram compartilhar desse sentimento, combater animais era uma coisa, eram fortes e rápidos, mas estúpidos, as druidesas que haviam matado a paladina de Valkaria provaram que seres inteligentes desse desafio tomariam vantagem do terreno, o que dizer que um terreno que foi manipulado por eles!?
Emeritus estava prestes a exteriorizar seu pensamento quando um estrondo fez o chão tremer, um urro bestial rasgou rasgou o ar.
Uma criatura ursina descomunal ergueu-se urrando, placas ósseas agressivas cresciam para fora de sua fronte,o urso atroz estava acompanhado de outro menor, provavelmente um filhote se comparado ao maior, mas ainda sim do mesmo tamanho dos urso coruja.
Neste exato momento também puderam notar algo como uma arvore se movendo, galhos ameaçadores projetavam-se do corpo enorme de madeira, Krixus era o mais próximo deste titã era por pouco maior que o olho da fera.
Imagem
Em nome de Valkaria!!!
Vou colocar a ordem de iniciativa apenas pra vocês se orientarem em estratégia, as postagens não precisam seguir ordem
Bahrbara 35
Leila 34
Krixus 22
Kalamar 15
Emeritus 10

Avatar do usuário
Khrjstjano
Mensagens: 5714
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:07
Localização: Atrás de você. Não olhe.
Contato:

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Khrjstjano » 25 Fev 2016, 02:14

Imagem
Por nós, deusa.

AQUI ESTÁ O LIBERTADOR DE VALKARIA! VENHAM ME DETER, SE PUDEREM, DEFENSORES MENORES.
Diante do perigo que surge rapidamente, Bahrbara invoca a proteção de sua deusa e atrai a atenção dos inimigos para si. O desafio do cavaleiro é lançado, o orgulho do inimigo ferido.

Então suas habilidades deveriam ser testadas.
Imagem
"Terra de misericórdia, liberte-me novamente."
A cavaleira conjura sua magia de levitação. Os pés deixam o solo, então ela parte em direção ao céu.
Imagem
VENHAM ME PEGAR; OLHEM PARA O ALTO, COMO AS CRIATURAS INFERIORES QUE SÃO.
Bahrbara se movimenta pelo ar de forma a atrair a atenção dos inimigos, mas sem se expor a eles. Queria que perdessem tempo, buscando por ela. Enquanto isso, seus aliados poderiam agir livremente.
Ações

Na primeira rodada, Bahrbara usa Orgulho (ação livre), conjura Voo (padrão) e voa para o alto (movimento).

Ela ganhará altura e distância o suficiente para ficar a salvo de quantos ataques puder, mas parecendo estar perto o suficiente para que os inimigos que caiam na Orgulho percam rodadas buscando formas alcançá-la, enquanto observa os inimigos para tirar uma impressão de se foram afetados por sua provocação (Intuição +14, se for necessário).

Vou esperar o fim desta rodada para dizer o que farei depois, pois dependerá de quantos caírem em Orgulho.

Avatar do usuário
RoenMidnight
Mensagens: 2018
Registrado em: 28 Jan 2014, 12:39

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por RoenMidnight » 25 Fev 2016, 08:18

Leila não perde tempo se espantando com os oponentes a sua frente, enquanto Báhrbara grita desafios contra seus inimigos corre para se esconder atrás de uma das pedras do domem.

Com um rápido movimento procura uma imperfeição na pedra para subir em cima do monumento, lá de cima teria visão de todo o campo de batalha e poderia se posicionar conforme a necessidade da situação.

Já preparava seu arco para quando um dos seus atacasse algum inimigo para seguir em conjunto com o ataque no mesmo oponente. Precisava tirar o máximo de vantagem de sua posição naquele momento.
Me pague um café pelo o PicPay: @RoenMidnight
Grimório TRPG
=====Homebrew=====
Paladino Rework
Sectário do Crepúsculo

========================================================================================
PBF - Sangue e Desonra: Tsuru[TRPG]

Dthanatus
Mensagens: 877
Registrado em: 02 Fev 2014, 20:37

Re: A Libertação de ValKaria - ATO 1

Mensagem por Dthanatus » 25 Fev 2016, 19:15

Em uma situação de combate pronunciado pessoas comuns receiam, vacilam ante a possibilidade da morte vindoura, Bahrbara a Paladina de Valkaria é tudo, menos uma pessoa comum, em momentos de tensão, aquela ínfima fração de tempo que se estende por horas durante um segundo a cavaleira avança destemida

Imagem
"Terra de misericórdia, liberte-me novamente."
Invocando a herança de sua linhagem a paladina flutua, desprezava o aperto da terra como despreza o medo, mostrava quem ela, vociferando um desafio contra seus oponente e alçando os céus.
Imagem
Por nós, deusa.

