Games: quais são realmente RPG core.

Espaço para assuntos não cobertos pelos outros fóruns. Lembre-se: a estalagem fica em Petrynia... Exageros são permitidos!
Avatar do usuário
Shion
Mensagens: 2830
Registrado em: 11 Dez 2013, 05:13
Localização: Forno Alegre

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Shion » 29 Jun 2019, 21:43

Apesar de não ser totalmente obrigatório, ter um sistema de atributos visível (e de preferência, customizável) já é um grande passo na linha do gênero de RPG. Todo jogo tem um sistema de dano e HP interno pra funcionar, mas quando se tem números de verdade e não abstratos faz uma diferença danada. A diferença pode parecer boba, mas quando se muda o pensamento de 'eu preciso de 5 tiros pra matar esse inimigo' pra 'eu preciso causar 50 de dano pra matar esse inimigo' a nossa reação muda em como vemos o jogo. Esse tipo de informação analítica torna a experiência bem diferente, e é algo que muitos jogos de ação tem e faz o mesmo ter uma pegada mais próxima do RPG (e estou falando aqui de ação mesmo, não 'action RPG' como muitos MMOs por ai, com combate em tempo real).

A falta disso e da progressão do personagem ser quase inexistente na franquia Zelda (no máximo muda a arma e com isso menos ataques pra derrotar os inimigos) é um grande ponto pra não ser um RPG. BOTW deu uma mudada aqui (com os equipamentos) mas ainda assim não está exatamente no ponto necessário pra mudar o gênero do jogo.
Imagem

Avatar do usuário
Khrjstjano
Mensagens: 5673
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:07
Localização: Atrás de você. Não olhe.
Contato:

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Khrjstjano » 22 Jul 2019, 00:37

Nos meus critérios, como RPG é um jogo de contar histórias, um jogo que dê maior liberdade de interferência na história é mais próximo dos rpgs convencionais. Ele acaba compartilhando mais a história e por isso se aproxima mais do objetivo de um RPG convencional.

Questões de mecânica e de liberdade de exploração do mundo são secundárias, embora ainda possuam valor, pois não estão ligadas diretamente ao objetivo de m RPG convencional, mas sim são apenas partes do método dado para percorrer o jogo. E essas também são questões que podem mudar muito de um jogo para outro e por isso eu acabo não dando tanta importância para elas.

Meu o foco está no objetivo do RPG: contar histórias durante o jogo.

Avatar do usuário
Shion
Mensagens: 2830
Registrado em: 11 Dez 2013, 05:13
Localização: Forno Alegre

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Shion » 22 Jul 2019, 09:29

Mas aí entram as novels nessa categoria, que são literalmente história do início ao fim, com interatividade por conta do jogador pra decidir o rumo.
Imagem

Avatar do usuário
Yria
Mensagens: 18
Registrado em: 27 Jun 2019, 13:58
Localização: SP

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Yria » 22 Jul 2019, 11:59

Khrjstjano escreveu:
22 Jul 2019, 00:37
Nos meus critérios, como RPG é um jogo de contar histórias, um jogo que dê maior liberdade de interferência na história é mais próximo dos rpgs convencionais. Ele acaba compartilhando mais a história e por isso se aproxima mais do objetivo de um RPG convencional.

Questões de mecânica e de liberdade de exploração do mundo são secundárias, embora ainda possuam valor, pois não estão ligadas diretamente ao objetivo de m RPG convencional, mas sim são apenas partes do método dado para percorrer o jogo. E essas também são questões que podem mudar muito de um jogo para outro e por isso eu acabo não dando tanta importância para elas.

Meu o foco está no objetivo do RPG: contar histórias durante o jogo.
Vou apenas acrescentar um ou dois pontos sobre isso, que pra mim entram nessa questão em forma de ferramenta passiva e ativa, que são os diários de campanha disponíveis em alguns tipos de cRPGs como é o caso de Baldur's Gate, por exemplo, um recurso que incentiva não somente a ler o que já ocorreu na campanha do game, que são descritos automaticamente, como também em contra partida possibilita livremente que o próprio jogador possa escrever seu diário de campanha personalizado durante todo o percurso da sua experiencia pessoal, já conheci uma ou duas figurinhas que usaram esse recurso profundamente.

Em Pillar of eternity 1 e 2 por sua vez em vários momentos cenas do jogo são substituídos por narrativas descritivas em forma de livro, mas mantendo a liberdade para interação de escolhas e mudanças do rumo da historia do que se está lendo.

