Aventuras Anti-ácidas — Aharadak, Kallyadranoch, Lena e Khalmyr

Sal e Tormenta

Aventuras Anti-ácidas — Aharadak, Kallyadranoch, Lena e Khalmyr

Por Em Sal e Tormenta Comentários Aventuras Anti-ácidas — Aharadak, Kallyadranoch, Lena e Khalmyr 2

Olá aventureiros da Gangue do Algodão Doce! Continuando nossas ideias de aventuras com as Sobremesas dos Deuses de Sal & Tormenta, hoje contemplamos os doces de Aharadak, Kallyadranoch, Lena e Khalmyr.

***

Fada do milho

A Cidadela de Alenkor, em Bielfeld, é conhecida como ótimo ponto de parada a viajantes que rumam à Valkaria. Além de tavernas animadas e estalagens razoavelmente confortáveis, a localidade possui o Templo de Lena, costumeiramente o primeiro ponto de parada a qualquer recém-chegado.

No templo, as sacerdotisas de Lena mantêm a tradição local de demonstrar hospitalidade oferecendo gratuitamente a aventureiros e viajantes uma generosa porção do doce revigorante Caldo de Lena. Mas, ao que parece, a tradição será quebrada, já que o carregamento de milho não chegou, e sem ele, não há como preparar o doce que leva o nome da Deusa da Vida.

Chamado à aventura

Em meio à estrada, viajantes deparam-se com uma carruagem carregada de milho. No local há somente uma diminuta fada, Lurieh, que conta sua história: pregou uma peça, assustando o condutor de uma carroça que passava no local. Contudo, ela afirma que enganou tantas pessoas na vida que a própria Lena surgiu em sua frente e a repreendeu pelas maldades. A deusa afirmou que a carruagem destinava-se a um templo onde o milho seria usado para fazer doces a viajantes e incautos. Mas, graças à Lurieh, o condutor fugiu assustado, tudo a preço de algumas risadas de diversão.

Apesar do desgosto, Lena teria dado a Lurieh uma oportunidade de redimir-se: deveria a fada contar cada grão de milho da carruagem até o anoitecer ou seria transformada em sabugo de milho! Desesperada, Lurieh implora por auxílio para terminar a tempo a árdua tarefa.

Será a história verdadeira ou outro truque da fada?

Complementos e complicações
A aventura pode ser incrementada com as possibilidades abaixo:

  • As sacerdotisas do templo em Alenkor já conhecem Lurieh e seus truques. Estão à procura de aventureiros que aceitem lidar com a fada sem ferí-la.

A Tormenta passou açúcar em mim

A cada noite, o sono de mais um habitante de Nova Malpetrim é perturbado por um pesadelo. Não qualquer pesadelo, mas exatamente o mesmo que perturba outras pessoas.

Quem foi vitimado por tamanha perturbação narra as cenas do pesadelo da seguinte maneira: a pessoa se vê em uma Área de Tormenta que, contudo, parece vazia. Quanto mais a pessoa se aproxima, mais vai tomando forma a única outra criatura no local. Aproximando-se o bastante, é possível ver que se trata de uma criatura humanoide e que, estranhamente, parece entretida com uma tigela que tem em mãos. Aproximando-se mais um pouco nota-se que a criatura está comendo vagarosamente o que parece ser o doce Tormenta em Camadas.

Chamado à aventura

Temendo que os pesadelos sejam alguma nova forma de avanço da Tormenta, diversas organizações em Nova Malpetrim estão contratando aventureiros para investigar a ocorrência. Arcanistas com poderes mentais ou qualquer indivíduo com capacidades de controlar sonhos serão altamente recompensados para lidar com esse problema.

Complementos e complicações
A aventura pode ser incrementada com as possibilidades detalhadas abaixo.

  • Aqueles que consigam visualizar ou adentrar nos pesadelos (utilizar a magia Sonho (Tormenta20, página 199) vão notar que, embora pareçam exatamente iguais (com exceção do protagonista, que é sempre quem está sonhando), os pesadelos possuem diferenças sutis entre eles. Esses detalhes podem ser a resposta para entender o que está acontecendo.

 

Torneios & Tretas

A Ordem de Khalmyr e a Ordem da Luz estão reunidas para uma festividade. Torneios de justa, combate individual e competição de bardos acirram a disputa amigável entre as duas organizações históricas que se devotam ao Deus da Justiça.

A cada noite, um grande baile celebra a união entre as duas organizações e homenageia os vencedores do dia. Para abri-lo, há a solenidade de distribuir a todos os presentes os doces Justos de Khalmyr, símbolo de refeições coletivas e amigáveis. Assim ocorreu nas três primeiras noites de festividade.