AQUI ESTÁ O LIBERTADOR DE VALKARIA! VENHAM ME DETER, SE PUDEREM, DEFENSORES MENORES.
VENHAM ME PEGAR; OLHEM PARA O ALTO, COMO AS CRIATURAS INFERIORES QUE SÃO.
Enquanto Bahrbara atraia para si as atenções, Leila esforçava-se para ser nada mais que uma sombra, rolou para o lado e lançou-se a escalar por um dos arcos que formavam o dólmen, a subida era fácil, como escalar uma escada e rapidamente a ladina pôs-se ao topo, e tanto Bahrbara quanto Leila puderam ver atrás dos ursos atrozes cintilando brandamente num circulo de pedra as inscrições truncadas e complexas, emanando uma languida luminosidade purpura, o mesmo padrão do portal que as trouxeram para cá, também puderam ver uma enorme poça d'água, e nesta poça puderam ver a si mesmas e seus companheiro.

A compreensão foi instantânea, quem quer que fosse o guardião deste desafio, estava observando e estudando todo o grupo, era possível assumir que estaria preparado, estavam corretas.

O Maior dos ursos atrozes, era definitivamente a maior criatura que habitava este lugar era nada menos que um palacete móvel coberto de pelos e garras longas, a criatura avançava furiosa enquanto o urso menor pôs-se de pé, urrando e circulando as patas de forma anormal, um brilho verde emanava de seus olhos.
Urso atroz menor escreveu:Brisa gentil, espalhando o orvalho da manhã, conceda o frescor e o silêncio da madrugada
O mundo havia perdido o som, nem mesmo o som das pesadas passadas do urso gigantesco que urrava mudamente enquanto balançava suas gigantescas garras em direção a Bahrbara, tamanha era estatura da fera que mesmo a nove metros de distância do solo golpeou a paladina, um golpe avassalador que arremessou a paladina em direção ao ao solo, o impacto ameaçou roubar a consciência da paladina, que se chocou contra uma arvore, mas ao menor pode ouvir o som das batidas do próprio coração, e do chão viu o urso gigantesco falha em acertar Leila que numa cambalhota evitou a pata da criatura que em atacou seguira atacou a forma minuscula de Krixus.

O pequeno louva-deus que era Krixus compreendeu o que enfrentavam, um druida, seu companheiro animal e alguma coisa coisa feita de arvores, talvez um golem, mas antes que pudesse reagir e avança o gigantes urso atroz acertou o druida de megallok, sua forma de batalha embora letal não tinha a densidade para resistir ao golpe, foi arremessado em direção a mata fechada golpeando o chão de forma abrupta. Então a coisa nas arvores se mexeu.

Uma forma taurina composta de troncos galhos e folhas de arvores vivas arremeteu violentamente, Kalamar e Emeritus estavam em seu caminho, foram atropelados e jogados no chão aquela besta monstruosa e gigantesca tinha um único alvo, Bahrbara a Paladina de Valkaria. Leila não compreendia reconhecia a forma e aparência daquilo, um Górgona, jamais ouvira falar de um que fosse feito de arvores vivas, mas podia dizer estava presa naquele mundo silencioso. Os chifres do górgona rasgaram o chão ao encontrar Bahrbara a palanina que mal conseguiu por-se de pé estava novamente voando, arremessada pela investida brutal do monstro, caiu de bruços o rosto rasgado e a boca cheia de terra e folhas podia ouvir o touro de arvores chocas o casco contra o solo enquanto se preparava para outra investida brutal sabia que estava longe de seus aliados em meio a mata fechada com um touro de pelo menos 4 toneladas de arvores entre ela e o resto do grupo.

Kalamar e Emeritus ergueram-se aturdidos falavam silenciosamente, Emeritus gesticulou e Kalamar compreendeu, o Urso menor havia conjurado sobre o usurpador um feitiço de silêncio, Emeritus estava inútil, Kalamar correu em direção de onde Bahrbara fora arremessada.
Situação Atual escreveu: Bahrbara sofreu 102 pontos de dano, e esta caída a uma distancia de 15 metros do grupo,12 metros dentro de mata fechada, o górgona esta a uma distância de 6 metros de Bahrbara
Krixus sofreu 39 pontos de dano e esta caído a 6 metros do grupo, em mata fechada
Emeritus esta no foco de uma área de silêncio, na verdade ele é a área de silêncio
Kalamar correu em direção a Bahrbara

Responder

Voltar para “Heróis de Guerra”