Curiosamente já vi algumas pessoas reclamando que tais jogos tem texto demais o que para elas tornam os mesmos chatos... o que me causa estranheza já que como se trada de um game que é para ser uma experiencia próxima a um RPG de verdade textos, descrições e diálogos são essencialmente imprescindíveis para quem gosta do gênero.
Aluga-se para anuncio: (preço fixo 2 paçocas e quatro balas Juquinhas)

Avatar do usuário
Yria
Mensagens: 18
Registrado em: 27 Jun 2019, 13:58
Localização: SP

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Yria » 22 Jul 2019, 12:15

Shion escreveu:
29 Jun 2019, 21:43
Apesar de não ser totalmente obrigatório, ter um sistema de atributos visível (e de preferência, customizável) já é um grande passo na linha do gênero de RPG. Todo jogo tem um sistema de dano e HP interno pra funcionar, mas quando se tem números de verdade e não abstratos faz uma diferença danada. A diferença pode parecer boba, mas quando se muda o pensamento de 'eu preciso de 5 tiros pra matar esse inimigo' pra 'eu preciso causar 50 de dano pra matar esse inimigo' a nossa reação muda em como vemos o jogo. Esse tipo de informação analítica torna a experiência bem diferente, e é algo que muitos jogos de ação tem e faz o mesmo ter uma pegada mais próxima do RPG (e estou falando aqui de ação mesmo, não 'action RPG' como muitos MMOs por ai, com combate em tempo real).

A falta disso e da progressão do personagem ser quase inexistente na franquia Zelda (no máximo muda a arma e com isso menos ataques pra derrotar os inimigos) é um grande ponto pra não ser um RPG. BOTW deu uma mudada aqui (com os equipamentos) mas ainda assim não está exatamente no ponto necessário pra mudar o gênero do jogo.
Acredito que isso se deva ao fato da Nintendo sempre querer incentivar que o mundo se pareça de alguma forma com o a logica do mundo real onde ao atacarmos alguém com facas ou pistolas não apareçam numero de nada nas mesmas, o que por sua vez é usado em defesa de alguns tipos de jogos eletrônicos de mundo aberto, que eu pessoalmente não consigo conceber como sendo RPG, por mais liberdade de interação ou escolhas que os mesmos proporcionem.

O que eu sei que é conflituoso e antagônico com a minha linha de as vezes tentar puxar Zelda para o gênero.
Editado pela última vez por Yria em 23 Jul 2019, 00:57, em um total de 1 vez.
Aluga-se para anuncio: (preço fixo 2 paçocas e quatro balas Juquinhas)

Avatar do usuário
Khrjstjano
Mensagens: 5673
Registrado em: 09 Dez 2013, 20:07
Localização: Atrás de você. Não olhe.
Contato:

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Khrjstjano » 22 Jul 2019, 20:55

Shion escreveu:
22 Jul 2019, 09:29
Mas aí entram as novels nessa categoria, que são literalmente história do início ao fim, com interatividade por conta do jogador pra decidir o rumo.
Veja que até o nome do gênero já entrega aque ele é totalmente antenado com o RP do RPG. Por mais que a mecânica, o G do RPG, não apareça nele, a ausência de um aspecto não tira o valor do outro. Essa falta no máximo gerará alguma estranheza, porque quando falamos em RPG de mesa estamos acostumados a falar sobre certas certas mecânicas. Entretanto, acredito que quem esteja mais familiarizado com RPGs de mesa menos convencionais, ou com os mais narrativistas, deverá estranhar menos do que quem está mais familiarizado com d&d e similares, apenas, por ter mais referências de mecânicas diferenciadas.

Avatar do usuário
Shion
Mensagens: 2830
Registrado em: 11 Dez 2013, 05:13
Localização: Forno Alegre

Re: Games: quais são realmente RPG core.

Mensagem por Shion » 22 Jul 2019, 21:03

Bem, novels são jogos, então tecnicamente tem o G também :lol:

E sim, tem RPGs menos convencionais que nem se usa regra ou se usa algo bem básico (os próprios livros-jogo que a Jambô tem são um exemplo), mas não acho que seja esse tipo que estamos falando aqui, e sim dos mais 'eletrônicos' estilo Chrono Trigger, Baldur's Gate, Final Fantasy, essas coisas.
Imagem

Responder

Voltar para “A Estalagem do Macaco Caolho”