Na quarta noite, o clima azedou: os doces estavam terrivelmente amargos. O baile foi encerrado, temendo-se haver veneno nos Justos, o que logo foi descartado. A festividade seguiu com o cronograma nos dias seguintes, mas o que se vê desde então é um clima bélico crescente, com os cavaleiros e cavaleiras de ambas as ordens exasperados em cada disputa e culpando a ordem adversária por um suposto envolvimento no azedume dos quitutes.

Chamado à aventura
A festividade é motivo para presença de muitos mercadores, viajantes e todo tipo de forasteiros. Aventureiros e aventureiras que pareçam eficientes e discretos e estejam pelo festival podem ser contratados pelos líderes das duas ordens. A missão é simples, embora nada fácil: descobrir quem está por trás do ocorrido com os doces e qual a intenção do ato.

Seria um plano para implementar desavença entre as ordens? Algum tipo de peça de humor duvidoso?

Complementos e complicações
A aventura pode ser incrementada com as possibilidades detalhadas abaixo.

  • Muitas competições paralelas ocorrem durante esse tipo de festival. É uma boa oportunidade para implementar disputas e torneios para habilidades variadas que os Personagens Jogadores possuam, além de trazer um clima mais alegre e menos formal. Torneio de arremesso de faca, disputa de levantamento de peso e, quem sabe, algo como o Torneio do Beberrão de Khalmyr, em que o competidor que conseguir beber mais canecos de cerveja e ainda recitar perfeitamente o juramento das duas ordens será declarado campeão ou campeã.
  • Caso descubram que a autoria do ato foi de uma das duas ordens, os aventureiros contratados informarão a descoberta, sabendo que a revelação pode levar a uma desavença ainda mais aberta?

 

Casamento Flambado

Estão indo de vento em popa os preparativos para o casamento de Fynne Holdyr, herdeiro do Condado Holdyr, em Ahlen. A Condessa Mylenda, sua mãe, está cuidando de todos os detalhes para que o casamento seja uma festa de opulência o bastante para fazer inveja mesmo às três grandes famílias do reino.

O ponto alto da festa de matrimônio, planeja Mylenda, será quando for servido a cada um dos 772 convidados um doce Ouro de Dragão, tostado na hora por fogo mágico de arcanistas contratados por ela.

Contudo, os detalhes do evento vão além da ostentação social de uma nobre ambiciosa. Em verdade, Mylenda secretamente cultua Kallyadranoch, e pretende fazer do casamento do filho um tipo de grande ritual para conseguir riqueza crescente para sua família e boas graças do Deus dos Dragões.

Chamado à aventura

Apesar de ser cuidadosa, Condessa Mylenda Holdyr menosprezou a capacidade alheia. Alguns acontecimentos do casamento, anunciados abertamente e parecendo ser apenas exuberância, foram notados por outros aristocratas de Ahlen por conter simbolismos religiosos. O número de convidados, 772, é exatamente a quantidade de anos que o Deus dos Dragões ficou fora do Panteão e o doce Ouro de Dragão é conhecido por homenagear Kallyadranoch. Essas pessoas atentas às intenções maléficas de Mylenda estão contratando inúmeros aventureiros para sabotar os planos do ritual sem estragar o casamento. Afinal, os noivos Fynne e Luke não parecem ter envolvimento com o culto maléfico e não merecem ter o importante dia prejudicado.

Complementos e complicações
A aventura pode ser incrementada com as possibilidades detalhadas abaixo.

  • Os aristocratas que contratam os aventureiros podem ser asseclas de Mylenda. Ora, é isso o que dá confiar em pessoas de Ahlen.
  • Um Tirano do Terceiro (Tormenta20, página 298) é um grande perigo que aventureiros enxeridos podem se deparar. Ele é um aliado poderoso de Mylenda e está auxiliando-a no plano de estabelecer um culto a Kallyadranoch em Ahlen.

***

O que vem por aí

No próximo Aventuras Anti-ácidas continuaremos com mais aventuras, doces e deuses.

Uma Condessa ambiciosa, uma fada travessa, cavaleiros enraivecidos ou pesadelos da Tormenta. Comente aí o que te assusta mais!

Mais Aventuras Anti-ácidas

Aventuras Anti-ácidas — Tenebra, Arsenal, Thwor e Thyatis

Adoce suas aventuras com Sal & Tormenta

Sal & Tormenta 01 — Lena e Khalmyr
Sal & Tormenta 02 — Aharadak, Thyatis e Kallyadranoch
Sal & Tormenta 03 — Arsenal, Tenebra e Thwor
Sal & Tormenta 04 — Wynna, Lin-Wu e Nimb

Comentários (2)

  1. Cada vez melhor da pra, se num casamento esso acontece imagina num enterro, tem um dia da mendira em artar daria uma boa e pequena história, com essa ideia de fazer umas comidas pode ter um livro de reseitas ou augo parecido valeu pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *