Podcast Dragão Brasil 23: História de Verdade!

Adonias Marques | 29 de março de 2019

1 comentário

Sexta aqui no podcast é hora de se divertir e elevar seu conhecimento RPGístico a outro nível!

J.M. Trevisan, Leonel Caldela e Karen Soarele, juntamente com o professor Bruno Schlatter, autor de suplementos de Tormenta e colaborador da Dragão Brasil, exploram a História com H maiúsculo! Como foi a era medieval de verdade? Quais partes menos conhecidas da História podemos usar para engrandecer nossas mesas? Isso, mais WWE, Crusader Kings e as perguntas dos ouvintes!

Para escutar, clique no player acima.

Para baixar, clique no link correspondente com o botão direito e escolha “Salvar como”.

Para ainda mais conteúdo, assine a Dragão Brasil — são mais de 100 páginas de RPG e cultura nerd todos os meses!

………………………………………………………………………………..
Flecha de Fogo:
https://jamboeditora.com.br/produto/a-flecha-de-fogo/

Ledd Vol 5:
https://jamboeditora.com.br/produto/ledd-vol-5/

………………………………………………………………………………..

Créditos
Participantes:
Guilherme Dei Svaldi (Facebook | Livros), Karen Soarele (Facebook | Livros), J. M. Trevisan (Twitter | Livros), Leonel Caldela (Twitter | Livros).
Edição: Adonias Marques (portfólio)

Comentários

Álvaro
Muito interessante o tema. Nunca tive interesse jogar RPG histórico porque imagino que se não for ambientado na alta classe do período será algo muito monótono e um jogo de nobres se resumiria em uma trama politica sem muitas novidades. A participação do BURP e os comentários sobre as civilizações africanas me trouxeram um certo alivio, tinha muito receio sobre o suplemento "Além do Reinado" acabasse se tornado o "Manual do Bárbaro". Vejo muito isso nos jogadores de Tormenta que sempre enxerga as regiões da Grande Savana, Deserto da Perdição e União Purpura (esse ultimo me fazia convulsionar ao ler no Reinado 3.5 que eles não tinham habilidades regionais por serem incapazes de formar uma cultura que distinguissem dos demais povos) como exclusivamente caçadores coletores que não conseguem se organizar em uma comunidade além do esteriótipo tribal supersticioso. Espero ver nos próximos lançamentos de Tormenta influências de outros povos e culturas, que de quebra destrói o certos pensamentos de "Arton é medieval" para justificar babaquices. Abraços.
Responder · 6 meses atrás